Contracepção hormonal materna tem relação com risco de leucemia na infância?

Tempo de leitura: 2 min.

Hormônios sexuais estão envolvidos no aparecimento e na progressão de alguns tumores, e estudos prévios mostram associação entre a exposição a hormônios exógenos durante a vida intrauterina o desenvolvimento de câncer na infância, apesar de os mecanismos envolvidos ainda serem obscuros.

Leucemia e contracepção hormonal materna

A leucemia representa o principal tipo de câncer entre as crianças. O primeiro estudo epidemiológico que relatou a relação entre o uso de contracepção hormonal materna e o risco de leucemia na infância data de 1985. Desde então, outros dados sobre o tema foram divulgados na literatura, porém com resultados divergentes.

Um novo estudo foi publicado na revista The Lancet, que avaliou mais de um milhão de crianças nascidas na Dinamarca entre 1996 e 2014, a fim de determinar se o uso de hormônios pelas mães aumentaria o risco de leucemia nos filhos.

Cerca de 66% das mães tinham suspendido o uso do anticoncepcional por período maior que três meses anterior à gestação, e 11% tinham feito uso de hormônio nos três meses que antecederam ou, até mesmo, durante a gestação. O restante das mulheres (aproximadamente 23%) nunca tinha usado métodos contraceptivos hormonais. Durante o seguimento do estudo (mediana de 9,3 anos), 606 crianças foram diagnosticadas com leucemia, sendo a maioria (465) do subtipo linfoide.

Leia também: Anemia no paciente com câncer: transfusão, eritropoietina e reposição de ferro

Resultados

Observou-se que a incidência de leucemia mieloide foi maior entre as crianças expostas a hormônios exógenos, particularmente naquelas cujas mães haviam usado os hormônios próximo à gravidez. O uso dos hormônios durante o desenvolvimento gestacional associou-se ao maior risco de leucemia. Em relação ao tipo de contracepção, percebeu-se risco da neoplasia com o uso de anticoncepcionais orais combinados.

Pílulas só de progesterona, métodos não orais e contracepção de emergência (“pílula do dia seguinte”) não foram relacionados à ocorrência de leucemia na infância. Nesse estudo, não foi evidenciada associação entre contracepção materna e diagnóstico de leucemia linfoide na criança.

Mais da autora: Coronavírus e câncer: quais os riscos e prognóstico desses pacientes?

Pela avaliação dos autores, o uso de anticoncepcional próximo ou durante a gravidez pode ter sido responsável por cerca de 25 casos de leucemia na população estudada. Apesar de o risco absoluto ser baixo (aproximadamente um caso adicional de leucemia para cada 50.000 crianças expostas), como não foram identificados outros fatores de risco para o desenvolvimento da doença, tais resultados devem ser considerados e poderão guiar estudos futuros.

Autora:

Referência bibliográfica:

  • Hargreave, Marie, et al. “Maternal use of hormonal contraception and risk of childhood leukaemia: a nationwide, population-based cohort study.” The Lancet Oncology 19.10 (2018): 1307-1314.
Relacionados