Contraceptivos hormonais e atraso na fertilidade

Tempo de leitura: 2 min.

Os métodos anticoncepcionais reversíveis de longa duração (LARC) estão se tornando cada vez mais populares, em virtude disto diversas pesquisas avaliam o uso dos contraceptivos hormonais e fecundabilidade (probabilidade média de gravidez por ciclo menstrual para um casal com relações sexuais frequentes e sem contracepção).

Um recente estudo publicado na The BMJ em novembro de 2020, avaliou a fecundabilidade quanto ao tempo de uso de métodos contraceptivos hormonais e não hormonais. A coorte prospectiva avaliou dados de 3 estudos com uma população total de 17.954 mulheres com idade entre 18 e 49 anos que estavam tentando gestar em centros da Dinamarca e da América do Norte no período de 2007 a 2019, a avaliação era bimestral para avaliar como desfecho a gravidez no período máximo de 12 meses.

Leia também: Uso de preservativos e anticoncepcionais entre estudantes de ensino médio nos Estados Unidos

Método do estudo

Das 17.954 mulheres avaliadas, aproximadamente 6.735 (38%) haviam feito uso de contraceptivos orais recentemente, 2.398 (13%) usaram LARC e 5.497 (31%) métodos de barreira. De toda a população, 10.729 mulheres gestaram sendo 56% nos primeiros seis meses de acompanhamento e 77% em 12 meses.

Saiba mais: Anticoncepcionais orais e risco de câncer: o que as evidências dizem

Todavia, quando comparada a fecundabilidade das usuárias de LARC com as usuárias de métodos de barreira, essas últimas apresentaram maior taxa; Quando avaliado usuárias de métodos contraceptivos injetáveis, estas apresentaram um maior atraso no retorno da fertilidade normal (cinco a oito ciclos menstruais) e menor taxa de fecundabilidade ( 0,65; IC de 95% 0,47 a 0,89) quando comparado com métodos de barreira. Já as usuárias de anticoncepcionais transdérmicos (adesivo) apresentaram um retorno da fertilidade normal após quatro ciclos, contraceptivos orais e anel vaginal dois ciclos, e por fim usuárias de dispositivos intrauterinos (DIU) e implantes hormonais apresentaram o menor tempo para retorno da fertilidade fisiológica, dois ciclos.

Conclusão

Diante das evidencias do estudo, pode-se concluir que o uso de contraceptivos injetáveis promovem prováveis efeitos no organismo feminino postergando o retorno da fertilidade após a suspensão do método, todavia vale salientar que o estudo não correlacionou o tempo de uso dos métodos com os resultados, podendo ser um viés do estudo. Desse modo, é fundamental conversar com a paciente e avaliar o planejamento familiar para escolha do melhor método contraceptivo.

Referências bibliográficas:

  • Yland JJ, et al. Pregravid contraceptive use and fecundability: prospective cohort study. BMJ 2020;371. doi:10.1136/bmj.m3966
Compartilhar
Publicado por
Camilla Luna

Posts recentes

Varíola do macaco: Anvisa recomenda uso de máscaras e Ministério monitora situação no Brasil

A Anvisa divulgou uma nota para esclarecer as recomendações realizadas para retardar a entrada do…

47 minutos atrás

Endometriose e adenomiose: há relação com distúrbios causados pelo consumo de produtos químicos?

Embora estudos mostrem relação da endometriose e adenomiose com uma alteração inflamatória na paciente, pouco…

2 horas atrás

Síndrome de Takotsubo, apenas coração partido?

A síndrome de Takotsubo se caracteriza por uma insuficiência cardíaca aguda e transitória com padrões…

3 horas atrás

Desconforto orofaríngeo após anestesia geral: o que há de novo para sua prevenção?

O desconforto orofaríngeo é um evento adverso muito comum após realização de anestesia geral com…

4 horas atrás

Menopausa modula o metaboloma circulante: dados de um estudo de coorte prospectivo

Estudos sugerem que a evolução prejudicial sobre a saúde coronariana se dá pelo aumento de…

5 horas atrás

O sofrimento psíquico causado pelo ódio racial contra negros

O discurso de ódio racial é antigo na história mundial e possui notável dano àqueles…

6 horas atrás