Coronavírus e cirurgia: orientação é adiar cirurgias eletivas e restringir visitas

As mudanças sanitárias no Brasil em decorrência do coronavírus estão sendo implementadas.. Orientações de cada especialidade são liberadas gradualmente.

Estamos em um tempo que há uma enxurrada de informações pelos diversos canais disponíveis. Os aparelhos de telefone celular se tornaram o principal distribuidor de notícias, sejam elas verídicas ou não. Infelizmente, as notícias falsas e/ou com cunho sensacionalistas possuem um poder de disseminação muito maior que as informações corretas e elaboradas por especialistas.

A pandemia da Covid-19 está gerando um grande números de notícias e orientações que, em muitos casos, não são as oficias. É fundamental seguirmos o que as autoridades estão planejando. Cada especialidade médica possui suas peculiaridades e por isto as sociedades de especialidades tem importante papel afim de transmitir aos especialistas orientações mais práticas.

As mudanças sanitárias no Brasil em decorrência da Covid-19 estão sendo implementadas de forma rápida e gradual. Orientações específicas de cada especialidade são liberadas por cada sociedade a medida que são publicada as normas emanadas pelas autoridades de saúde.

cirugião recebendo bisturi em cirurgia durante pandemia do coronavírus

Cirurgia e coronavírus

O American College of Surgeons, emitiu nota ratificando a necessidade de seguir as orientações das autoridades sanitárias. Além disto, orienta que cirurgias eletivas sejam adiadas quando possível. Deve-se restringir visitas hospitalares aos pacientes e estes devem receber alta o mais breve possível para continuar tratamento em regime domiciliar.

O Colégio Brasileiro de Cirurgiões, seguindo as recomendações publicadas, adia todas as atividades científicas e adota o sistema de reuniões online para as suas deliberações internas. Ratifica a carta do American College of Surgeons e também sugere adiar procedimentos quando possível.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica, segue esta mesma linha de pensamento e orienta que algumas cirurgias oncológicas possam ser adiadas de forma intencional. Esta decisão tem que ser individualizada.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou uma nota ontem, 17, com as mesmas orientações sobre cirurgias. Reiterou ainda a importância do isolamento social e da adoção de comunicação à distância, remota, para que o processo de contaminação desacelere.

Em entrevista o Secretário de Saúde do Estado do Rio de Janeiro informou que dentre os procedimentos eletivos, apenas as cirurgias cardíacas e oncológicas deverão ser mantidas. Seguido a isto, diversas resoluções das três esferas governamentais orientam a mesma prática, sempre com o intuito de diminuir a circulação de pessoas e preservar a capacidade de atendimento para futuros infectados pelo Covid-19.

Leia também:

Conclusões

Neste momento de grande apreensão e de dúvidas, o que deve atuar é o bom senso de cada profissional. Na dúvida, sempre melhor adiar aquilo que possa ser adiado e assim evitar complicações desnecessárias. Ao adiar uma cirurgia estamos disponibilizando leitos e profissionais da área de saúde para atuar em setores que em breve estarão sobrecarregados.

Infelizmente as projeções sobre a o curso da doença no Brasil mostra cenários não muito otimistas e, com isto, o profissional médico deve atuar no sentido de corroborar as medidas sanitárias. É fundamental também se manter atualizado sobre as orientações a serem seguidas visto que o quadro é dinâmico e restrições ainda maiores poderão ser adotadas.

Referências bibliográficas:

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.