Coronavírus: Devemos realizar rastreio universal para SARS-CoV-2 em gestantes pré-parto?

Tempo de leitura: < 1 minutos.

Em 13 de abril o New England Journal of Medicine (NEJM), publicou um artigo de um estudo realizado em Nova York (NY) onde avaliou o rastreio universal para SARS-CoV-2, o novo coronavírus, em gestante que internaram para o parto.

Rastreio para coronavírus em gestantes

O estudo foi realizado no New York–Presbyterian Allen Hospital e Columbia University Irving Medical Center, os dois hospitais entre os dias 22 de março e 3 de abril adotaram a conduta de rastreio universal na admissão das 215 gestantes que foram internadas.

Como resultado eles viram que apenas 4 (1,9%) pacientes apresentavam sintomas de SARS-CoV-2 na admissão e tiveram exames positivos, das 211 restantes 29 (13,5%) apresentaram testes reagentes, porém estavam assintomáticas no momento da internação e 182 (84,6) eram assintomáticas e com exames negativos.

Leia também: Ginecologia e obstetrícia: cuidados com equipamentos durante pandemia de Covid-19

Após o parto, apenas 3 (10%) puérperas que previamente apresentaram exames positivos evoluíram com sintomas da doença, todavia 2 estão tratadas para endometrite simultaneamente. Das 182 gestantes com testes negativos, apenas uma apresentou swab positivo e sintomatologia três dias após o parto.

Conclusão

Esse estudo vem reforçar que nem todo paciente infectado pelo SARS-CoV-2 apresentará sintomatologia, podendo permanecer disseminando a doença em virtude de não saber que está contaminado; As gestantes foram incluídas no grupo de risco, requerendo assim mais cautela quanto a profilaxia da infecção prévio, intra e pós parto para evitar demais complicações.

Autora:

Referência bibliográfica:

  • Sutton D, et al. Universal Screening for SARS-CoV-2 in Women Admitted for Delivery. The New England Journal of Medicine. April, 13. DOI: 10.1056/NEJMc2009316.
Relacionados