Pneumologia

Derrame pleural: conheça novas orientações para manejo da doença

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O derrame pleural caracteriza-se como o acúmulo de líquido no espaço entre a pleura visceral e a pleura parietal, ou seja, entre a membrana que recobre o órgão respiratório e a parede torácica. As instituições American Thoracic Society, Society of Thoracic Surgeons e a Society of Thoracic Radiology lançaram em parceria um guideline com novas orientações sobre o manejo de pacientes diagnosticados com derrame pleural maligno.

Um painel multidisciplinar foi criado para discutir sete questões com base no PICO (sigla em inglês para população, intervenção, comparador e desfechos). Para cada uma destas questões foram aplicados os protocolos GRADE (classificação das recomendações, avaliação, desenvolvimento e análise) e o de Evidência para Decisão. A partir daí, as orientações foram formuladas, debatidas e aprovadas pelos membros do painel.

Leia mais: Derrame pleural maligno: qual o tratamento recomendado?

Confira as orientações do guideline sobre derrame pleural

  1. Em pacientes com diagnóstico ou suspeita de derrame pleural maligno (DPM), o ultrassom deve ser usado para guiar intervenções pleurais;
  2. Em pacientes assintomáticos, com diagnóstico confirmado ou suspeita de DPM, intervenções pleurais terapêuticas não devem ser realizadas;
  3. Em pacientes sintomáticos, deve ser realizada uma toracocentese se houver dúvidas se os sintomas estão relacionados à efusão pleural e/ou se o pulmão está expandindo e avaliar esta expansão;
  4. Em pacientes com DPM com suspeita de pulmão expansível, e naqueles cujos sintomas estão atribuídos à efusão pleural, é recomendada a aplicação de pleurodese química com talco ou cateteres pleurais como intervenção de primeira-linha para o manejo da dispneia;
  5. Em pacientes com derrame pleural maligno sintomático e pulmão expansível que receberam pleurodese com talco, é recomendado o uso de talco poudrage ou talco slurry;
  6. Em pacientes com derrame pleural maligno sintomático sem expansão no pulmão, pleurodese mal-sucedida ou derrame pleural loculado, é recomendado o uso de cateter pleural em vez de pleurodese química;
  7. Em pacientes com quadro infeccioso associado aos cateteres é mais adequado tratar a infecção sem a retirada do cateter. É recomendada a retirada do dispositivo apenas se não houver melhora na infecção.

Tenha em mãos informações objetivas e rápidas sobre práticas médicas. Baixe o Whitebook

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

Compartilhar
Publicado por
Roberto Caligari

Posts recentes

Modelo de reconhecimento de caligrafia para detectar doença de Parkinson é desenvolvido por adolescentes americanos

Foi publicado um estudo sobre o aprendizado de máquina baseado em um conjunto de algoritmos…

9 horas atrás

Highlights do ATS 2022 [podcast]

Confira os destaques do ATS 2022, um dos maiores encontros em pneumologia, cirurgia torácica e…

10 horas atrás

PEBMED e ILAS: terapia antimicrobiana na sepse [podcast]

Neste episódio, saiba mais sobre a terapia antimicrobiana na sepse. Confira!

10 horas atrás

Fernanda Pautasso esclarece os principais aspectos sobre enfermeiro navegador

Convidamos a Enfermeira Mestre Fernanda Pautasso para bater um papo super interessante sobre enfermeiro navegador.

11 horas atrás

Resultados da denervação seletiva para rizartrose

A rizartrose é extremamente comum, com prevalência estimada em 15% dos pacientes acima de 30…

13 horas atrás

Há como predizer quem vai ter uma parada cardiorrespiratória (PCR) em FV ou TV?

Estudo buscou desenvolver um algoritmo para identificar quem teria maior risco de parada cardiorrespiratória (PCR)…

14 horas atrás