Covid-19: FDA libera uso de cloroquina e hidroxicloroquina para pacientes graves

Tempo de leitura: 3 min.

O uso do fosfato de cloroquina e do sulfato de hidroxicloroquina foi liberado nos Estados Unidos para o tratamento de pacientes com casos graves da Covid-19, que estejam internados em hospitais. A decisão foi tomada em caráter emergencial para o combate à pandemia causada pelo novo coronavírus.

Apesar da liberação da agência norte-americana de vigilância sanitária (FDA), a eficácia das substâncias ainda não está comprovada em estudos clínicos de grande porte. Segundo a agência, os possíveis benefícios justificam os riscos em potencial. A FDA não apontou novos estudos para justificar a decisão.

Regras para uso nos Estados Unidos:

  • Tanto o fosfato de cloroquina quanto o sulfato de hidroxicloroquina devem ser administrados por um profissional de saúde com uma receita médica;
  • Os medicamentos somente podem ser utilizados no tratamento de adultos ou adolescentes com mais de 50 kg e em internação em decorrência da Covid-19;
  • Deve-se usar o estoque estratégico disponibilizado para o tratamento específico da Covid-19.

Na prática, a medida libera o uso dos remédios para o combate ao coronavírus mesmo que não haja um registro da FDA oficial e permanente para a Covid-19, evitando problemas judiciais aos hospitais.

Por enquanto, não há um tratamento disponível e totalmente testado contra a doença causada pelo novo coronavírus. A Organização Mundial da Saúde (OMS) acompanha as pesquisas científicas sobre novos medicamentos com potenciais riscos ainda em estudo.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Uso de cloroquina no Brasil

O protocolo para uso do fármaco no Brasil restringe a sua utilização a pacientes graves internados em hospitais. O tratamento deve acontecer por apenas cinco dias, sob supervisão médica. O Ministério da Saúde anunciou a distribuição de 3,4 milhões de unidades do medicamento para os estados brasileiros.

Uma nota técnica da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicada antes da liberação pontuava que o sucesso dos estudos pré-clínicos com o uso do medicamento justificava a pesquisa clínica em pacientes com a Covid-19. Nesse sentido, a agência destacava que dados de segurança e dados de ensaios clínicos de maior qualidade eram, portanto, urgentemente necessários.

Cabe lembrar que muitos especialistas de saúde criticam a decisão do Brasil e dos Estados Unidos por não haver evidências científicas concretas de que essas substâncias funcionem, uma vez que elas serão utilizadas em pacientes graves, possivelmente com alguma comorbidade – como diabetes e cardiopatias -, e que podem sofrer efeitos adversos significativos, com riscos sobretudo, para o coração e o fígado.

Projeto Coalizão Covid Brasil

Foi lançado recentemente o Projeto Coalizão Covid Brasil, liderado pelos hospitais Albert Einstein, Sírio Libanês e HCor, além da Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva, para, entre outros objetivos, realizar testes clínicos com a cloroquina e a hidroxicloroquina.

O objetivo é realizar testes em 70 hospitais pelo país em mais ou menos mil pessoas com diferentes quadros: dos leves aos mais graves, inclusive aqueles que estão na UTI. A pesquisa deve durar entre dois e três meses.

Leia também: Características clínicas de pneumonia refratária por Covid-19

A primeira fase da pesquisa envolverá pacientes de menor gravidade internados por Covid-19. Nestes pacientes será avaliado se a hidroxicloroquina é eficaz em melhorar o quadro respiratório. Também será avaliado se adicionar o medicamento azitromicina, que pode potencializar a ação da hidroxicloroquina, terá efeito benéfico adicional. Serão incluídos nesta primeira fase 630 pacientes.

A segunda fase da pesquisa envolverá casos mais graves, que necessitam de maior suporte respiratório. Nesta, todos os pacientes receberão hidroxicloroquina para verificar se a azitromicina tem efeito benéfico adicional, com potencial de melhorar os problemas respiratórios causados pelo novo coronavírus. Os centros participantes são os mesmos e serão incluídos em torno de 440 pacientes.

Já a terceira fase do estudo vai avaliar a efetividade da dexametasona, uma medicação com ação anti-inflamatória, para pacientes com insuficiência respiratória grave, que necessitam de suporte de aparelhos para respirar. Nesta pesquisa serão incluídos 284 pacientes.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Check-up Semanal: lesões pancreáticas, noradrenalina em veia perioperatória e mais! [podcast]

Check-up Semanal: lesões pancreáticas assintomáticas, noradrenalina em veia perioperatória, tofacitinibe no Covid-19 e mais!

14 horas atrás

Glaucoma agudo, miopia e o topiramato: o que todo oftalmologista deve saber?

O glaucoma agudo por fechamento angular associado ao uso de topiramato é bem descrito em…

15 horas atrás

Covid-19: Variante lambda se espalha pela América do Sul e preocupa OMS

A variante lambda está em uma categoria em que se encontram outras seis mutações do…

16 horas atrás

Infecções fúngicas na Covid-19: como identificar e quando notificar?

Casos graves de Covid-19 vêm sendo associados a um aumento na incidência de infecções fúngicas,…

17 horas atrás

Quais os fatores de risco para a incapacidade de redução das luxações do ombro sem o uso de sedação?

Embora as luxações do ombro sejam comuns, o procedimento de redução costuma ser difícil, muitas…

18 horas atrás

Dia Nacional de Controle da Asma

Acredita-se que cerca de 87% das pessoas que têm ciência do diagnóstico de asma, não…

19 horas atrás