Covid-19: novo coronavírus pode afetar os rins dos pacientes infectados?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Os médicos que atuam na linha de frente em unidades de terapia intensiva (UTIS) nos Estados Unidos descobriram que o novo coronavírus também está causando insuficiência renal de alguns pacientes e apresentando uma série de cálculos renais.

Coronavírus e rins

No início de abril, pacientes com Covid-19 foram levados às pressas para hospitais de Nova York e nefrologistas em todo o epicentro da pandemia do país começaram a relatar da escassez crítica de suprimentos de diálise, destacando uma característica cruel e surpreendente da doença para um número imprevisto de pacientes com Covid-19: lesão renal aguda.

O novo coronavírus está causando insuficiência renal aguda a uma taxa surpreendentemente alta, com estudos preliminares estimando que entre 14% e 30% dos pacientes com Covid-19 doentes o suficiente para acabar na unidade de terapia intensiva também sofrem insuficiência renal.

De todo modo, indivíduos com doença renal crônica estão entre os grupos mais vulneráveis, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS) por não produzirem hormônios renais e terem baixa imunidade.

Leia também: Covid-19: produção de anticorpos neutralizantes e sua aplicabilidade clínica

Relatórios anteriores da China sugeriram uma baixa incidência de danos renais por conta da Covid-19, mas à medida que mais dados emergiram começaram a se espalhar as notícias para a comunidade nefrológica de que muitos dos pacientes mais gravemente doentes, em ventilação mecânica, também precisam de diálise.

Em Nova York, os hospitais pediram ajuda ao governo federal para priorizar equipamentos, suprimentos e pessoas para as áreas do país que mais precisam, acrescentando que os fabricantes de ventiladores e equipamentos de diálise não responderam totalmente à demanda.

No Brasil, a Sociedade Brasileira de Nefrologia reforça a importância dos pacientes portadores de doença renal crônica com suspeita ou que contraíram o vírus a não interromperem a diálise.

Por aqui, a maior parte dos esforços em aquisição e distribuição de equipamentos está ligada aos respiradores. No começo de abril, o governo federal fechou a compra de pelo menos 6.500 respiradores que tem prazo de entrega em até 180 dias.

Ministério da Saúde faz convocação de empresas para venda de equipamentos e insumos

Um edital de chamamento público para o credenciamento de empresas que possam vender insumos e equipamentos usados na rede pública de saúde para o enfrentamento ao novo coronavírus foi lançado pelo governo.

O objetivo é fazer um cadastro para que empresas nacionais ou com representação no país inscrevam propostas e informem o produto que comercializam e a sua capacidade de produção e entrega para a formação de um único banco de dados.

Foi lançado lotes para a aquisição de 35,3 milhões de equipamentos de proteção individual (EPIs), sendo 5 milhões de toucas, 100 mil óculos de proteção, 15 milhões de luvas, 5 milhões de máscaras cirúrgicas, 10 milhões de aventais, 100 mil máscaras de uso pff2 e 100 mil unidades de álcool em gel 500 mL.

As empresas que quiserem participar deste processo devem estar com o credenciamento regular no Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores (SICAF) e enviar um e-mail para lucas.amoreira@saude.gov.br e colmer@saude.gov.br.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

Relacionados