Neurologia

Déficits neurocognitivos associados à perda da audição em sobreviventes de câncer na infância

Tempo de leitura: 2 min.

Independentemente do tipo de tratamento recebido, o comprometimento auditivo grave em sobreviventes de câncer infantil está associado a déficits neurocognitivos, segundo o estudo Association of Hearing Impairment With Neurocognition in Survivors of Childhood Cancer, publicado na JAMA Oncology. O objetivo foi avaliar a associação de comprometimento auditivo com a função neurocognitiva e os fatores de deficiência auditiva que mediam os resultados neurocognitivos em pacientes que sobreviveram a um câncer infantil.

Leia também: Nova molécula pode reduzir agressividade de câncer pediátrico

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Método do estudo

Foi realizado um estudo transversal cujos dados foram coletados no período de 25 de abril de 2007 a 30 de junho de 2017. A análise dos dados foi realizada de 22 de março de 2019 a 5 de março de 2020. Os pesquisadores analisaram dados de sobreviventes elegíveis que participam do estudo denominado St. Jude Lifetime Cohort Study (SJLIFE), um estudo de acompanhamento institucional em andamento, desenvolvido para quantificar os resultados de saúde em longo prazo de pacientes sobreviventes de câncer infantil. Esses participantes incluíram indivíduos tratados por câncer na infância no St. Jude Children’s Research Hospital, em Memphis, Tennessee, Estados Unidos, e que sobreviveram 5 ou mais anos após o diagnóstico inicial e que eram elegíveis para testes audiológicos e neurocognitivos.

Saiba mais: Distúrbios cognitivos em bebês extremamente prematuros persistem mesmo após anos do nascimento

Características

Foram identificados 1.678 sobreviventes elegíveis. Destes, 137 não participaram do presente estudo, 17 tinham deficiência auditiva não induzida pelo tratamento e 4 não possuíam dados audiológicos avaliáveis. Foram analisados 1.520 sobreviventes de câncer infantil, dos quais 814 eram do sexo masculino (53,6%). A idade mediana (intervalo interquartil [IQR]) foi de 29,4 (7,4-64,7) anos e o tempo mediano (IQR) desde o diagnóstico foi de 20,4 (6,1-53,8) anos.

Os pesquisadores observaram que a prevalência e o risco de deficiência auditiva grave entre os sobreviventes foi maior no grupo de pacientes expostos a agentes da platina (n = 107 [34,9%]; risco relativo [RR], 1,68, intervalo de confiança de 95% (IC 95%), 1,20-2,37]) ou a radioterapia coclear (n = 181 [38,3% ]; RR, 2,69 [IC 95%, 2,02-3,57), comparados àqueles do grupo sem exposição (n = 65 [8,8%]). Os sobreviventes com comprometimento auditivo grave apresentaram risco aumentado de déficits neurocognitivos, como habilidades de raciocínio verbal, fluência verbal, velocidade visomotora e habilidades matemáticas. Este efeito foi independente de o paciente ter sido exposto à terapia neurotóxica, quando comparado aos sobreviventes com audição normal ou perda auditiva leve. Cabe destacar que, neste estudo, os sobreviventes com deficiência auditiva leve também demonstraram déficits na execução de tarefas neurocognitivas em comparação aos sobreviventes com audição normal, embora em menor grau do que os sobreviventes com deficiência auditiva grave.

Resultados

Os achados desse estudo indicam que a deficiência auditiva grave após terapia ototóxica parece estar associada a déficits neurocognitivos. A deficiência auditiva é uma condição clínica preocupante, principalmente se não for detectada ou tratada. Dessa forma, uma triagem e uma intervenção precoces para comprometimento auditivo, incluindo adesão a aparelhos auditivos e implantes cocleares, consulta neuropsicológica e acomodações educacionais, podem facilitar o desenvolvimento e a manutenção da função neurocognitiva. Além de poderem identificar aqueles que estão em risco de deterioração futura. Todavia, os pesquisadores ressaltaram a necessidade de estudos prospectivos que investiguem a associação entre a adesão ao uso de aparelhos auditivos e os resultados neurocognitivos em sobreviventes de câncer infantil.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Bass JK, Liu W, Banerjee P, et al. Association of Hearing Impairment With Neurocognition in Survivors of Childhood Cancer [published online ahead of print, 2020 Jul 30]. JAMA Oncol. 2020. doi: 10.1001/jamaoncol.2020.2822.
Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

Os novos anticoagulantes orais estão sendo mais utilizados que os antagonistas da vitamina K em pacientes com FA?

Os novos anticoagulantes surgiram como uma alternativa e mostraram eficácia e segurança semelhante ou melhor…

1 dia atrás

Whitebook: coombs indireto – o que é e como solicitar?

Essa semana, falamos sobre o coombs indireto em obstetrícia. Em nossa publicação de conteúdos do…

1 dia atrás

Diagnóstico de policitemia vera: conceitos importantes

Policitemia vera é uma síndrome mieloproliferativa caracterizada por aumento da massa eritrocitária. Saiba mais.

2 dias atrás

AAP 2021: avaliação de sepse tardia e terapia empírica em prematuros extremos

O objetivo de um estudo apresentado na AAP 2021 foi definir a frequência da sepse…

2 dias atrás

Podcast da Pebmed: dissecção da artéria vertebral. Como diagnosticar e tratar? [podcast]

No episódio de hoje, Henrique Cal, vai discutir sobre causas que podem levar à dissecção…

2 dias atrás

Destaque das diretrizes no manejo do tabagismo

O tabagismo é a principal causa de morte evitável no mundo. Atualmente são cerca de…

2 dias atrás