Dia do cego: uma reflexão para profissionais de saúde

A criação do dia do Cego busca consolidar os princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos, objetivando a igualdade a todos.

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

O dia do cego foi constituído com a finalidade de diminuir o preconceito e discriminação, sendo instituído em julho 1961, pelo presidente do Jânio Quadros, a partir do decreto nº 51.045. Celebrado em 13 de dezembro, torna-se um dia importante no calendário de saúde. A criação da data tem como objetivo consolidar os princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que objetiva alcançar a igualdade a todos os cidadãos. O termo cego por muito tempo, foi visto como pejorativo, mas hoje temos novas concepções sobre o termo e aceitação social.  O cego é o indivíduo com comprometimento visual em seus diversos graus. Hoje sabemos que temos a cegueira total, baixa visão ou visão reduzida, subnormal. Mas hoje vamos trazer outros tipos de classificação, uma vez que abordaremos a prática esportiva para essas pessoas.

Pois bem, o esporte é um componente fundamental na ressocialização da pessoa cega ou com baixa visão, além de ser instrumento de cuidado à saúde mental e física. A prática esportiva gera inclusão social e oportuniza maravilhosas experiências individual e coletivas. Muitas são as possibilidades para as pessoas cegas na área dos esportes.  Alguns esportes como AtletismoNataçãoCiclismoRemo, e alguns específicos para deficientes visuais como o Goalball Futebol de 5, ficaram famosos durante as  olimpíadas, mas fazem parte da vida cotidiana dessas pessoas. Para a prática desportiva é importante conhecer sua classificação:

acessibilidade-01

Dentro do desporto existem três classes: 

  • B1 – Cego total: pessoa que não possui percepção luminosa em ambos os olhos, podendo até ter percepção de luz, mas não reconhece formatos o em qualquer distância ou direção. Em testes apresenta uma marca abaixo de logMAR 2,6.
  • B2 – Os praticantes nesse caso possuem percepção de vultos. inicia da capacidade em reconhecer a forma de uma mão. Nos testes apresenta a marca de 20/625 ((logMAR 1,5) a 20/800  (logMAR 2,6) e/ou campo visual menor que 10° de diâmetro.
  • B3 – Esses praticantes  já podem definir imagens. Apresentam marca de 20/200 (logMAR 1,0) a 20/500  (logMAR 1,4) e/ou campo visual menor que 40° de diâmetro (entre 10° e 40°).

Sabemos que a prática de esportes é de suma importância para uma maior consciência do corpo, o que facilita a instrumentação da vida e a prática de ressocialização adaptadas. O enfermeiro pode utilizar diversas atividades para contribuir para este processo. E, criar um plano terapêutico singular que envolva o esporte pode ser uma dessas atividades. Primeiro, deve-se compreender em qual classe se dá a deficiência visual da pessoa. Isso promove que o trabalho seja mais direcionado. É claro que a pessoa cega ou com baixa visão pode tentar qualquer coisa na vida, mas com orientação profissional, os caminhos são mais facilitados.

Leia também: Cegueira e baixa visão no mundo: cenário atual

O esporte pode promover para pessoas cegas ou de baixa visão (b1, b2 e b3) melhor desenvolvimento, inclusive a nível cognitivo-perceptivo do espaço, o que é o maior desafio para essas pessoas na vida, além de contribuir com o desenvolvimento de outros sentidos que não aquele da visão. Essa condição é muito importante, pois facilita atividades no ambiente doméstico e na rua, além de colocar a pessoa em condição de se perceber enquanto um profissional ou mesmo amador praticante de uma modalidade esportiva. O que contribui para uma melhor saúde mental dessas pessoas.

O que o enfermeiro deve saber para contribuir com a prática de atividades esportivas?

  • Educar os usuários cegos ou de baixa visão sobre as possibilidades e Junto ao profissional de educação física, traçar estratégias para o inicio das atividades esportivas;
  • Agregar o usuário em práticas esportivas com pessoas que não possuem deficiência, afinal, durante a pandemia jogadores da seleção brasileira de golbol realizaram treinos com pessoas sem deficiência;
  • Discutir com a pessoa qual é a atividade mais preterida, lembrando que não se deve gerar limitações para que a pessoa realize a atividade, lembre-se que a sociedade já tenta diariamente fazer isso com as pessoas com deficiência, nós profissionais de saúde devemos ser um caminho para a possibilidade.

