Página Principal > Colunistas > Deficiências vitamínicas podem ser o único sinal de doença celíaca
pão sem glúten fatiado em uma tábua de madeira

Deficiências vitamínicas podem ser o único sinal de doença celíaca

Tempo de leitura: 2 minutos.

Em muitos casos, os adultos com doença celíaca não diagnosticada apresentam deficiências nutricionais como o único sinal da doença. Os médicos costumam procuram por sinais típicos como perda de peso inexplicável ou magreza extrema. Mas os sinais característicos da doença celíaca podem ser baixos níveis de vitaminas e outros micronutrientes, segundo um estudo recentemente publicado no Proceedings da Mayo Clinic.

“As pessoas têm ideias preconcebidas de como é a doença celíaca. Elas esperam ver pacientes que, por causa da má absorção de nutrientes e da diarreia, fiquem magros com muitas deficiências. Entretanto, observamos muitos pacientes que não perderam peso (e muitos que estão com sobrepeso), mas que ainda apresentam deficiências de micronutrientes. Ao mesmo tempo que eles não estão perdendo calorias, também não estarão absorvendo alguns nutrientes vitais.”, explicou o coautor do estudo, Joseph Murray, professor de medicina da Mayo Clinic, em Rochester, Minnesota, nos Estados Unidos.

Baixos níveis de nutrientes

De acordo com o estudo, isso significa que os médicos precisam estar atentos a baixos níveis de certos micronutrientes, em particular de ferro, vitamina D e zinco. Como muitos pacientes não fazem exames de sangue regulares, eles podem apresentar fadiga, sintoma clássico de falta de ferro no organismo.

“É um sintoma muito comum. As pessoas chegam e dizem que não têm a energia que costumavam ter, seja durante exercícios ou atividades diárias. Isso mostra que elas podem ser deficientes em ferro devido à doença celíaca oculta”, diz Joseph Murray.

O procedimento inicial é realizar um exame de sangue. “Se isso voltar positivo, significa que o paciente precisa ser encaminhado para um especialista gastrointestinal, uma vez que é preciso ter certeza para chegar a um diagnóstico que exigirá tratamento ao longo da vida”, destaca o médico.

Joseph Murray suspeita que até 50% dos adultos com doença celíaca não são diagnosticados porque não apresentam perda de peso e outros sinais e sintomas considerados típicos da doença. Ou também porque eles se colocaram em uma dieta sem glúten, que pode distorcer os resultados do exame de sangue.

Metodologia

Joseph Murray e seus colegas estudaram 309 adultos recém-diagnosticados com doença celíaca entre 2000 e 2014. Os pacientes foram selecionados por idade com os participantes do National Health and Nutrition Examination Survey (NHANES), um banco de dados representativo nos Estados Unidos.

Quando os pesquisadores compararam os pacientes celíacos recém-diagnosticados com os participantes do NHANES, encontraram algumas grandes diferenças nos níveis de nutrientes. O zinco foi deficiente em 59,4% daqueles com celíaca versus 33,2% dos controles e o cobre ficou baixo em 6,4% dos pacientes celíacos versus 2,1% dos controles. Já o ácido fólico ficou baixo em 3,6% dos pacientes celíacos versus 0,3% dos controles e, por fim, a vitamina B12 ficou baixa em 5,3% dos pacientes celíacos versus 1,8% dos controles.

Entre os pacientes celíacos, o nível de ferro ficou baixo em 30,8%, mas não houve controles com medidas de ferro para comparações. E, ao contrário dos pressupostos tradicionais sobre celíacos e magreza, a perda de peso foi observada em apenas 25,2% dos pacientes diagnosticados com a enfermidade.

Conclusões do estudo

Joseph Murray espera que o novo estudo sirva de alerta para que os médicos da atenção primária possam notar deficiências nutricionais em seus pacientes. Ele os adverte para lembrar que “só porque alguém está acima do peso não significa que eles não tenham doença celíaca”.

Autora: 

Referências: 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.