Descontinuação de iECA/BRA em pacientes com baixa taxa de filtração glomerular

Tempo de leitura: 2 min.

Até hoje fica a dúvida sobre quando devemos descontinuar iECA/BRA nos pacientes com baixa taxa de filtração glomerular, não é mesmo? Pra tentar esclarecer essa dúvida, foi publicado no JAMA um estudo de coorte randomizado multicêntrico que avaliou o efeito da descontinuação de iECA/BRA nos pacientes com deterioração da função renal em relação às taxas de mortalidade por qualquer causa, aos eventos cardiovasculares maiores e à evolução para doença renal terminal.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Descontinuação de iECA/BRA

Foram incluídos 3.909 pacientes que iniciaram BRA/iECA e tiveram redução da TFG para menos de 30 mL/min/1,73 m². Depois, eles compararam os resultados dos indivíduos que descontinuaram a terapia em até 6 meses após queda na TFG (n=1235) com aqueles que mantiveram iECA/BRA (n=2674). O objetivo primário do estudo foi estudar a taxa de mortalidade em 5 anos; o secundário foi avaliar eventos cardiovasculares maiores e doença renal estágio terminal.

Leia também: Devo suspender os IECA e os BRA em pacientes com Covid-19?

Após 2,9 anos de acompanhamento, 434 (35,1%) pessoas do grupo que descontinuou a terapia morreram; no grupo que manteve iECA/BRA, esse número foi de 786 (29,4%). Após ajustes, a OR foi de 1,39, 95%, IC 1,20-1,60, para quem interrompeu o tratamento, mostrando aumento do risco com essa escolha.

O risco de eventos cardiovasculares maiores em 5 anos também foi maior no grupo que descontinuou iECA/BRA: 494 pessoas (40%) comparado com 910 (34%) no grupo que manteve a terapia (OR 1,37, 95%, IC 1,20-1,56).

Em relação ao estágio final da doença renal crônica, 7% dos que descontinuaram a terapia evoluíram para diálise em 5 anos x 6,6% dos que não descontinuaram, mas esses valores não tiveram significância estatística.

Conclusão

O estudo foi apenas observacional, mas bem desenhado e pareceu demonstrar que manter iECA ou BRA nos pacientes com TFG<30 pode promover benefícios em termo de função renal e mortalidade cardiovascular, sem aumentar o risco de evolução para doença renal terminal.

Quer receber as principais novidades em Cardiologia? Participe do nosso grupo do Whatsapp!

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Qiao Y, Shin J, Chen TK, et al. Association Between Renin-Angiotensin System Blockade Discontinuation and All-Cause Mortality Among Persons With Low Estimated Glomerular Filtration Rate. JAMA Intern Med. 2020 Mar. doi:10.1001/jamainternmed.2020.0193
Compartilhar
Publicado por
Juliana Avelar

Posts recentes

Síndrome de lise tumoral (SLT): como identificar os pacientes com maior risco?

A SLT é uma complicação observada em pacientes com neoplasias hematológicas, seja de forma espontânea,…

26 minutos atrás

Quais as principais características clínicas da Covid-19 em crianças e fatores de risco para óbito no Brasil?

Estudo mostrou que disparidades nos cuidados de saúde, pobreza e comorbidades podem aumentar a carga…

1 hora atrás

Cardiomiopatia cirrótica prediz aparecimento de doença cardiovascular após transplante hepático

A cardiomiopatia cirrótica é uma manifestação extra-hepática da cirrose ainda muito subdiagnosticada na prática clínica.

2 horas atrás

Anticorpos contra SARS-Cov-2 após infecção: proteção por muito tempo?

Um estudo norte-americano teve como objetivo avaliar a duração de anticorpos após a primeira infecção…

21 horas atrás

O ingresso dos profissionais de enfermagem nas forças militares

A carreira militar possui suas exigências e seu ingresso é disputado por muitos profissionais. Saiba…

1 dia atrás

A ingestão de frutas diariamente pode diminuir o risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2?

Um estudo encontrou dados favoráveis relacionando ingestão de frutas à proteção de desenvolvimento de diabetes…

2 dias atrás