Neurologia

Critérios diagnósticos atualizados para neurofibromatose tipo 1 e síndrome de Legius

Tempo de leitura: 2 min.

Os critérios diagnóstico atualizados para neurofibromatose tipo 1 (NF1) e síndrome de Legius foram lançados por uma conferência de consenso internacional. Eles incorporam testes genéticos, bem como várias novas características clínicas. O que temos agora?

Para o diagnóstico da NF1, temos duas situações principais

Quando a pessoa examinada NÃO POSSUI UM DOS PAIS com NF1 – neste caso precisamos da presença de dois dos critérios abaixo:

  • Seis ou mais manchas café com leite (maiores do que 5 mm antes da puberdade ou maiores que 15 mm depois da puberdade) (a)
  • Sardas nas axilas ou virilhas
  • Dois ou mais neurofibromas de qualquer tipo ou um plexiforme
  • Glioma das vias ópticas
  • Dois ou mais nódulos de Lisch (examinados pela lâmpada de fenda) ou duas ou mais anormalidades da coroide (examinadas pela tomografia de coerência óptica ou imagem por reflectância infravermelha)
  • Lesão óssea típica: displasia do esfenoide ou tortuosidade anterolateral da tíbia ou pseudoartrose de um osso longo (b)
  • Variante patogênica heterozigótica para o gene NF1 em 50% dos alelos de um tecido aparentemente normal como os leucócitos

Quando a pessoa examinada é filho ou filho de alguém que tem NF1 – neste caso precisamos de APENAS um dos critérios acima.

Observações:

(a) Pelo menos um dos dois sinais pigmentares (manchas café com leite ou sardas) deve ser bilateral. Se estão presentes apenas manchas café com leite e sardas, o diagnóstico mais provável é NF1, mas excepcionalmente pode ser outro diagnóstico, como a síndrome de Legius

(b) A displasia do esfenoide não é um critério isolado quando está associado a neurofibroma plexiforme orbital do mesmo lado.

O documento também inclui novos critérios diagnósticos para a síndrome de Legius, que tem sobreposição fenotípica com NF1 em pacientes jovens com achados pigmentares e critérios para formas em mosaico de ambas as condições.

Leia também: Tomografia de coerência óptica para predizer o prognóstico na esclerose múltipla

Temos o diagnóstico de síndrome de Legius em duas situações principais:

Quando uma pessoa que não tem nenhum dos pais com síndrome de Legius, se estiverem presentes dois critérios abaixo:

  • Seis ou mais manchas café com leite bilateralmente distribuídas sem qualquer outro critério diagnóstico para NF1 (exceto efélides axilares e inguinais)
  • Variante patogênica no gene SPRED1 com a presença de menos de 50% do alelo com a variante num tecido aparentemente normal (como os leucócitos, por exemplo).

Observação: a presença de menos de seis manchas café com leite não exclui a síndrome de Legius.

Quando uma filha ou um filho de alguém que preenche os critérios diagnósticos acima apresentar pelo menos um dos critérios acima.

Autor:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Felipe Resende Nobrega

Posts recentes

A cirurgia bariátrica diminui o risco de câncer?

Estudo avaliou se submetidos à cirurgia bariátrica possuem uma diminuição da incidência de câncer comparada…

40 minutos atrás

Oseltamivir: o que você precisa saber para a prática clínica

O surto de Influenza vivenciado em todo o país durante o começo do ano de…

2 horas atrás

Efeitos do exercício físico sobre a hipertensão arterial resistente

É consenso que a prática rotineira de exercício físico é de grande benefício para o…

3 horas atrás

Anticorpos contra o vírus SARS-CoV-2 podem estar presentes no leite humano até 6 meses após a vacinação

Estudo sugere que anticorpos específicos para SARS-CoV-2 podem estar disponíveis no leite materno por até…

4 horas atrás

Covid-19: Bio-Manguinhos/Fiocruz recebe o registro da vacina 100% nacional

A Anvisa aprovou a inclusão do IFA no país terá uma vacina 100% nacional, com…

6 horas atrás

Status de neurodesenvolvimento aos seis meses de idade em crianças com e sem exposição ao SARS-CoV-2

Um estudo avaliou a exposição fetal intrauterina ao SARS-CoV-2 e o neurodesenvolvimento de lactentes aos…

24 horas atrás