Terapia Intensiva

Coronavírus: é possível ventilar mais de um paciente em um mesmo ventilador?

Tempo de leitura: 2 min.

Em um cenário de catástrofe, é possível que um hospital precise operar além da sua capacidade de fornecimento de cuidados. Na pandemia do covid-19, uma imensa preocupação é a escassez de ventiladores, visto que muitos casos de insuficiência respiratória podem ocorrer simultaneamente num mesmo hospital.

Nesse caso, o ideal seria transferir os pacientes para outros centros com mais recursos. No entanto, caso isso não seja possível (ou demore muito), uma solução temporária é a adaptação dos ventiladores para acoplar dois ou quatro pacientes, como descreve o artigo de Neyman, G. e Irvin, C.B, publicado na revista Academic Emergency Medicine.

É importante frisar de antemão que esse artifício deve ser considerado somente em última instância, e como medida temporária. Os ventiladores foram feitos para a uso individual, e a segurança desse método não foi devidamente estudada.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Ventilação mecânica na pandemia de coronavírus

Em 2006 foi publicado o estudo “A Single Ventilator for Multiple Simulated Patients to Meet Disaster Surge” (tradução: simulação de ventilador único para múltiplos pacientes para atingir demanda em cenários de catástrofe). Este foi um estudo experimental que simulou a ventilação mecânica controlada por volume (VCV) ou por pressão (PCV) em quatro pulmões-modelo.

O sistema de fluxo foi adaptado com tubos T para formar quatro circuitos, conforme demonstrado nas figuras a seguir:

Figura 1: Tubo T e adaptador | Fonte: Neyman, G. and Irvin, C.B. (2006), A Single Ventilator for Multiple Simulated Patients to Meet Disaster Surge. Academic Emergency Medicine, 13: 1246-1249. doi:10.1197/j.aem.2006.05.009
Figura 2: Junção de 3 tubos T + adaptadores acoplados ao circuito do ventilador. Cada saída livre (mostrada abaixo pelas setas) deve ser conectada a um paciente diferente | Fonte: Neyman, G. and Irvin, C.B. (2006), A Single Ventilator for Multiple Simulated Patients to Meet Disaster Surge. Academic Emergency Medicine, 13: 1246-1249. doi:10.1197/j.aem.2006.05.009
Figura 3: Circuito completo. O complexo mostrado na figura 2 encontra-se no circuito do fluxo inspiratório (Inflow Splitter) e no circuito do fluxo expiratório (Outflow Splitter). Os pulmões-modelo (Lung Simulators) representam os pacientes. | Fonte: Neyman, G. and Irvin, C.B. (2006), A Single Ventilator for Multiple Simulated Patients to Meet Disaster Surge. Academic Emergency Medicine, 13: 1246-1249. doi:10.1197/j.aem.2006.05.009

Foi realizada inicialmente, a ventilação em PCV. Utilizou-se pressão de pico de 25 cmH2O, PEEP de 0, frequência respiratória de 16 e relação I:E de 1:2 (aleatoriamente). O tempo total de ventilação nesse modo foi de 5 horas e 33 minutos e a média de volume corrente para cada pulmão-modelo foi de 471±22 ml.

Em seguida foi realizada a ventilação em VCV, na qual utilizou-se um volume corrente de 2000 ml (500 ml por paciente), frequência respiratória de 16 e relação I:E de 1:1 (aleatoriamente). O tempo total de ventilação nesse modo foi de 6 horas e 11 minutos, a média de volume corrente para cada pulmão-modelo foi 507±1 ml e pressão de pico 28±2 cmH2O.

Leia também: Coronavírus: guideline do Surviving Sepsis Campaign para manejo de pacientes graves

Conclusões

Nesse modelo experimental, os investigadores mostraram que é possível manter um volume relativamente constante para os quatro pulmões-modelo tanto em VCV quanto em PCV. É importante notar que, para que isso seja possível, a fisiologia pulmonar dos 4 pacientes deve ser semelhante. Por exemplo: se um paciente apresentar broncoespasmo, a pressão das vias aéreas nesse paciente será mais alta que nos outros; logo, o volume corrente será desviado para os outros pacientes, e o paciente com broncoespasmo não ventilará adequadamente. A co-autora desse trabalho recentemente fez um vídeo no YouTube explicando como realizar esse tipo de ventilação:

Para que essa adaptação seja possível, precisamos nos atentar para alguns detalhes:

  • Os pulmões devem ser aproximadamente do mesmo tamanho (ex: evitar acoplar pacientes adultos com pacientes pediátricos);
  • Os pacientes agrupados devem apresentam aproximadamente a mesma resistência nas vias aéreas (ex: evitar acoplar um paciente com broncoespasmo com outros pacientes sem broncoespasmo);
  • Os tubos conectores devem apresentar aproximadamente o mesmo tamanho;
  • Sempre lembrar do risco de contaminação cruzada entre os pacientes.

Por fim, é importante tem em mente que técnica descrita acima deve ser utilizada pelo menor tempo possível, apenas até que se consiga um ventilador para cada paciente.

Veja mais: Coronavírus: como abordar os casos graves?

Autora:

Referência bibliográfica:

  • Neyman, G. and Irvin, C.B. (2006), A Single Ventilator for Multiple Simulated Patients to Meet Disaster Surge. Academic Emergency Medicine, 13: 1246-1249. doi:10.1197/j.aem.2006.05.009
Compartilhar
Publicado por
Gabriela Guimarães Moreira Balbi

Posts recentes

Existe relação entre os parâmetros do plaquetograma e a mortalidade por Covid-19?

Estudo foi realizado para avaliar uma possível relação entre mortalidade intra-hospitalar por Covid-19 e valores…

14 horas atrás

Whitebook: MCCP – Método clínico centrado na pessoa

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do  Whitebook Clinical Decision vamos falar um pouco…

18 horas atrás

Proposta de nomenclatura universal para insuficiência cardíaca (IC)

As definições da insuficiência cardíaca (IC) são extremamente heterogêneas, isso dificulta definir a doença para…

1 dia atrás

Miopatias em pacientes adultos com hipotireoidismo

Pacientes com hipotireoidismo mais grave ou não tratados têm maior probabilidade de desenvolver doença muscular…

1 dia atrás

Você ainda se lembra das manifestações oftalmológicas da Zika congênita? 

Em artigo publicado em maio de 2021, Ventura at al. relataram as manifestações oftalmológicas da…

2 dias atrás

Covid-19: gestantes e puérperas que tomaram a primeira dose da vacina Astrazeneca

Algumas gestantes apresentaram desfechos desfavoráveis por eventos tromboembólicos após a vacinação com a vacina Astrazeneca/Oxford.

2 dias atrás