Home / Colunistas / CROI 2021: ganho de peso pode ser um efeito colateral da terapia antirretroviral?

CROI 2021: ganho de peso pode ser um efeito colateral da terapia antirretroviral?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

Com a terapia antirretroviral (TARV) mudando radicalmente a história natural da infecção pelo HIV e aumentando a expectativa de vida das pessoas em tratamento, a preocupação com possíveis eventos adversos relacionados à medicação vêm cada vez mais tomando espaço na discussão entre os profissionais que cuidam desses pacientes.

Entre os efeitos que podem estar associados à TARV, ganho de peso chama a atenção tanto pela associação recente ao uso de dolutegravir em alguns estudos, quanto por sua relação com outras comorbidades, como hipertensão arterial e diabetes.

pés de paciente, em uso de terapia antirretroviral, em balança por aumento de peso

Terapia antirretroviral

Uma mesa na Conference on Retoviruses and Opportunistic Infections (CROI) 2021 levantou a discussão sobre a relação de infecção pelo HIV, início de terapia antirretroviral e ganho de peso. Os principais destaques estão descritos a seguir:

  1.  A maioria dos indivíduos que iniciam TARV apresentam algum ganho de peso no primeiro ano. Embora a quantidade de peso adquirida seja variável, a média é de 2kg. O ganho de peso parece acontecer com qualquer esquema de TARV iniciado.
  2. Os maiores preditores de ganho de peso são baixa contagem de células T-CD4 e altos valores de carga viral, com associação independente.
  3. Embora multifatorial, existem algumas hipóteses para explicar esse fenômeno. Indivíduos com infecção pelo HIV não controlada, apresentam um balanço energético negativo, caracterizando um estado catabólico, independente do peso inicial. A resposta fisiológica natural a esse estado – em indivíduos infectados pelo HIV ou não – é, após normalização do estado energético, buscar não um balanço energético equilibrado, mas positivo. Assim, com o início da TARV, a supressão viral corrigiria o estado catabólico, levando o organismo a procurar um balanço energético positivo.
  4. A principal forma de regular o balanço energético é por meio do apetite. Além disso, infecções virais ativas tendem a causar anorexia. Com isso, pacientes que iniciam TARV frequentemente apresentam aumento de apetite.
  5. Além do ganho associado à supressão viral por si só, o tipo de antirretroviral parece estar associado a maior ou menor ganho de peso. Resultados do estudo ADVANCE mostraram que indivíduos que tinham baixa metabolização de efavirenz (e, com isso, maior exposição a esse fármaco), apresentaram menor proporção de ganho de peso do que os com metabolização intermediária ou alta. Para esse último grupo, o ganho de peso foi semelhante ao dos pacientes em uso de dolutegravir, correspondendo às maiores proporções de ganho de peso. Esses resultados sugerem que a exposição ao efavirenz pode ter um efeito supressivo no ganho de peso.
  6. Resultados derivados da coorte AFRICOS mostraram ganho de peso com qualquer esquema de TARV, mas especialmente com a combinação de tenofovir, lamivudina e dolutegravir (TDF + 3TC + DTG). Esse resultado é importante porque TDF + 3TC + DTG é atualmente o esquema de primeira linha no Brasil e a exposição de brasileiros a esses medicamentos tenderá a aumentar nos próximos anos.
  7. Na mesma coorte, houve aumento na incidência de hiperglicemia com TDF + 3TC + DTG em comparação a outros esquemas, mas a diferença deixou de existir após ajuste para IMC, sexo e idade.
  8. Até o momento, não há evidências da ação de TDF + 3TC + DTG em relação ao ganho de peso em crianças e adolescentes.

Mensagens práticas

  • O início de terapia antirretroviral está associado a ganho de peso, independente do estado nutricional inicial do paciente.
  • Aumento de apetite parece ser um dos principais mecanismos pelo qual esse aumento de peso acontece. Por ser derivado de resposta fisiológica, os palestrantes sugerem que os pacientes sejam orientados não a diminuir a ingesta alimentar, mas a manter uma dieta balanceada, com consumo de alimentos menos calóricos.
  • Orientações em relação a medidas para evitar ganho de peso, como dieta adequada e prática de atividade física, devem ser iniciadas logo no início do tratamento.
  • Dolutegravir (DTG) parece estar associado a maior ganho de peso, assim como o esquema TDF + 3TC + DTG em relação a outros esquemas de TARV. Pacientes que iniciam essa terapia devem ser acompanhados e devidamente orientados para prevenção desse evento adverso.

Confira outros destaques do CROI 2021:

Autora:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.