Página Principal > Ginecologia e Obstetrícia > Dengue e gestação: há prejuízos para o recém-nascido ou nascituro?
epilepsia

Dengue e gestação: há prejuízos para o recém-nascido ou nascituro?

Tempo de leitura: 2 minutos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que 3,9 bilhões de pessoas no mundo estão em risco para ter infecção pelo vírus da dengue (arbovírus da família Flaviviridae). Os sintomas podem variar entre febre aguda, cefaleia intensa, dor retro orbitária, mialgia, artralgia, rash cutâneo e eventos hemorrágicos.

Durante a gestação, a infecção pode ser transmitida para o feto durante os três trimestres e está associada a diversas complicações como aborto, alteração no tubo neural, mortes perinatal e materna, pré-eclâmpsia, baixo peso ao nascer e prematuridade.

A taxa de transmissão vertical varia de 1,6 a 10%, segundo estudos. A probabilidade de infecção fetal é maior nas últimas semanas (77%) comparadas aos outros períodos, pois anticorpos (IgG materno) passam menos pela placenta ao final da gestação. No recém-nascido, as probabilidades de adquirir a doença e de ser de forma insidiosa e fulminante aumentam devido à imaturidade do sistema imune do recém-nascido assim como respostas humoral e celular mais lentas.

Leia mais: Como prevenir a dengue e combater a doença?

Na literatura, os relatos de casos de infecção em neonatos, com IgG e IgM positivos na mãe e no recém-nascido, exibem quadro de febre que surge entre primeiro e 10º dia, principalmente no quarto dia, além de trombocitopenia, podendo haver hepatomegalia e hemorragia cerebral. Em neonatos, o período de incubação é de três a 10 dias e a meia-vida em torno de 40 dias.

A dengue neonatal é subdiagnosticada e muito embora não seja doença frequente, o diagnóstico é importante para melhor manejo do caso. Dessa maneira, recém-nascidos em áreas endêmicas que apresentem sinais inespecíficos para sepse devem ser investigados para dengue. E ainda, mais estudos nessa área devem ser realizados.

Curiosidades:

  • A infecção fetal é menor em gestações cujas mães têm menos de 20 anos por estas apresentarem quantidade maior de anticorpos
  • Lactentes cujas mães tiveram dengue antes da gestação podem apresentar quadros mais graves de dengue quando infectadas por outro sorotipo, pois podem possuir anticorpos maternos, não se comportando como dengue primária
  • Vacina de vírus atenuado contra dengue atualmente permitida no Brasil é contraindicada para gestantes e mulheres que amamentam

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Thomas J, Thomas P, George CR. Neonatal dengue. Int J Contemp Pediatr 2017;4: 2234-6.
  • Casale LS, Livingston EQ, Teves C. Perinatal transmission of acute dengue: First case reported in Turks and Caicos Islands. J Pediatr Dis 2016; 1(1): http://dx.doi.org/10.18282/jpedd.v1.i1.36.
  • Ghosh A, Roy S, Uttam KG. Two cases of severe neonatal dengue fever during an outbreak in Kolkata city. Indian J Case Reports. 2017;3(3):119-121.
  • Skipetrova A, Wartel TA, Gailhardou S. Dengue vaccination during pregnancy – an overview of clinical trails data. Elsevier Ltd. Vaccine 2018(36): 3345 – 3350.
  • Ribeiro CF, et al. Dengue infection in pregnancy and its impact on the placenta. Internacional Journal of Infectious Diseases. 2017(55): 109-112.
    portal.anvisa.gov.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.