Colunistas

Dieta sem glúten, risco cardiovascular e uma extrapolação

Supondo-se que uma alimentação com glúten fosse pró-inflamatória, poderíamos esperar maior risco de obesidade, síndrome metabólica, sintomas neuropsiquiátricos e risco cardiovascular?

Dúvidas como essa, ou mesmo simples modismo, engajam adeptos (não portadores de doença celíaca ou intolerância não celíaca ao glúten) de uma vida mais saudável à adoção voluntária de abstinência.

Um estudo tipo coorte prospectiva, conduzido com mais de 100K profissionais de saúde, foi publicado no BMJ em maio a fim de investigar a questão. O consumo de glúten estimado a partir de recordatório alimentar foi estudado e a ocorrência de infarto agudo do miocárdio, fatal ou não, foi medida. O período de coorte foi de 1986 a 2010.

Quer receber diariamente notícias médicas no seu WhatsApp? Cadastre-se aqui!

A partir dos resultados os autores observaram que o consumo de alimentos contendo glúten não se associou a maior incidência de eventos coronarianos. Em outras palavras: corrigidas as variáveis, dietas restritas em glúten não conferiram proteção cardiovascular aos seus adeptos.

Ainda que muitos evitem o glúten por alguma resposta sintomática a esta proteína alimentar, essa atitude não se acompanha de efeito protetor cardiovascular; pelo contrário: a restrição do glúten cria a vulnerabilidade de uma maior ingestão de grãos integrais, que sabidamente estão associados a benefícios cardiovasculares.

Além de interessante per se, a investigação nos faz refletir sobre as consequências em longo prazo de modismos como este. Ao lado da intolerância ao glúten, outra vedete do momento é a intolerância à lactose, que arrebata milhões de adeptos, mesmo sem a condição. Sabemos que leite e derivados constituem uma importante fonte não apenas de proteínas, mas também de cálcio.

Mais do autor: ‘Obesidade, hipertensão e diabetes avançaram na última década’

Em um mundo com mais idosos, a prevalência de sarcopenia e osteoporose poderá sofrer aumento expressivo, dada a abstinência voluntária a este grupo de alimentos de alta relevância para a alimentação. Cabe ao profissional municiar-se de conhecimento e evidências para combater as ondas de modismos que de tempos em tempo ganham espaços na mídia.

Autor:

Referência:

Compartilhar
Publicado por
Haroldo Falcão
Tags: gluten

Posts recentes

Hematoma subdural: caso clínico na emergência [podcast]

Neste episódio, o Dr. Felipe Nóbrega vai falar sobre o hematoma subdural no contexto de…

2 horas atrás

Acometimento neurológico em crianças com síndrome hemolítico-urêmica típica: dados de uma revisão retrospectiva

A síndrome hemolítico-urêmica (SHU) é um quadro grave, sendo a principal causa de insuficiência renal…

3 horas atrás

Anestesia e hipotireoidismo

O hipotireoidismo é uma das doenças endócrinas mais comuns e caracterizado pela baixa atividade da…

4 horas atrás

Cinco dicas para falar sobre fertilidade com seus pacientes

De acordo com um estudo realizado em Nova Jersey, nos EUA, apenas 25% das mulheres…

5 horas atrás

CHEST 2021: Abordagem da fístula aérea persistente em pacientes com pneumotórax

Pacientes com pneumotórax são cada vez mais comuns dentro da UTI, especialmente no contexto da…

6 horas atrás

CHEST 2021: Tratamento cirúrgico no DPOC: quando e como indicar?

A DPOC acomete milhões de pessoas em todo o mundo e é a terceira maior…

7 horas atrás