Enfermagem

Dia Nacional de Luta contra a Esclerose Lateral Amiotrófica

Tempo de leitura: 2 min.

Anualmente, em 21 de Junho, é celebrado o Dia Nacional de Luta contra a Esclerose Lateral Amiotrófica com o objetivo de alertar e conscientizar a população sobre a doença que afeta o sistema nervoso de forma degenerativa e progressiva ocasionando paralisia motora de forma irreversível.

A causa ainda é desconhecida, apesar da possibilidade de estar relacionada com a idade, genética e substâncias do meio ambiente. Dessa forma, não é possível conhecer os fatores que predispõem a doença e nem como prevenir o desenvolvimento.

Leia também: Paciente com paralisia total se comunica usando um implante cerebral em novo estudo clínico

Os indivíduos mais acometidos têm idade entre 55 e 75 anos. A sobrevida desses pacientes varia em média de 2 a 5 anos após o início dos sintomas e a causa de óbito mais frequente é a insuficiência respiratória, além de disfagia e broncoaspiração.

Sua incidência mundial, nas últimas décadas, vem chamando a atenção. No Brasil, são escassas as estimativas, porém em um dos principais estudos de abrangência identificaram 443 casos dessa doença no país.

Principais sinais e sintomas

  • Fraqueza muscular assimétrica;
  • Dor;
  • Cãimbras;
  • Disartria;
  • Tremores;
  • Disfagia;
  • Atrofia;
  • Dispneia;
  • Perda da coordenação motora;
  • Choro e riso incontroláveis (incontinência emocional).

Os órgãos do sentido não são afetados, assim como a inteligência e memória do indivíduo.

Saiba mais: Esclerose amiotrófica e indução de proteínas de choque térmico

Diagnóstico

O diagnóstico precoce da doença pode ser difícil e vai depender da presença dos sinais e sintomas das regiões afetadas. O tempo do início dos sintomas até o diagnóstico leva em torno de 10 a 13 meses.

Para auxiliar no diagnóstico, devem ser realizados os seguintes exames complementares: eletroneuromiografia dos quatro membros, hemograma completo, ureia, creatinina, transaminases séricas, tempo de protrombina, ressonância magnética de encéfalo e junção crânio-cervical, proteína C-reativa e eletroforese de proteínas séricas.

Tratamento

Pode ser dividido em não medicamentoso e medicamentoso.

Não medicamentoso — Consiste nos suportes:

  • Ventilatório;
  • Nutricional;
  • Mobilidade e acessibilidade;
  • Comunicação;
  • Multidisciplinar;
  • Atendimento domiciliar.

Medicamentoso — Tratamento específico:

Apenas um medicamento — riluzol — mostrou-se eficaz e é o único tratamento específico registrado na Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Os benefícios esperados são leve melhora dos sintomas bulbares e da função dos membros, além do aumento de sobrevida.

Para saber mais sobre esse e outros temas, continue acompanhando aqui no Portal Pebmed, no App Nursebook e no Nursebook Web. Se você ainda não baixou, ele está disponível no App Store e na Play Store.

Compartilhar
Publicado por
Camila Tenuto

Posts recentes

Gestão do tempo, um diferencial para o médico

Aprenda a organizar seu tempo de maneira mais eficiente. Participe de evento no próximo sábado,…

6 horas atrás

Como identificar o AVC isquêmico na tomografia computadorizada? [vídeo]

Na emergência é crucial identificar em qual fase do AVC o paciente se encontra, a…

7 horas atrás

Malária: estratégias de diagnóstico precoce e tratamento

A malária é um grande problema de saúde pública. Neste post, iremos revisar os principais…

8 horas atrás

Salbutamol traz benefícios para tratamento de crianças com asma aguda grave?

Estudo não encontrou benefício na adição de uma dose de ataque de salbutamol à infusão…

10 horas atrás

Endometriose confirmada por laparoscopia e o risco de acidente vascular cerebral

A endometriose é uma doença inflamatória com uma prevalência de 10% das mulheres na menacme.…

11 horas atrás

Langya henipavirus: estudo alerta surgimento de novo vírus na China

Um estudo anunciou a detecção de um novo tipo de henipavírus filogeneticamente distinto, o Langya…

14 horas atrás