Saúde da Criança

Covid-19 em crianças: epidemiologia da doença em 2021

Tempo de leitura: 2 min.

Os estudos ainda não evidenciaram o real motivo para que os casos de Covid-19 na população mundial de crianças e adolescentes, sejam em sua maioria assintomáticos ou de apresentação leve. Algumas hipóteses sugerem uma menor expressão de receptores celulares ao vírus SARS-CoV-2, a possibilidade de crianças e adolescentes terem uma exposição recente a outros coronavírus, proteção cruzada, imunidade inata mais desenvolvida, entre outros.

Diante de um cenário de crescimento exorbitante de novos casos da doença no Brasil, no ano de 2021, é importante monitorar o comportamento da doença em crianças e adolescentes e verificar possíveis alterações relacionadas ao aumento de desfechos desfavoráveis nesse grupo.

Para uma real análise da situação do comportamento da doença na faixa etária de 0 a 19 anos, a Sociedade Brasileira de Pediatria, com base nos dados do Ministério da Saúde, comparou as taxas de hospitalizações e óbitos associados a doença, nos dois anos.

Covid-19 em crianças

Constatou-se uma redução do número de hospitalizações por Covid-19 de 14.638 no ano de 2020, para 2.057 no ano de 2021. Os óbitos infantojuvenis por Covid-19 também tiveram uma queda de 1.203, no ano de 2020, para 121 óbitos em 2021. A taxa de letalidade da doença na faixa etária de 0 a 19 anos está em queda, no ano de 2021.

Os desfechos com hospitalizações de casos graves e mortes nessa faixa etária não apresentou evidências de aumento nos três primeiros meses de 2021, apesar do avanço do número de casos de Covid-19 na população em geral.

No que tange imunização, os primeiros resultados dos testes iniciais das vacinas contra Covid-19 em crianças e adolescente, começaram a ser divulgados no último dia 22 de março, pela Sinovac. As primeiras evidencias mostraram que a vacina Coronavac é segura e eficaz contra Covid-19 na faixa etária de 3 a 17 anos, mostrando inclusive uma produção maior de anticorpos nessa população. Até o presente momento, esses dados ainda não foram publicados em periódicos científicos.

Apesar dos dados epidemiológicos citados, é importante lembrar que, no momento, há um aumento na incidência de quadros respiratórios acometidos pelo retorno sazonal da circulação do vírus sincicial respiratório (VSR) e outros vírus em algumas regiões do país, responsáveis pelo aumento das taxas de hospitalizações em crianças com Síndrome Respiratória Aguda Grave.

Autora:

Referências bibliográficas:

 

 

 

Compartilhar
Publicado por
Nathalia Schuengue

Posts recentes

Quais fatores no manejo de hemodiálise contínua podem alterar a sobrevivência de crianças graves com lesão renal aguda?

A lesão renal aguda ocorre em mais de um quarto das crianças em Unidade de…

18 minutos atrás

Relembrando o que é o hipoparatireoidismo

O hipoparatireoidismo é uma condição relativamente rara, causada na maioria das vezes pelo dano cirúrgico…

3 horas atrás

Pandemia impactou no aumento de peso e controle da glicemia dos portadores de diabetes tipo 2

A pandemia de Covid-19 teve um impacto bastante negativo no aumento de peso e controle…

4 horas atrás

Anemia Falciforme: você pode ser um portador deste traço

A anemia falciforme atinge um grande número de brasileiros, dessa forma, os diretos do portador…

5 horas atrás

Escabiose: orientações para o sucesso do tratamento

É importante o paciente com escabiose seguir algumas orientações para tratar a dermatose. Saiba quais…

20 horas atrás

Outubro rosa: Câncer de vulva: update 2021

As neoplasias de vulva respondem apenas por 4% das neoplasias ginecológicas. Saiba mais.

20 horas atrás