Página Principal > Neurologia > Dieta e atrofia cerebral: o que dizem as evidências
dieta saudavel

Dieta e atrofia cerebral: o que dizem as evidências

Tempo de leitura: 2 minutos.

Evidências indicam que a dieta é um importante fator de risco modificável para demência. Em novo artigo da revista Neurology, pesquisadores investigaram a relação entre a qualidade da dieta e os volumes do tecido cerebral e lesões vasculares em uma população livre de demência.

Para esse estudo, foi utilizado a base populacional do Rotterdam Study. No total, 4.213 participantes (idade média de 66 anos) foram submetidos à avaliação da dieta e ressonância magnética cerebral entre 2005 e 2015. Um escore de qualidade (0–14) foi calculado com base na adesão às diretrizes dietéticas da Holanda, examinando a ingestão de alimentos nos seguintes grupos: vegetais, frutas, produtos integrais, legumes, nozes, laticínios, peixe, chá, gorduras, carne vermelha e processada, bebidas açucaradas, álcool e sal.

A melhor dieta consistia em vegetais, frutas, nozes, grãos integrais, laticínios e peixe, mas uma ingestão limitada de bebidas açucaradas. A pontuação média dos participantes foi sete.

Demência e qualidade da dieta

Os resultados mostraram que uma melhor qualidade da dieta está relacionada com maior volume cerebral, de substância cinzenta, de substância branca e do hipocampo. A qualidade da alimentação não foi associada ao volume da lesão da substância branca ou micro-hemorragias. A alta ingestão de vegetais, frutas, grãos integrais, nozes, laticínios e peixe e baixa ingestão de bebidas açucaradas foi associada a maiores volumes cerebrais.

Pelos achados, os pesquisadores concluíram que uma melhor qualidade da dieta está associada a volumes maiores de tecido cerebral. Esses resultados sugerem que o efeito da nutrição na neurodegeneração pode atuar via estrutura cerebral.

Dieta baseada em jejum pode ser o novo tratamento para diabetes

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Referências:

  • Better diet quality relates to larger brain tissue volumes. Pauline H. Croll, Trudy Voortman, M. Arfan Ikram, Oscar H. Franco, Josje D. Schoufour, Daniel Bos, Meike W. Vernooij. Neurology May 2018, 10.1212/WNL.0000000000005691; DOI: 10.1212/WNL.0000000000005691

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.