Covid-19: Perda de olfato foi sintoma mais frequente apontado por estudo europeu

Tempo de leitura: 3 minutos.

A perda de olfato foi o sintoma mais relatado por 2.013 pacientes infectados com a Covid-19 que participaram de um estudo publicado na Annals of Internal Medicine. Segundo o artigo, 87,2% das pessoas ouvidas relataram algum nível de perda.

“Os resultados destacam a importância de considerar a perda de olfato e paladar no diagnóstico de Covid-19 leve a moderado. Cerca de 8% dos participantes foram hospitalizados, mas nenhum precisou de cuidados intensivos”, analisaram os autores.

A pesquisa foi realizada em 18 hospitais europeus, em diferentes países. Entre os pacientes analisados, 73,1% relataram perda completa do olfato, enquanto os 14,1% restantes apenas perda parcial. Segundo os autores, os indivíduos que indicaram perda no olfato tiveram o problema depois do aparecimento de outros sintomas da Covid-19. A duração média do sintoma foi de 8,4 dias.

O segundo sintoma mais frequente foi a cefaleia (70,1%). Mais da metade das pessoas, 1.136, relataram ter sentido problemas no paladar. Já a febre foi relatada por menos da metade (40,6%).

Ouça também: Check-up Semanal: escore de gravidade para Covid-19, cannabis no climatério e mais! [podcast]

Como foi realizado o estudo

Os pesquisadores utilizaram um questionário online padronizado, onde coletaram dados clínicos e epidemiológicos de pacientes hospitalizados no dia da alta e de pacientes ambulatoriais após a resolução dos principais sintomas.

Foram avaliados os sintomas gerais e otorrinolaringológicos que se acreditam estarem associados à Covid-19 (usando uma escala de quatro pontos, de 0 para nenhum sintoma a quatro para sintomas graves). A avaliação olfativa e gustativa foi baseada em oito questões sobre o componente olfativo e gustativo do National Health and Nutrition Examination Survey.

Avaliações objetivas para disfunção olfatória foram realizadas em um subconjunto de pacientes que relatou perda total do olfato em um dos locais de estudo no momento do questionário.

Foi usado um teste de identificação olfativa padrão (Sniffin ‘Sticks [MediSense]), no qual foram apresentadas 16 canetas perfumadas para cada paciente cheirar a cada 30 segundos. Os pacientes foram solicitados a escolher o melhor termo entre quatro opções para descrever o aroma. O teste foi pontuado com base em um total de 16 pontos. De acordo com os resultados, os pacientes foram classificados como normóticos (12 a 16 pontos), hiposmóticos (9 a 11 pontos) ou anósmicos (<9 pontos).

Sintomas relatados pelos pacientes

Sintoma    Índice
Perda parcial ou total de olfato 87,2%
Cefaleia 70,1%
Entupimento nasal 64,2%
Dores musculares 61,8%
Coriza 59%
Tosse 58,4%
Problemas no paladar 56,4%
Dor de garganta 51,6%
Perda de apetite 47,5%
Gotejamento pós-nasal 47%
Dispneia 46,2%
Dor no rosto/sensação de “peso” 43,3%
Diarreia e dor abdominal 42,3%
Febre 40,6%
Dor nas articulações 39%
Disfonia 26,7%
Dor de ouvido 25,3%
Disfagia 20,6%
Náusea/vômito 18,7%
Catarro 14,4%
Dor no peito 9,2%
Fonte: Annals of Internal Medicine

Entretanto, não foi encontrada ainda alguma relação entre a perda de olfato e a obstrução nasal.

“Estudos futuros são necessários para entender os mecanismos fisiopatológicos subjacentes à perda de olfato e o paladar durante a infecção de Covid-19”, analisaram os pesquisadores responsáveis.

Saiba mais: Anvisa autoriza importação de 6 milhões de doses da Coronavac

Limitações do estudo

Os cientistas também pontuaram algumas limitações no estudo.

Entre os pacientes que relataram problemas de olfato, um terço não teve esse problema constatado por um teste objetivo. Isso significa que um a cada três pacientes teve testes de olfato com resultados normais, apesar de ter relatado problemas.

Os pesquisadores acreditam que isso pode ter ocorrido porque as pessoas participaram do estudo depois de saber que tinham Covid-19. E, dessa forma, podem ter lido sobre os sintomas da doença e sido influenciadas pelas notícias.

Outra limitação é que os pacientes hospitalizados foram avaliados no momento da alta, o que pode ter influenciado a avaliação da duração dos sintomas.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Relacionados