Psiquiatria

Consumo de álcool aumenta risco de desenvolvimento de demência, diz estudo

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O alcoolismo é uma das principais causas de morte ao redor do mundo, em especial no Brasil. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 3 milhões de brasileiros morrem todo ano em decorrência do uso de álcool. O consumo prolongado da bebida alcoólica, além de acarretar outras doenças, pode aumentar também o risco de demência, conforme demonstra uma pesquisa realizada no Reino Unido e publicada em agosto na The BMJ.

O levantamento contou com a participação de 9.087 voluntários com faixa etária entre 35 e 55 anos, e os acompanhou por um período médio de 23 anos. Os registros de demência e incidências de mortes foram analisados até 2017. A pesquisa avaliou a média de consumo de álcool dos participantes e definiu o parâmetro de 1 a 14 unidades da bebida por semana, sendo a unidade referente a 10 ml ou 8g de álcool puro.

Leia mais: Alcoolismo: nova diretriz indica melhor tratamento medicamentoso

Foram identificados três grupos: um que bebia mais de 14 unidades por semana, outro que consumia bebida alcoólica de forma moderada (1-14 unidades/semana) e o terceiro cujos integrantes passaram por crises de abstinência após período prolongado de uso da substância.

Ao fim da pesquisa, foram registrados 397 casos de demência. No grupo que passou por crises de abstinência, o risco de desenvolvimento da doença mental foi maior (HR 1,47; IC 95% [1,15-1,89]) do que no grupo que bebia moderadamente. Dos indivíduos que consumiam mais de 14 unidades por semana, o risco de demência aumentava 17% para cada 7 unidades adicionais no consumo de álcool (IC 95%).

Análise multivariada sugere que o risco do desenvolvimento de demência no grupo abstinente está associado a doenças cardiometabólicas presentes em alguns participantes deste grupo (HR 1,47; IC 95%  [1,15-1,89]). Nos voluntários do mesmo grupo, que não foram diagnosticados com essas doenças, o risco foi menor (HR 1,33; IC 95% [0,88-2,02]).

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook.

Referências:

  • Alcohol consumption and risk of dementia: 23 year follow-up of Whitehall II cohort study. BMJ 2018; 362 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.k2927.
Compartilhar
Publicado por
Roberto Caligari

Posts recentes

Alzheimer: mirtazapina é eficaz no tratamento de comportamentos agitados?

Um estudo avaliou a efetividade da mirtazapina em comparação ao placebo no tratamento da agitação…

3 horas atrás

Varíola do macaco: Anvisa recomenda uso de máscaras e Ministério monitora situação no Brasil

A Anvisa divulgou uma nota para esclarecer as recomendações realizadas para retardar a entrada do…

4 horas atrás

Endometriose e adenomiose: há relação com distúrbios causados pelo consumo de produtos químicos?

Embora estudos mostrem relação da endometriose e adenomiose com uma alteração inflamatória na paciente, pouco…

5 horas atrás

Síndrome de Takotsubo, apenas coração partido?

A síndrome de Takotsubo se caracteriza por uma insuficiência cardíaca aguda e transitória com padrões…

6 horas atrás

Desconforto orofaríngeo após anestesia geral: o que há de novo para sua prevenção?

O desconforto orofaríngeo é um evento adverso muito comum após realização de anestesia geral com…

7 horas atrás

Menopausa modula o metaboloma circulante: dados de um estudo de coorte prospectivo

Estudos sugerem que a evolução prejudicial sobre a saúde coronariana se dá pelo aumento de…

8 horas atrás