Considerações sobre a vacina contra o SARS-CoV-2 nas doenças neurológicas - PEBMED

Considerações sobre a vacina contra o SARS-CoV-2 nas doenças neurológicas

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Embora tenha havido alguns casos de complicações neurológicas em pessoas que tomaram a vacina para Covid-19, causada pelo SARS-CoV-2, os cientistas afirmam que a causalidade direta não foi comprovada. Os principais efeitos colaterais associados são febre baixa, mialgia, cefaleia, náuseas, fadiga e sintomas locais. Esses efeitos foram mais frequentes após a segunda dose (dose de reforço) da vacina e foram autolimitados.

Leia também: Vacinação contra Covid-19 em crianças e adolescentes

Considerações sobre a vacina contra o SARS-CoV-2 nas doenças neurológicas

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Evidências

Não há qualquer indício, até o momento, que pacientes com doenças neurológicas sejam elas neurodegenerativas, vasculares, infecciosas, imunomediadas, carenciais, epilepsia entre outras, possuem alguma contraindicação para a utilização das vacinas atualmente disponibilizadas. Da mesma forma, não há contraindicações para pacientes em uso de imunossupressor. Importante ressaltar que não é indicada a suspensão ou modificação da posologia de pacientes em tratamento com imunossupressor e nem se estes diminuem a eficácia da vacina. Importante lembrar, que a estes pacientes, não é indicado o uso de vacinas com base de vírus vivo atenuado.

O grande receio, muitas vezes recai sobre os pequenos riscos para a síndrome de Guillain-Barré (SGB), paralisia de Bell, encefalites, mielites ou outros distúrbios neurológicos.

As preocupações sobre o risco de SBG em resposta às vacinas datam de 1976, quando “havia um pequeno aumento do risco após a vacinação contra a gripe suína”, segundo o Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Estudo recente

Uma análise da National Academy of Medicine descobriu que o risco dessa vacina era de aproximadamente um caso adicional de SGB para cada 100.000 pessoas que receberam a vacina contra a gripe suína.

Desde então, de acordo com uma revisão recente no Journal of Infection Diseases, o risco associado à vacina contra a gripe sazonal tem estado consistentemente na faixa de um a dois casos adicionais de SGB por milhão de doses da vacina contra a gripe administrada. Como o CDC declarou em sua página sobre a segurança da vacina, “Os estudos sugeriram que é mais provável que uma pessoa contraia a SGB após pegar a gripe do que após a vacinação”.

Saiba mais: Posição prona: uma poderosa aliada na Covid-19 grave

Quando imuniza a população mundial, os casos de SGB ou outras complicações neurológicas continuarão aparecendo, algumas vezes associado à vacina apenas por acaso. Por isso a importância da notificação, assim como uma investigação para saber se teve relação direta com a imunização ou não.

A orientação é VACINE-SE !

Autor(a):

Referências bibliográficas:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar