Covid-19: risco potencial de transmissão aérea

Tempo de leitura: 3 minutos.

Em recente comentário publicado em 06 de julho de 2020 no jornal Clinical Infectious Diseases, os pesquisadores Lidia Morawska e Donald Milton fazem um apelo à comunidade médica e a órgãos nacionais e internacionais relevantes para que reconheçam o potencial de propagação aérea da Covid-19.

Leia também: Anvisa se manifesta contra o uso da ivermectina na Covid-19

Potencial de transmissão

De acordo com os pesquisadores, existe um potencial significativo de exposição ao vírus por inalação de gotículas respiratórias microscópicas a distâncias curtas a médias. Morawska e Milton citam estudos que demonstraram que os vírus são liberados durante a expiração, a fala e a tosse em microgotículas pequenas o suficiente para permanecerem no ar. Dessa forma, há risco de exposição a distâncias superiores a 1 a 2 m de um indivíduo infectado.

Os pesquisadores também mencionaram que vários estudos retrospectivos conduzidos após a epidemia de SARS-CoV-1 constataram que a transmissão aérea era o mecanismo mais provável que explica, por exemplo, o padrão espacial das infecções. A análise retrospectiva mostrou o mesmo para o SARS-CoV-2. Por fim, muitos estudos realizados sobre a disseminação de outros vírus, incluindo vírus sincicial respiratório, coronavírus da Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS-CoV) e gripe, mostram que vírus viáveis podem ser exalados e/ou detectados no ambiente indoor de pacientes infectados. Isso representa o risco para as pessoas que compartilham esses ambientes, pois elas podem inalar potencialmente esses vírus, resultando em infecção e doença.

Dessa forma, existem todos os motivos para se esperar que o SARS-CoV-2 se comporte de maneira semelhante. E assim, que a transmissão via micropartículas transportadas pelo ar seja um caminho importante.

Saiba mais: Covid-19: OMS reconhece transmissão pelo ar durante procedimentos que geram aerossóis

A orientação atual de vários órgãos nacionais e internacionais se concentra na lavagem das mãos, na manutenção do distanciamento social e nas precauções contra gotículas. No entanto, os autores do artigo destacam que a maioria das organizações de saúde pública, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS), não reconhecem a transmissão pelo ar. Exceto pelos procedimentos de geração de aerossóis realizados em ambientes de saúde.

Para Morawska e Milton, a lavagem das mãos e o distanciamento social são apropriados, mas insuficientes para fornecer proteção contra micropartículas respiratórias portadoras de vírus liberadas no ar por pessoas infectadas. Esse problema é especialmente agudo em ambientes fechados, particularmente lotados e com ventilação inadequada em relação ao número de ocupantes e períodos de exposição prolongados.

Os pesquisadores sugerem que medidas para mitigar o risco de transmissão aérea incluem:

  • Fornecer ventilação suficiente e eficaz (minimizando recirculação de ar, por exemplo), particularmente em edifícios públicos, ambientes de trabalho, escolas, hospitais e casas de repouso;
  • Suplementar a ventilação geral com controles de infecção aérea, como exaustão local, filtragem de ar de alta eficiência e luzes ultravioletas germicidas;
  • Evitar superlotação, principalmente em transporte público e prédios públicos.

Morawska e Milton destacam a preocupação com que a falta de reconhecimento do risco de transmissão aérea da Covid-19 e a falta de recomendações claras sobre as medidas de controle contra o vírus transmitido pelo ar tenham consequências significativas: as pessoas podem pensar que estão totalmente protegidas, aderindo às recomendações atuais mas, de fato, são necessárias intervenções aéreas adicionais para reduzir ainda mais o risco de infecção. Esse assunto é de maior importância agora, quando os países estão reabrindo após os bloqueios, levando as pessoas de volta aos locais de trabalho e os alunos de volta às escolas, faculdades e universidades. Os pesquisadores esperam que essa declaração conscientize que a transmissão aérea da Covid-19 é um risco real e que medidas de controle, conforme descritas acima, devem ser adicionadas às outras precauções tomadas, para reduzir a gravidade da pandemia.

No momento, a OMS está preparando um resumo científico para abordar as evidências continuamente emergentes sobre a transmissão da Covid-19.

Autor(a):

Referências bibliográficas

  • Morawska L, Milton DK. It is Time to Address Airborne Transmission of Covid-19 [published online ahead of print, 2020 Jul 6]. Clin Infect Dis. 2020;ciaa939. doi:10.1093/cid/ciaa939
  • McNamara D. WHO Plans to Address Airborne Covid-19 Transmission. 2020. Medscape website. Disponível: https://www.medscape.com/viewarticle/933544 Acesso 12/07/2020
Relacionados