Endocrinologia

Diabetes: como é o manejo do controle glicêmico em cirurgias eletivas?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

O JAMA lançou este mês uma abordagem fácil e objetiva do manejo glicêmico perioperatório em pacientes diabéticos que são submetidos a cirurgias eletivas. Acompanhe abaixo as dicas clínicas do que é fundamental acompanhar antes, durante e depois do procedimento programado do seu paciente:

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Pré operatório:

  • Checar hemoglobina glicada em todos os pacientes diabéticos. Se HbA1c> 8%, avaliar suspensão temporária do procedimento eletivo.
  • Hiperglicemias severas (glicose > 250mg/dl), com ou sem acidose metabólica descompensada garantem o adiamento de cirurgias eletivas.
  • Dia anterior ao procedimento: manter todos os antidiabéticos orais, inclusive metformina. O único medicamento que precisa de ajuste é a insulina basal de ação longa administrada pela noite. A dose deve ser reduzida em 50 a 75%, especialmente em pacientes que fazem uso de mais de 60% da dose total diária de insulina.

Manhã do procedimento:

Diabéticos tipo 1

Não interromper insulina basal de longa ação. Existe risco de cetoacidose diabética caso seja interrompida.

Diabético tipo 2

Administrar 50% da dose de insulina de longa ação. Atenção: a insulina de ação intermediaria deve ser reduzida pela metade em ambos os tipos de diabéticos: o paciente não fará refeição ao meio dia, existe risco de hipoglicemia.

Leia mais: ADA 2019: o que mudou no diagnóstico de diabetes?

As insulinas de curta ação devem ser evitadas na manhã da cirurgia, assim como antidiabéticos orais.

  • Pré cirúrgico: para pacientes em uso de sulfonilureia e insulina, glicemia acima 100 mg/dl é desejada e, quando acima de 180 mg/dl, deve ser corrigida com insulina de ação rápida.

Intraoperatório:

  • Manter glicemia abaixo de 180 mg/dl e evitar hipoglicemia. Pode-se alcançar tal objetivo com o uso de insulina de ação rápida subcutânea ou intravenosa, com monitorização da glicose de 1/1h ou 2/2h.

Pós Operatório:

  • Os alvos de glicemia no pós operatórios não estão bem estabelecidos. Objetivar glicemia pré prandial em torno de 100 a 140mg/dl e glicemia aleatória sanguínea entre 100 e 180 mg/dl.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Simha V, Shah P. Perioperative Glucose Control in Patients With Diabetes Undergoing Elective Surgery. JAMA. Published online January 07, 2019. doi:10.1001/jama.2018.20922
Compartilhar
Publicado por
Jamili Zanon Bonicenha

Posts recentes

Intubação na escassez de sedativo: quais as alternativas medicamentosas? [podcast]

Neste episódio, o Dr. Filipe Amado falará sobre como realizar intubação no cenário de escassez…

12 horas atrás

Diagnóstico de mieloma múltiplo: o papel dos exames de imagem

O mieloma múltiplo (MM) é uma neoplasia hematológica que resulta da proliferação clonal de plasmócitos…

13 horas atrás

5 mnemônicos para salvar o plantão

Os mnemônicos, que já são consagrados como estratégia de estudo, também podem nos ajudar na…

14 horas atrás

Tapentadol x Oxicodona para controle da dor pós-operatória

A busca por um opioide com maior perfil de segurança para dor pós-operatória é altamente…

15 horas atrás

Dor no ombro após cirurgia de vesícula: foi a posição?

A dor no ombro é uma queixa bastante frequente após a cirurgia laparoscópica. Foi estudada…

16 horas atrás

Micofenolato de mofetila no manejo inicial da púrpura trombocitopênica imune

Púrpura trombocitopênica imune é uma condição autoimune que autoanticorpos antiplaquetários promovem a destruição das plaquetas…

17 horas atrás