Cruz Vermelha: por que devemos admirá-la?

Tempo de leitura: 2 min.

A Cruz Vermelha surge em Genebra, em meados do século XIX, com a função de auxiliar combatentes feridos na guerra de maneira independente, podendo prestar socorro a qualquer um dos lados. Ao longo do tempo, foi percebida a necessidade que atuassem também de maneira a garantir que as guerras não violassem direitos fundamentais do ser humano, sendo o principal órgão fomentador da Convenção de Genebra, em 1864. Ainda nesse ano, convenceu que os Estados utilizassem uma cruz vermelha com fundo branco, como símbolo internacional para serviços médicos, facilitando a busca por socorro e impedindo que hospitais de campanha fossem atacados de maneira inadvertida durante conflitos.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

A história da Cruz Vermelha

Ao longo da Primeira Guerra Mundial, ajudou a coordenar os serviços médicos dos exércitos em campo de batalha, atuou de maneira direta na assistência aos feridos e garantiu que os direitos humanos não fossem desrespeitados, sendo uma das principais articuladoras para que o gás de mostarda não fosse mais usado.

Com a diminuição dos conflitos armados, voltou parte de seus esforços em auxiliar nações que estejam passando por situações de calamidade causadas por surtos, epidemias e desastres naturais ou provocados pela ação do homem.

Em território nacional, a história da Cruz Vermelha confunde-se com a história do ensino formal da enfermagem no Brasil. As sedes do Rio de Janeiro e de São Paulo figuram entre as primeiras instituições que ofereciam cursos de enfermagem a população em geral. O curso tinha um perfil baseado no modelo militar e inicialmente era ministrado por médicos.

Com o advento da Escola de Enfermagem Dona Anna Nery (hoje pertencente à UFRJ) e o intercâmbio entre as duas escolas, o ensino da enfermagem na Escola da Cruz Vermelha começou a ganhar contornos mais científicos e, depois de trinta anos, começou a ser dirigido e ministrado por enfermeiros.

Hoje com múltiplas entidades de ajuda e socorro médico humanitário, a Cruz Vermelha perdeu parte de sua visibilidade e protagonismo no debate público, mas a importância dessa entidade para o início do debate e consolidação dos direitos humanos é incontestável.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • TELLES, Irmã M. Histórico da Escola de Enfermagem da Cruz Vermelha Brasileira. Rev. Bras. de Enferm., Brasília, n.3, p.1 53- 1 59, abr.1963
  • MOTT, ML; Tsunechiro, MA. Os cursos de enfermagem da Cruz Vermelha Brasileiro e o início da enfermagem profissional no Brasil. Rev. Bras. Enferm., Brasília, v. 55, n. 5, p. 592-599, set.lout. 2002

 

Compartilhar
Publicado por
Juan Carlos Silva Araujo

Posts recentes

Questões sobre a saúde mental da juventude LGBT+

Junho é o mês em que a temática LGBTQIA+ ganha destaque. Vamos abordar questões importantes…

3 horas atrás

Novo tratamento para pacientes com atrofia muscular espinhal é incluído no SUS

O SUS vai disponibilizar um novo tratamento com o medicamento Nusinersena, indicado para atrofia muscular…

23 horas atrás

Whitebook: linfonodomegalia

Em nossa publicação semanal de conteúdos do  Whitebook vamos falar sobre a apresentação clínica da…

1 dia atrás

Blog do Nurse: novidades no sininho! 

Você sabia que agora o app queridinho dos enfermeiros pode ser atualizado no sino de…

2 dias atrás

Teste do pezinho: um panorama da origem até os dias atuais

O teste do pezinho é realizado através de gotas de sangue colhidas do calcanhar do…

2 dias atrás

Tratamento endovascular para AVC de artéria basilar é melhor que tratamento convencional?

Foi publicado um estudo randomizado comparando a eficácia do tratamento endovascular com o tratamento clínico…

2 dias atrás