Desconforto orofaríngeo após anestesia geral: o que há de novo para sua prevenção?

O desconforto orofaríngeo é um evento adverso muito comum após realização de anestesia geral com incidência reportada de até 62%.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

O desconforto orofaríngeo é um evento adverso muito comum após realização de anestesia geral com incidência reportada de até 62%. Está relacionado, dentre outros fatores, com a idade, gênero, tamanho de tudo endotraqueal e sua pressão de cuff e apesar de geralmente transitório — tende a desaparecer em menos de 48 horas —  tem impacto direto na satisfação do paciente e na sua experiência com o ato anestésico.

Leia também: Conteúdo novo em Anestesiologia: Cateter Intratecal

Desconforto orofaríngeo após anestesia geral o que há de novo para sua prevenção

Análise recente

A revista BMC Anesthesiology publicou em 2022 um ensaio clínico randomizado e duplo-cego em que avaliou o uso de dexmedetomidina (alfa2-agonista) e ropivacaína intratraqueal em pacientes submetidos a anestesia geral. Analisou como desfecho primário a incidência e a gravidade de dor orofaríngea e rouquidão em relação a quatro grupos (DR – dexmedetomidina e ropivacaína; R – ropivacaína; D – dexmedetomidina; S – salina) em duas horas e em vinte e quatro horas após a cirurgia; como desfechos secundários, analisaram flutuação hemodinâmica intraoperatória, requerimento de drogas anestésicas e reações adversas durante o ato cirúrgico.

A utilização intratraqueal de 5 ml de solução contendo dexmedetomidina (1 micrograma/kg) e ropivacaína 0,8% (40 mg) mostrou que a incidência de desconforto orofaríngeo de fato foi menor após duas horas de cirurgia (16% no grupo DR contra 44% no grupo S, 40% no grupo D e 34% no grupo R – todos com p < 0,05). Após vinte e quatro horas, a incidência desse evento foi menor apenas no grupo DR; em relação à rouquidão, não houve diferença estatisticamente significativa entre os grupos.

Além de tais resultados, observaram que a necessidade de anestésicos durante a cirurgia foi menor no grupo DR, além de haver menos flutuações hemodinâmicas (avaliados através da pressão arterial sistólica, diastólica e frequência cardíaca).

Tanto o tubo orotraqueal quanto os dispositivos supra-glóticos podem causar essa complicação bastante comum — a literatura é inconclusiva ao se comparar as suas incidências —, podendo se justificar pelo trauma direto ou irritação da mucosa por tais dispositivos. Os fatores de risco principais envolvidos são o tamanho do dispositivo, elevadas pressões de cuff, gênero feminino, uso concomitante de sonda nasogástrica, tubo orotraqueal duplo-lúmen, apresentação de tosse durante o despertar da anestesia e intubação realizada sem bloqueador neuromuscular.

O que existe até o momento na literatura?

Atualmente estratégias como a escolha adequada do tamanho dos dispositivos (tubo orotraquel ou máscara laríngea) e o controle  da pressão de cuff entre 20-25 mmHg. Alguns fármacos também têm eficácia comprovada como uso tópico de lidocaína, corticoide e anti-inflamatórios não esteroidais como benzidamina (neste caso, pode-se optar pela formulação de pastilha, por exemplo).

Também recentemente, foi publicada na revista Anesthesiologica Scandinavica uma meta-análise sobre uso tópico de ketamina comprovando sua eficácia em reduzir o desconforto orofaríngeo e a gravidade desse sintoma. Nessa publicação, não existe uma conclusão sobre a dose adequada (a maioria dos estudos utiliza 50 mg, mas outros abordaram doses menores ou doses de acordo com o peso) assim como não houve diferença significativa entre a via utilizada —  tanto a nebulização quanto o gargarejo ou lubrificação dos dispositivos mostraram-se eficazes.

Saiba mais: Anestesia no Paciente Chocado: confira os conteúdos atualizados em Anestesiologia

Para combater um sintoma tão comum e indesejável existem, portanto, várias alternativas disponíveis atualmente ao alcance do anestesiologista. A individualização dos pacientes, levando-se em consideração seus fatores de risco, e a análise das opções disponíveis em seu serviço é de extrema relevância para tornar a experiência do paciente com o ato anestésico mais agradável.

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

# Niu J, Hu R, Yang N, et al. Effect of intratracheal dexmedetomidine combined with ropivacaine on postoperative sore throat: a prospective randomised double-blinded controlled trial. BMC Anesthesiol. 2022;22(144). DOI:10.1186/s12871-022-01694-6. # REVIEW Topical application of ketamine to prevent postoperative sore throat in adults: A systematic review and meta-analysis. Acta Anesthesiologica Scandinavica, 2020;64:579-591. # Uptodate. Complications of airway management adults (search). Disponível em:  https://www.uptodate.com/contents/complications-of-airway-management-inadults?search=postoperative%20troat%20pain&source=search_result&selectedTitle=1~150&usage_type=default&display_rank=1