Enfermagem

Dia Nacional de Prevenção à Hipertensão Arterial: Uma reflexão em tempos de pandemia

Tempo de leitura: 3 min.

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição crônica de saúde caracterizada pelo aumento da pressão arterial (PA ≥140 x 90mmHg). No Brasil, essa condição de saúde atinge aproximadamente 32% da população adulta e aumenta para mais de 50%, considerando os indivíduos acima de 60 anos.  Vale ressaltar que a HAS é um fator de risco cardiovascular, sendo agravado por outras condições, como tabagismo, obesidade, sedentarismo, diabetes mellitus, hipercolesterolemia.

Hipertensão arterial sistêmica e Covid-19

O último ano tem sido desafiador para os profissionais que atuam na ESF, visto recente pandemia da Covid-19, que reduzem as ações de promoção à saúde desenvolvidas pelas unidades. Além disso, as ações de lockdown e medidas restritivas municipais vêm aumentando a ansiedade e reduzindo as possibilidades de autocuidado da população, que pode ocasionar sedentarismo, piora na alimentação, agravamento na utilização de álcool e drogas. Em paralelo, ressaltam-se que comorbidades como HAS, doenças respiratórias, cardiovasculares, metabólicas e imunológicas, além da idade avançada, também influenciam nos fatores de risco da Covid-19.

Por essas razões, e pela comemoração de 19 anos da instituição do Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial (Lei nº 10.439/2002), considera-se indispensável a reflexão de sua prevenção em tempos de pandemia.

Leia também: Dia Nacional de Combate à Hipertensão Arterial: como diagnosticar HA no consultório?

Ações de promoção e prevenção em tempos de pandemia

As ações de promoção à saúde e de prevenção à hipertensão arterial devem ser continuadas, entretanto não em seu modelo tradicional (anterior à pandemia). Sendo assim, as unidades de saúde devem investir em novas ferramentas de promoção à saúde, que evitem a aglomeração dos indivíduos, como contato telefônico, utilização de plataformas de monitoramento coletivo das condições de vida e saúde da população do território (grupos via WhatsApp), divulgação de vídeos educativos, ações coletivas com distanciamento e poucos usuários (quando possível e autorizado pela Secretaria de Saúde do Município), teleconsulta, teleapoio, salas de espera.

Através dessas ferramentas, os profissionais podem promover saúde e prevenir à hipertensão arterial, orientando de forma clara a importância do controle de peso, da alimentação saudável, a redução do uso de sal e de alimentos gordurosos, a prática da atividade física regular e desestimular o uso do álcool e do tabaco, evitando complicações relacionadas às doenças cardiovasculares e ao agravamento da Covid-19.

Referências bibliográficas: 

Compartilhar
Publicado por
Mariana Marins

Posts recentes

Morte encefálica: faz sentido um anestesista em uma cirurgia para doação de órgãos?

A anestesia é usada para amenizar a resposta fisiológica resultante da morte encefálica e otimizar…

6 minutos atrás

Você conhece a sequência atrasada de IOT? [podcast]

Neste episódio, o intensivista Vinicius Zofoli conversa sobre a realização da sequência atrasada de intubação…

1 hora atrás

SUS: Sancionada lei que amplia prevenção de câncer em mulheres

Foi sancionada a lei que amplia a prevenção, a detecção e tratamento de diferentes tipos…

2 horas atrás

O escore MELD sódio deve ser ajustado por sexo?

Um estudo avaliou os parâmetros laboratoriais do escore MELD de forma a propor um ajuste…

3 horas atrás

Uso de LOLA no tratamento de encefalopatia hepática aguda grave

A encefalopatia hepática é uma disfunção do sistema nervoso central causada por insuficiência hepática e/ou…

4 horas atrás

O consumo habitual de café aumenta o risco de glaucoma primário de ângulo aberto? 

Estudo usou a randomização mendeliana para verificar se há relação causal entre o consumo de…

5 horas atrás