Ginecologia e Obstetrícia

Diagnóstico de vaginite e a microbiota vaginal real

Tempo de leitura: 2 min.

De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) as vulvovaginites e vaginoses são as causas mais comuns de corrimento vaginal patológico, sendo responsáveis por mais de 10 milhões de consultas médicas por ano. O diagnóstico de vaginite na maioria das vezes é feito por anamnese e exame clínico, para assim, realizar a prescrição de antibióticos ou antifúngicos orais ou vaginais. Mas será que o que vemos na clínica condiz com a microbiota vaginal real? Será que passamos o tratamento adequado para mais de 10 milhões de pacientes por ano?

Ouça também: Candidíase vaginal recorrente: caso clínico [podcast]

Análise recente

Recentemente foi publicado um estudo na Obstetrics & Gynecology comparando a microbiota vaginal obtida através da coleta da secreção vaginal da paciente e seu diagnóstico clínico. Com objetivo de avaliar se este diagnóstico condiz e se seu tratamento é feito de maneira correta. Afinal, hoje vivemos um sério problema de resistência bacteriana e fúngica, sendo prejudicial a prescrição de antibióticos e antifúngicos sem necessidade.

Conclusão

Segundo Broache (2021), a maioria das pacientes com diagnóstico de vulvovaginite clínico realmente apresentavam infecção bacteriana ou fúngica no exame laboratorial. Porém, as pacientes com exame clínico compatível com normalidade, em grande parte, apresentavam alteração da microbiota vaginal. De modo que os pesquisadores concluíram ser benéfico para as pacientes a associação do exame clínico com a avaliação da secreção vaginal laboratorial para prosseguir conduta frente a queixa de corrimento vaginal.

Referências Bibliográficas:

  • Broache, Molly BSN, MSN; Cammarata, Catherine L. BS; Stonebraker, Elizabeth BS; Eckert, Karen MS; Van Der Pol, Barbara PhD, MPH; Taylor, Stephanie N. Performance of a Vaginal Panel Assay Compared With the Clinical Diagnosis of Vaginitis. Obstetrics & Gynecology. 2021;138(6):853-859. doi: 10.1097/AOG.0000000000004592.
  • Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia – FEBRASGO. Manual de Orientação de Patologias do Trato Genital Inferior, 2010.
Compartilhar
Publicado por
Letícia Suzano Lelis Bellusci
Tags: vaginite

Posts recentes

Pandemia pode provocar atraso no desenvolvimento infantil, indicam pesquisadores brasileiros

Pesquisa realizada pela UFMG acompanhou mais de 500 bebês nascidos durante a pandemia de covid-19.

19 minutos atrás

Interação da flora intestinal com a anestesia

Evidências recentes sugerem que a floraintestinal tem um efeito direto sobre a sensibilidade aos anestésicos.

15 horas atrás

Doença Cerebrovascular: novos vídeos disponíveis

Veja os novos vídeos da subcategoria de Doença Cerebrovascular disponíveis no Clinical Drops, estão imperdíveis!

16 horas atrás

Dietas vegetarianas previnem eventos cardiovasculares?

A alimentação vegetariana garante a prevenção de doenças cardiovasculares? Veja o que estudos recentes apontam…

17 horas atrás

Câncer de boca: Livro lançado pelo INCA orienta sobre diagnóstico precoce

A obra apresenta as características clínicas do câncer de boca e das desordens potencialmente malignas…

18 horas atrás

Melhor abordagem cirúrgica para hérnias inguinais: Robótica, videolaparoscópica ou aberta?

Um estudo avaliou qual a melhor abordagem cirúrgica para o tratamento das hérnias inguinais. Veja…

20 horas atrás