Página Principal > Saúde & Tecnologia > Consumo de pimenta vermelha reduz mortalidade?
mulher cortando uma pimenta vermelha

Consumo de pimenta vermelha reduz mortalidade?

Tempo de leitura: 2 minutos.

O papel da dieta na saúde é cada vez mais relevante e investigado. Os benefícios de especiarias e seus compostos bioativos têm sido sugeridos em diversos ensaios clínicos. O mais recente deles analisa a associação entre pimenta vermelha e redução da mortalidade.

Em artigo publicado na Public Library of Science, pesquisadores analisaram a associação entre o consumo de pimenta vermelha e a mortalidade, através de um coorte prospectivo da população da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição (NHANES), no qual uma amostra significativa de adultos nos EUA foram pesquisados de 1988 a 1994.

Pimenta vermelha e mortalidade

A frequência de consumo da pimenta vermelha foi medida em 16.179 participantes com ≥ 18 anos. A mortalidade total e por causa específica foram as principais medidas de desfecho. Durante os 273.877 anos-pessoa de follow-up (mediana de 18,9 anos), um total de 4.946 óbitos foram observados.

A mortalidade total dos participantes que consumiram pimenta vermelha foi de 21,6% contra 33,6% para os que não consumiram (redução absoluta de risco de 12%, risco relativo de 0,64). Ajustado para características demográficas, de estilo de vida e clínicas, a razão de risco foi de 0,87 (p = 0,01, intervalo de confiança de 95%: 0,77 – 0,97).

 

Pelos resultados, os pesquisadores concluíram que o consumo de pimenta vermelha está associado a uma redução de 13% no risco instantâneo de morte. Dessa forma, a pimenta vermelha pode ser um componente benéfico na dieta a ser considerado pelos médicos em uma abordagem mais completa do paciente.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Referências:

  • Chopan M, Littenberg B (2017) The Association of Hot Red Chili Pepper Consumption and Mortality: A Large Population-Based Cohort Study. PLoS ONE 12(1): e0169876. doi:10.1371/journal.pone.0169876

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.