Cuidado com a cabeça! Poderia um traumatismo craniano causar doença de Parkinson?!

Um estudo de coorte comparando pacientes que sofreram traumatismo craniano com lesão cerebral associada e pacientes que sofreram traumatismo craniano sem lesão cerebral associada, avaliando nestes grupos a incidência de doença de Parkinson, sugeriu que lesão cerebral traumática aumenta o risco de doença de Parkinson.

Muitos estudos já haviam avaliado a potencial associação entre lesão cerebral traumática e o desenvolvimento de doença de Parkinson, mas, até então, obtiveram resultados muito conflituosos, especialmente pela dificuldade em estabelecer um grupo controle.

No estudo em questão, publicado há 1 mês no Annals of Neurology, 52393 casos de lesão cerebral traumática, definidos pelo CID-9, e 113406 traumatismos sem lesão cerebral foram observados por 6 anos de follow-up, buscando-se a associação da lesão a incidência de doença de Parkinson. A razão de verossimilhança para diagnóstico de doença de Parkinson em pacientes com lesão cerebral traumática foi de 1,7%, enquanto no grupo controle (sem lesão) foi de 1,1%, sendo esta diferença estatisticamente significativa. Foi observado também que a gravidade do trauma e a frequência de episódios teve relação de dose-resposta com a incidência de doença de Parkinson.

Na análise geral, lesão cerebral traumática aumenta em 44% o risco de doença de Parkinson, e traumas leves aumentam em 24% este mesmo risco. O motivo real desta associação ter sido observada permanece desconhecido, sua plausibilidade biológica ainda é contestável. Algumas possibilidades, no entanto, devem ser levantadas: o trauma pode simplesmente desmascarar a doença de Parkinson subjacente já em manifestação; o trauma pode desencadear um processo neurodegenerativo; ou simplesmente o trauma pode ser causa direta da neurodegeneração.

De qualquer maneira, estudos adicionais devem ser desenvolvidos antes de atribuirmos uma causa anatômica a uma doença neurodegenerativa que só agora está se revelando para a Neurologia.

Referência Bibliográfica:

– Gardner RC et al. Traumatic brain injury in later life increases risk for Parkinson’s disease. Ann Neurol 2015 Feb 27

Compartilhar
Publicado por
Eduardo Moura

Posts recentes

ACC.21: o que já sabemos sobre anticoagulantes em pacientes com Covid-19?

Uma sessão inteira do congresso do ACC 2021 foi dedicada à discussão o uso de anticoagulantes…

7 horas atrás

ACC 2021: dapagliflozina seria benéfico em pacientes com Covid-19 e fatores de risco?

Um estudo que avaliou o uso da dapagliflozina na Covid-19 em pacientes com fatores de…

8 horas atrás

ATS 2021: síndrome pós-Covid-19 e reabilitação pulmonar

A síndrome pós-Covid-19 e seu manejo foram temas de uma das sessões do congresso da…

10 horas atrás

ATS 2021: novidades na abordagem de tromboembolismo pulmonar

Uma das temáticas abordadas no ATS 2021 foram as novidades em tromboembolismo pulmonar (TEP), que…

12 horas atrás

ATS 2021: abordagem de nódulos e massas pulmonares – práticas atuais

Um dos principais assuntos discutidos no congresso da American Thoracic Society, ATS 2021, foi nódulos…

14 horas atrás

ACC 2021: oclusão do apêndice atrial em cirurgia cardíaca + anticoagulação pode reduzir risco de AVE?

O estudo LAAOS 3 avaliou se a oclusão do apêndice atrial esquerdo, adicionada à posterior…

1 dia atrás