Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cirurgia / Consenso internacional para diretrizes de tratamento da hérnia inguinal
Grupo de cirurgiões buscam consenso para diretrizes de cirurgia de hérnia inguinal

Consenso internacional para diretrizes de tratamento da hérnia inguinal

Esse conteúdo é exclusivo para
usuários do Portal PEBMED.

Tenha acesso ilimitado a todos os artigos, quizzes e casos clínicos do Portal PEBMED.

Faça seu login ou inscreva-se gratuitamente!

As cirurgias de hérnia inguinal sem dúvida são uma das primeiras a serem ensinadas para o residente de cirurgia geral e infelizmente muitas vezes negligenciadas como instrumento de ensino. Na cirurgia aberta da hérnia inguinal praticamente todas as habilidades cirúrgicas são postas em prática.

Também de forma semelhante a evolução no tratamento da hérnia é negligenciada pelos cirurgiões já formados, pois continuam realizando a mesma técnica que aprenderam durante a residência médica. De certa forma isto se deve ao fato de que, após a introdução das telas no arsenal terapêutico, o índice de sucesso cirúrgico aumentou exponencialmente. No entanto o tratamento da hérnia inguinal apresenta complicações que em diversas ocasiões são de difícil tratamento.

Leia também: Hérnia de portal pós-cirurgia bariátrica: uma complicação negligenciada

Métodos para conseguir o consenso

Um grupo de 50 experts em hérnia formularam um consenso sobre hérnia em Rotterdan 2016, e apresentaram suas conclusões em 4 congressos internacionais para que membros de diferentes sociedades também pudessem opinar. O consenso seria atingido a cada afirmação que atingisse um mínimo de 70% de concordância.

Resultados

O diagnóstico de hérnia inguinal é feito pelo exame físico e somente nos casos de dúvida é necessário utilizar métodos de imagem, com a preferência pela ultrassonografia. (94% de concordância).

Também foi consenso que não existe uma técnica única para o tratamento de todas as hérnias podendo ser oferecida a via anterior ou posterior, sendo que independente da via é fundamental o uso da tela. Não houve consenso se as chamadas telas de baixa densidade promovem um benefício a curto prazo para o paciente.

Apesar de possuir baixa evidência, a concordância foi de 82%, que deve se evitar o uso de telas do tipo tridimensionais que são posicionadas tanto anterior quando posterior ao canal inguinal. A justificativa é que apresenta resultados semelhantes e há uma maior quantidade de material implantada, além de manipular os dois lados do canal inguinal. Também não foi recomendada a ressecção nervosa planejada e profilática do nervo íleo inguinal, a qual só deve ser realizada se ocorrer lesão durante a cirurgia ou influenciar o bom posicionamento da tela.

Quanto as cirurgias endoscópicas, é consenso que mesmo as hérnias unilaterais em homens, deve ser proposto o tratamento minimamente invasivo, devido a diminuição da dor no pós-operatório e crônica. Das duas técnicas endoscópicas (TAPP e TEP) ambas apresentam resultados semelhantes. Dessa forma, a escolha é pessoal do cirurgião.

Em situações de emergência, deve-se dar preferência ao uso de telas macroporosas monofilamentares de polipropileno em campos operatórios limpos e/ou potencialmente contaminados.

Saiba mais: Posso utilizar telas em cirurgias infectadas?

Discussão

O consenso foi atingido em 87% das recomendações e frases propostas o que é uma indicação que do aceite internacional do consenso inicial de Rotterdan. Desenvolver consensos internacionais é um grande desafio, devido as grandes diferenças locais. As plenárias de consenso em 4 congressos internacionais serviram como um meio de difundir as ideias do guideline para a comunidade cirúrgica.

Apesar de existir um alto grau de evidência para não se fazer antibiótico profilático, não houve consenso. Tanto para os tratamentos endoscópicos ou convencionais. Uma explicação pode ser a recomendação de uso de antibiótico continua em outras diretrizes e que o antibiótico profilático também é utilizado como parâmetro de bom desempenho da equipe cirúrgica pela coordenação hospitalar.

Conclusões

Houve 87% de consenso nas recomendações e afirmações propostas, o que pode servir como base para protocolos internacionais e identificar futuras questões.

Independente da via utilizada o uso de tela tem se mostrado superior ao não uso. Mesmo sendo consagrado a técnica convencional, há opções economicamente viáveis que podem ser oferecidas ao paciente. O mais importante é o cirurgião estar afeito com a técnica.

Autor(a):

Referências bibliográficas

  • van Veenendaal N, et al. Consensus on international guidelines for management of groin hérnias. Surgical Endoscopy, 2020;34:2359–2377

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.