Cardiologia

Controle intensivo da pressão arterial pode reduzir risco de demência?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Alzheimer e outras demências são um dos principais desafios globais de saúde, com aproximadamente 50 milhões de pessoas vivendo atualmente com esta condição. O controle intensivo da pressão arterial (PA) pode reduzir o risco de demência? Foi o que investigou um grupo de pesquisadores americanos. Os resultados do estudo foram publicados em janeiro no Journal of the American Medical Association (JAMA).

Para isso, pesquisadores realizaram um ensaio clínico randomizado em 102 locais nos Estados Unidos e Porto Rico entre adultos com 50 anos ou mais com hipertensão, mas sem diabetes ou história de acidente vascular cerebral (AVC). O desfecho primário foi um composto de eventos cardiovasculares e mortalidade por todas as causas. O estudo foi interrompido precocemente.

Controle da PA e risco de demência

Os 9.361 participantes (idade média de 67,9 anos; 35,6% do sexo feminino) do estudo foram randomizados para duas intervenções:

  • Controle intensivo da PA: < 120 mmHg (n = 4.678)
  • Controle padrão da PA: < 140 mmHg (n = 4.683)

O tempo médio das intervenções foi de 3,34 anos. O desfecho primário cognitivo foi a provável ocorrência de demência; os secundários incluíram comprometimento cognitivo leve e um composto de comprometimento cognitivo leve ou provável demência.

Demência: por que prevenir é mais eficiente do que tratar?

Resultados

Durante um follow-up mediano de 5,11 anos, demência provável ocorreu em 149 participantes no grupo de tratamento intensivo versus 176 no grupo de tratamento padrão (7,2 vs 8,6 casos por 1000 pessoas-anos; hazard ratio [HR]: 0,83; IC de 95: 0,67 a 1,04).

O controle intensivo da PA reduziu significativamente o risco de comprometimento cognitivo leve (14,6 vs 18,3 casos por 1000 pessoas-anos; HR: 0,81; IC de 95%: 0,69 a 0,95) e a taxa combinada de comprometimento cognitivo leve ou provável demência (20,2 vs 24,1 casos por 1000 pessoas-anos; HR: 0,85; IC de 95%: 0,74 a 0,97).

Conclusões

Entre a população do estudo, o controle intensivo da pressão arterial (< 120 mmHg) não resultou em uma redução significativa no risco de provável demência, mas teve achados expressivos no risco de comprometimento cognitivo leve.

Pacientes diagnosticados com demência podem dirigir?

Referências:

  • The SPRINT MIND Investigators for the SPRINT Research Group. Effect of Intensive vs Standard Blood Pressure Control on Probable Dementia: A Randomized Clinical Trial. JAMA. Published online January 28, 2019. doi:10.1001/jama.2018.21442
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

Anemia ferropriva na gestação – parte 1

A anemia ferropriva é caracterizada por redução ou ausência de estoque de ferro no organismo.…

1 hora atrás

PEBMED e Saúde Global: metas de qualidades do corpo clínico [vídeo]

No episódio de hoje, Vitor Sforni comenta sobre as metas de qualidade presentes no planejamento…

2 horas atrás

Suplementação alimentar

A suplementação alimentar é feita com o objetivo de complementar a alimentação com nutrientes, substâncias…

3 horas atrás

Válvula aórtica bicúspide: são todas iguais? Veja as novas definições

A válvula aórtica bicúspide (VAB) é uma condição congênita caracterizada pela ausência da morfologia normal…

5 horas atrás

Ministério da Saúde recomenda dose de reforço da vacina da Janssen

O Ministério da Saúde emitiu uma nota técnica ontem, 25, recomendando uma dose de reforço…

6 horas atrás

Diabetes tipo 2: em que momento utilizar a insulina como recurso terapêutico? [podcast]

No episódio de hoje do podcast da PEBMED, saiba mais sobre o uso da insulina…

7 horas atrás