Leia mais:
Leia mais:
Atualizações em HIV: Diagnóstico e Tratamento
Isoniazida para ILTB em indivíduos com HIV em tratamento
Diagnóstico de meningite criptocócica em HIV: análise da acurácia do antígeno criptocócico
Hemostasia na infecção pelo HIV
CROI 2021: PrEP para HIV – o que podemos esperar para o futuro?

Coquetel de medicamentos eliminou o vírus do HIV em paciente, aponta estudo

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Um estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) aponta que um coquetel de medicamentos conseguiu eliminar o vírus HIV em um paciente brasileiro de 34 anos.

O anúncio foi divulgado durante a 23ª Conferência Internacional de Aids, realizado entre os dias 6 e 10 de julho, simultaneamente nas cidades de San Francisco e Oakland, ambas no estado da Califórnia, nos Estados Unidos.

Os resultados são muito animadores, com diversos especialistas afirmando que este pode ser o caminho para a cura da síndrome da imunodeficiência adquirida (Aids). Entretanto, será necessária ainda a ampliação do número de pacientes para que os pesquisadores tenham certeza da eficácia do tratamento.

Como foi realizado o estudo

Um homem de 34 anos que não teve a sua identidade revelada foi diagnosticado em 2012 com o vírus HIV, sendo tratado com uma base de terapia antirretroviral (ARV) reforçada com outras substâncias, com a adição de nicotinamida.

Segundo os pesquisadores, o tratamento foi interrompido após 48 semanas. Após mais 57 semanas sem o coquetel, o DNA de HIV nas células do paciente e o exame de anticorpos continuam negativos.

Leia também: Profilaxia pré-exposição para HIV: medicação intramuscular pode ser eficaz?

O paciente de São Paulo não apenas não experimentou uma recuperação, mas os seus anticorpos contra o HIV também caíram para níveis extremamente baixos, sugerindo a possibilidade de que ele possa ter eliminado células infectadas nos gânglios linfáticos e no intestino.

“Este caso é extremamente interessante, realmente espero que possa impulsionar pesquisas adicionais para uma cura do HIV”, disse Andrea Savarino, médico do Instituto de Saúde da Itália que liderou o teste, em uma entrevista ao portal NAM Aidsmap.

Todavia, quatro outros pacientes soropositivos tratados com o mesmo coquetel não obtiveram os mesmos efeitos positivos.

Na opinião de Sharon Lewin, especialista em HIV do Instituto Doherty, da Austrália, o estudo é muito interessante, mas promova ainda muitas dúvidas.

“Como este homem fez parte de um teste clínico maior, será importante entender totalmente o que aconteceu com os outros participantes”, Sharon Lewin.

Corrida por uma vacina ou tratamentos mais eficazes

A esperança de uma cura da doença cresceu nos últimos anos graças a dois casos de remissão: Timothy Ray Brown e um homem que pediu para ser chamado de paciente de Londres. Ambos receberam transplantes de medula óssea como parte de um tratamento para câncer. Os transplantes eliminaram as suas infecções e deram a eles novos sistemas imunológicos que resistem à infecção pelo vírus.

Veja mais: Terapia intramuscular de longa duração para HIV: resultados promissores

Contudo, os transplantes de medula óssea são intervenções caras e complicadas que podem ter sérios efeitos colaterais.

O HIV se mostrou de difícil eliminação porque o vírus transforma o seu material genético em cromossomos humanos, onde pode permanecer adormecido, “driblando” a vigilância imunológica que normalmente elimina invasores estrangeiros. De acordo com os especialistas, essas células silenciosamente infectadas podem persistir indefinidamente porque possuem propriedades semelhantes às células-tronco e podem criar clones de si mesmas.

Já foram apresentadas diversas estratégias para liberar reservatórios de células que abrigam infecções latentes pelo HIV, mas nenhuma se mostrou eficaz.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar