Covid-19 na gravidez: características de gestantes com infecção confirmada

Tempo de leitura: 2 min.

Este mês, foi publicado no The British Medical Journal (BMJ) um estudo o qual avaliou desfechos gestacionais em mulheres internadas por síndrome da angústia respiratória grave por coronavírus 2 (SARS-CoV-2) no Reino Unido.

O coorte retrospectivo usou os dados do Sistema de Vigilância Obstétrica do Reino Unido (UKOSS) de 427 gestantes internadas com infecção confirmada por SARS-CoV-2 no período entre 1 de março a 14 de abril de 2020 de 194 maternidades.

As variáveis analisadas foram a incidência de internação e óbito materno, infecção neonatal, necessidade de suporte em unidade intensiva, óbito fetal, prematuridade, cesariana, natimortalidade, neomortalidade e necessidade de suporte em unidade intensiva neonatal.

Leia também: Proposta FIGO para atendimento de gestantes durante a pandemia da Covid-19

Covid-19 na gravidez

O resultado evidenciado pelo BMJ, foi que a incidência de internação hospitalar devido a infecção confirmada por SARS-CoV-2 na gravidez foi de 4,9 por 1.000 maternidades, 281 (69%) gestantes apresentavam sobrepeso ou obesidade, 145 (34%) possuíam comodidade preexistentes, 175 (41%) tinha idade igual ou superior a 35 anos, 233 (56%) eram de minoria étnica negras ou de outras etnias, 266 (62%) já haviam engravidado, 196 (73%) pariram o termo.

Quanto à necessidade de suporte em unidade intensiva a incidência foi de 10% (41) e 1% (5) vieram a óbito, já dos 265 recém natos 12 (5%) apresentaram infecção confirmada para SARS-CoV-2, sendo seis destes nas primeiras 12h de vida.

Ouça também: Especial Coronavírus: principais pontos da abordagem na gravidez [podcast]

Conclusões

O estudo evidência que a maioria das mulheres encontravam-se no segundo e terceiro trimestre da gestação, reforçando a necessidade de medidas de distanciamento social até o final da gravidez, apesar da transmissão para o bebê ter sido incomum bem como os resultados adversos.

Todavia, por se tratar de uma doença recente ainda faz-se necessário maiores estudos quanto ao potencial do vírus na gestação quanto a anomalias congênitas, aborto espontâneo, restrição do crescimento intrauterino, entre outros desfechos.

Autora:

Referência bibliográfica:

  • Knight M, Bunch K, Vousden N, et al. Characteristics and outcomes of pregnant women admitted to hospital with confirmed SARS-CoV-2 infection in UK: national population based cohort study. BMJ 2020; 369 doi: https://doi.org/10.1136/bmj.m2107 (Published 08 June 2020)
Compartilhar
Publicado por
Camilla Luna

Posts recentes

Ceratite infecciosa e lentes de contato: O que precisamos saber?

A ceratite infecciosa é a complicação mais séria que pode decorrer do uso de lentes…

19 horas atrás

Hemorragia intracraniana em pacientes que tomam anticoagulantes orais

A hemorragia intracraniana é potencialmente devastadora associada à terapia anticoagulante. Sua reversão é uma emergência. Saiba…

19 horas atrás

Covid-19: Pesquisa do Ministério da Saúde vai avaliar comportamento dos brasileiros durante a pandemia

A PrevCOV do Ministério da Saúde tem o objetivo de entender o comportamento da Covid-19…

21 horas atrás

Formigamento no dedo mínimo da mão: pode ser a síndrome do túnel cubital

A síndrome do túnel cubital é a segunda neuropatia compressiva mais comum (perde apenas para…

22 horas atrás

Eliminando o câncer de colo de útero em tempos de Covid-19

No ano de 2020, os 194 países da OMS foram convocados, pela primeira vez, a…

23 horas atrás

Covid-19: papel da homocisteína na estratificação de risco

As diferenças epidemiológicas entre os países sugere que fatores étnicos e genéticos tenham impacto nas…

1 dia atrás