Pediatria

Consumo de leite materno por prematuros está associado ao melhor desempenho cardíaco?

Tempo de leitura: 2 min.

Sabemos de longa data que o leite materno apresenta diversos benefícios no desenvolvimento cerebral e pulmonar, além de ser um componente essencial da saúde cardiovascular.  Esse dado é de extrema relevância, pois indivíduos que nasceram prematuros têm um risco aumentado de doenças cardiovasculares, como: ICC, HAS, hipertensão pulmonar e infarto agudo do miocárdio.

Leia também: Iniciativa Unidade Básica Amiga da Amamentação (IUBAAM)

Diversos estudos já relataram uma associação benéfica entre consumo de leite materno no período neonatal e mecânica cardíaca em adultos que nasceram prematuros. Porém, até hoje, não se sabe se esse benefício também existe no primeiro ano de idade. 

Recentemente, foi publicado no JAMA, um estudo transversal que incluiu 180 indivíduos, sendo 80 recém-nascidos (RNs) prematuros e 100 RNs a termo. Em todos, foi realizado um ecocardiograma, sendo que nos prematuros esse exame foi realizado de 32 a 36 semanas de idade gestacional corrigida e nos recém-nascidos à termo foi realizada com 1 mês de vida. Após, todos os RNs realizaram novo ecocardiograma com 1 ano de idade. 

Esse estudo transversal contou com prematuros de idade gestacional de 26 a 28 semanas, e peso médio ao nascer de 960 g. 

Resultados

Para cada semana de aleitamento materno, os RNs prematuros tiveram maior distensão ventricular direita (índice de confiança: 95%, P<0,001), maior distensão ventricular esquerda (índice de confiança: 95%, P=0,01), maior área do ventrículo direito (índice de confiança: 95%, P=0,009), maior índice de massa do ventrículo esquerdo (índice de confiança:95%, P=0,003) e diminuição da resistência vascular pulmonar (índice de confiança: 95%, P<0,001) na idade corrigida de 1 ano.  Esses valores cardíacos se aproximaram dos valores encontrados em RNs a termo.

Saiba mais: Agosto Dourado – Proteja a amamentação: uma responsabilidade compartilhada

Não houve diferença em qualquer um desses índices com 32 semanas de idade gestacional corrigida, porém, após cada semana de aleitamento materno, a função do ventrículo direito era maior e a pressão pulmonar também (índice de confiança: 95%, P<0,001). 

Conclusão

Este estudo concluiu uma associação benéfica entre o aleitamento materno e a saúde cardiovascular em prematuros. Os RNs que consumiram maior quantidade de leite materno apresentaram melhor desempenho cardíaco com 36 semanas de idade gestacional corrigida e esse melhor desempenho se estabeleceu com 1 ano de idade. 

Levando a crer que o leite humano diminui a chance de doenças cardiovasculares a longo prazo em indivíduos que nasceram prematuros. 

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • El-Khuffash A, et al. Cardiac Performance in the First Year of Age Among Preterm Infants Fed Maternal Breast Milk. JAMA Network Open. 2021;4(8):e2121206. doi: 10.1001/jamanetworkopen.2021.21206.
Compartilhar
Publicado por
Larissa Pires Marquite da Silva

Posts recentes

Mais de 20 conteúdos novos no Whitebook

Acesse o blog e confira quais são os mais de 20 conteúdos novos do Whtebook,…

1 hora atrás

Anemia megaloblástica na gestação – Parte 1

A anemia por deficiência de ácido fólico é um tipo de anemia megaloblástica e a…

2 horas atrás

Síndrome de abstinência neonatal e iatrogênica em neonatologia – diferenças e semelhanças

Revisão detalhada e original sobre a síndrome de abstinência neonatal a opioides causada pela exposição…

3 horas atrás

Quando a apneia do sono não precisa ser tratada

Na medicina moderna o sobre diagnóstico é uma situação muito comum. Ele pode ser definido…

3 horas atrás

Por que o LGG na diarreia aguda? [Vídeo]

A diarreia aguda tem uma duração inferior a duas semanas e que em uma maioria…

4 horas atrás

Infecções periprotéticas: diferenças entre as culturas do líquido articular e as intraoperatórias

Um estudo teve como objetivo avaliar o desempenho diagnóstico da cultura do líquido sinovial para…

5 horas atrás