Vamos conhecer algumas das atividades esportivas que compõe o quadro olímpico:

  • Atletismo: o paratleta é auxiliado por um atleta-guia e cordão de ligação, de acordo com o grau de deficiência que possui;
  • Ciclismo: a bicicleta é adaptada e é denominada como tandem, possuindo dois assentos, sendo que o atleta com deficiência visual fica no banco de trás.
  • Futebol de 5: Com quadra semelhante ao futsal e com a bola com Guizos internos, sendo que o goleiro é o único que enxerga.
  • Goalball: esporte desenvolvido especificamente para pessoas cegas, a bola possui guizos e a arena precisa de silêncio na partida. A quadra é do tamanho de uma quadra de vôlei;
  • Hipismo: restrita à modalidade de adestramento e atletas cegos contam com sinalizações sonoras para a sua orientação;
  • Judô: possui quase que as mesmas regras da modalidade para não deficientes, mas os atletas começam a luta já em contato com o kimono do adversário, sendo o combate parado sempre que o contato é perdido;
  • Natação: as viradas na piscina são acompanhadas de avisos e um bastão com a ponta de espuma, toca seus corpos, quando perto das bordas;
  • Remo: Não há versão específica, mas as pessoas com deficiência visual integram equipe com atletas que possui função residual nas pernas;
  • Canoagem: semelhante ao remo, mas a largada é adaptada a comandos sonoros ao invés de visuais;
  • Triatlo: assim como nas provas de corrida do atletismo, os atletas cegos são acompanhados por um atleta-guia.
  • Beisebol: As bolas são de maior tamanho e com guizo e bases apresentam totem de espuma com bipes para indicar direção;
  • Boliche: possui localizador sonoro para orientar os atletas e pinos coloridos para orientar pessoas com baixa visão e pode ter um parceiro que indique os pinos que ainda necessitam ser derrubados;
  • Crossfit: possuem diversos exercícios, adaptados com orientação e supervisão para que haja movimentos corretos, protegendo o atleta.
  • Golfe: há ajuda de instrutores na orientações sobre a distância e direção da tacada e na geografia local;
  • Musculação/Levantamento de Peso: como no crossfit, tem adaptações, necessitando apenas a orientação para a execução correta dos movimentos;
  • Paraquedismo: pessoas cegas realizam saltos duplos, acompanhados de um instrutor;
  • Surfe: as pranchas adaptadas costumam ser longboards com guizos nas pontas e pontos com relevo para garantir a orientação sonora e tátil. Sendo orientados quanto os melhores momentos de entrar e sair das ondas;
  • Tênis de Mesa: é jogado com uma raquete de lateral plana, e com rede alta para permitir que bolas com guizo por baixo.
  • Tiro com Arco: os atletas usam a sensibilidade tátil e são guiados por um assistente posicionado atrás da linha de tiro;
  • Wrestling: o combate inicia-se com contato, onde uma mão vai na parte de cima do antebraço do oponente e a outra por baixo do cotovelo.

Saiba mais: Dia nacional da criança com deficiência

Como podemos ver, são muitas as atividades que a pessoa cega ou com baixa visão pode fazer em relação a esportes. Os profissionais de enfermagem precisam conhecer primeiramente essas atividades, para que possam educar as pessoas com deficiência visual, quanto as possibilidades. A pessoa deve escolher a atividade e a equipe multiprofissional deve estar envolvida com o processo para propiciar as facilidades. Lembrando que saúde possui um conceito amplo e neste caso, há diversos benefícios para assistência. Assim, é importante em um plano terapêutico singular, junto ao usuário, construir essas diversas possibilidade.

Referências bibliográfica:

  • Garcia, Fabiane Maia e Braz, Aissa Thamy Alencar Mendes. Deficiência visual: caminhos legais e teóricos da escola inclusiva. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. 2020, 28; (108), pp. 622-641. doi: 10.1590/S0104-40362020002802399.
  • Haiachi, Marcelo de Castro et al. Reflexões sobre a carreira do atleta paraolímpico brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva. 2016, 21,(10), pp. 2999-3006. doi: 10.1590/1413-812320152110.18512016.
  • Simim M. A. de M. et.al. Futebol de cinco para deficientes visuais. Revista Brasileira de Futsal e Futebol, Edição Suplementar 1, São Paulo, 7; (24), p.231-236. 2015. ISSN 1984-4956
  • Silva, C.S. da O desporto paraolímpico brasileiro. Cláudio Silverio da Silva e Ciro Winkler. São Paulo: CRE4/SP. 2019, 112 p.
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades