Covid-19: Pesquisadores investigam fase inflamatória da doença

Tempo de leitura: 3 min.

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) estão investigando sobre a segunda etapa da infecção de Covid-19, na qual pacientes com a forma severa da doença desenvolvem um intenso processo inflamatório em diferentes órgãos.

Leia também: Elevação do segmento ST na Covid-19: nem sempre é o que você está pensando mesmo!

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Meta do estudo sobre a fase inflamatória da Covid-19

O objetivo da equipe da USP é descobrir os mecanismos pelos quais as células de defesa do organismo humano respondem à infecção pelo novo coronavírus.

“Nos casos mais graves da Covid-19 pode haver um intenso processo inflamatório gerado em resposta à infecção pelo novo coronavírus, que acaba danificando os tecidos do paciente e piorando o quadro clínico. Nesses casos, o paciente pode ter desconforto respiratório, insuficiência renal ou problemas cardíacos. Precisa ser levado para a UTI e pode chegar a óbito”, diz Dario Simões Zamboni, pesquisador do Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias (CRID), líder do estudo na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP), em entrevista à Agência Fapesp.

O processo descrito é caracterizado por ser uma resposta imunológica excessiva responsável por deixar alguns pacientes gravemente doentes. Normalmente, quando ocorre uma infecção, o sistema imunológico envia células para atacar o vírus e, assim, neutralizar o patógeno de forma localizada.

No entanto, essa resposta imunológica excessiva gera um aumento descontrolado no nível de proteínas e a indução de processos inflamatórios intensos e generalizados, piorando o quadro do paciente.

A utilização do anti-inflamatório Colchicina

No projeto, outra substância a ser estudada será a Colchicina, medicamento anti-inflamatório clássico para o tratamento das crises agudas da gota e de sua prevenção.

O fármaco será utilizado em um estudo clínico realizado no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto com 60 pacientes. Como ele é utilizado no tratamento de processos inflamatórios, poderá servir também para a ativação do inflamassoma em pacientes graves de Covid-19.

Veja também: Crise de gota: tratar com naproxeno ou dose baixa de colchicina?

Como o processo inflamatório é ativado na Covid-19?

Os pesquisadores do CRID pretendem verificar a ocorrência de um mecanismo que estimula o início da inflamação em enfermidades altamente inflamatórias.

A hipótese a ser investigada é que, no caso da Covid-19, o sistema imunológico seja ativado pelo inflamassoma, um mecanismo de defesa. E quando esse inflamassoma é acionado, moléculas pró-inflamatórias passam a se produzir para alertar o sistema imunológico sobre a necessidade de enviar mais células de defesa ao local da infecção.

O mesmo grupo descobriu que, em pacientes infectados com o vírus Mayaro, o inflamassoma é acionado através da ativação da proteína NLRP3, que eleva a produção da citocina inflamatória interleucina-1 beta (IL-1β), sinalizadora do sistema imunológico.

“Ainda não sabemos como ocorre essa inflamação tão forte em uma parcela dos pacientes com Covid-19, mas suspeitamos que o inflamassoma participe desse processo inflamatório. Por isso, estamos monitorando a resposta imune ao vírus em experimentos realizados com cultura celular e em amostras de pacientes”, diz Dario Zamboni.

Entre os possíveis indicadores de que o inflamassoma possa ser acionado em casos de Covid-19 está a grande produção de produção da citocina inflamatória em pacientes graves. Há também estudos mostrando que pacientes com a doença apresentam no sangue alta quantidade da enzima lactato desidrogenase (LDH). Que, por sua vez, é normalmente encontrada no interior das células e não no soro sanguíneo.

O fato de a LDH aparecer no sangue de pacientes sugere a ocorrência de piroptose (um tipo de morte celular inflamatória), que ocorre quando o inflamassoma é ativado. E isso indica que existe algo errado dentro do organismo do paciente.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves

Posts recentes

Conjuntivite e uveíte: diferenças e atenção [podcast]

Neste episódio do Whitecast, a Dra. Juliana Rosa falará sobre a conjuntivite e a uveíte. Sabe…

7 horas atrás

Fibromialgia juvenil primária: Uma revisão sobre o tratamento e seu prognóstico

Recentemente, foi publicada uma revisão sobre o tratamento e prognóstico da fibromialgia juvenil primária. Saiba…

8 horas atrás

Mielopatia por deficiência de vitamina B12

A mielopatia metabólica, como a deficiência de vitamina B12, é evitável ​​e geralmente respondem à…

9 horas atrás

Vacina da Pfizer: Anvisa autoriza estudos de uma possível dose de reforço

A Anvisa publicou uma nota autorizando o estudo clínico para testar a possibilidade de uma…

10 horas atrás

Doença de Kawasaki: podemos avaliar o risco de aneurismas coronarianos só a partir dos marcadores inflamatórios?

A doença de Kawasaki, uma vasculite inflamatória sistêmica que pode complicar com o desenvolvimento de…

11 horas atrás

Estão abertas as inscrições em projeto para redução de infecções hospitalares em UTIs

Gestores de hospitais públicos ou filantrópicos podem se inscrever para projeto com objetivo de reduzir…

12 horas atrás