Categorias: Cardiologia

Dietas: qual tem mais mortalidade por doenças cardiovasculares?

Tempo de leitura: 2 min.

Uma das principais causas de morte ao redor do mundo, as doenças cardiovasculares apresentam diversos fatores de risco: idade, hereditariedade, gênero, obesidade, diabetes, sedentarismo, tabagismo, estresse, hipertensão e dietas pobres.

A dieta pobre, o último item dessa lista, inclusive, de acordo com o estudo “Health effects of dietary risks in 195 countries, 1990–2017: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2017”, é a responsável por dez milhões de morte em todo o mundo. Do total, 3,8 milhões foram causadas por deficiência de frutas, verduras e legumes, 1,4 milhão por uma dieta pobre em frutos do mar e 150.000 devido a um alto consumo de carne vermelha e processada.

Dietas com ou sem consumo de carne?

Nos últimos anos, devida a divulgação de diversos dados sobre o assunto, se popularizaram dietas mais restritivas com relação a ingestão de carne, principalmente vermelha, e de produtos de origem animal, e consequentemente ao aumento do consumo de produtos de origem exclusivamente vegetal.

Para fazer uma comparação de incidência e risco de mortalidade por doenças cardiovasculares (DCV), infarto do miocárdio (IM), acidente vascular cerebral e insuficiência cardíaca (IC)] entre pessoas com diferentes tipos de dietas, foi feita uma análise prospectiva com dados do UK Biobank com 422.791 participantes, sendo 55,4% mulheres.

Métodos utilizados e resultados

Durante quatro anos (2006 e 2010), o UK Biobank recrutou participantes com idades entre 37-73 anos, onde preencheram um questionário, fizeram medições físicas e forneceram amostras biológicas. Com os dados do questionário de frequência alimentar, quatro tipos de dietas foram derivados: comedores de carne, vegetarianos, comedores de peixe e comedores de carne branca (peixe e aves).

Os comedores de carne representaram 94,7% da coorte e foram mais propensos a serem obesos do que os outros grupos de dieta. Após um acompanhamento médio de 8 anos e meio, os comedores de peixe, em comparação aos comedores de carne, tiveram riscos mais baixos de DCV incidente {taxas de risco (TR): 0,93}, DIC [TR: 0,79], IM [TR: 0,70], acidente vascular cerebral [TR: 0,79] e IC [TR: 0,78], após o ajuste para fatores de confusão. Vegetarianos tiveram menor risco de incidência de DCV [TR: 0,91], em relação aos comedores de carne.

Em contraste, o risco de resultados adversos não foi diferente em comedores de carnes brancas, em comparação aos comedores de carne. Não foram identificadas associações entre tipos de dietas e mortalidade por DVC.

Conclusão

Entre os comedores de carne em geral, os comedores de peixe tinham um risco menor de doenças cardiovasculares, sendo considerada uma dieta saudável a ser estimulada. O vegetarianismo foi associado apenas a um menor risco de incidência de DCV, mas muitos participantes consumiram alimentos não saudáveis como batatas fritas, do que os comedores de carne. Assim, os vegetarianos não podem ser categorizados de forma homogêneo e apenas evitar o consumo de carne não é considerado suficiente para redução de riscos.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED.

Referência bibliográfica:

Petermann-Rocha, Fanny; Parra-Soto, Solange; Gray, Stuart; Anderson, Jana; Welsh, Paul; Gill, Jason; Sattar, Naveed; Ho, Frederick K.; Celis-Morales, Carlos; Pell, Jill P. Vegetarians, fish, poultry, and meat-eaters: who has higher risk of cardiovascular disease incidence and mortality? A prospective study from UK Biobank. European Heart Journal, ehaa939. December, 14, 2020. https://doi.org/10.1093/eurheartj/ehaa939

Compartilhar
Publicado por
Carol Meneses

Posts recentes

ACC.21: o que já sabemos sobre anticoagulantes em pacientes com Covid-19?

Uma sessão inteira do congresso do ACC 2021 foi dedicada à discussão o uso de anticoagulantes…

8 horas atrás

ACC 2021: dapagliflozina seria benéfico em pacientes com Covid-19 e fatores de risco?

Um estudo que avaliou o uso da dapagliflozina na Covid-19 em pacientes com fatores de…

9 horas atrás

ATS 2021: síndrome pós-Covid-19 e reabilitação pulmonar

A síndrome pós-Covid-19 e seu manejo foram temas de uma das sessões do congresso da…

11 horas atrás

ATS 2021: novidades na abordagem de tromboembolismo pulmonar

Uma das temáticas abordadas no ATS 2021 foram as novidades em tromboembolismo pulmonar (TEP), que…

13 horas atrás

ATS 2021: abordagem de nódulos e massas pulmonares – práticas atuais

Um dos principais assuntos discutidos no congresso da American Thoracic Society, ATS 2021, foi nódulos…

15 horas atrás

ACC 2021: oclusão do apêndice atrial em cirurgia cardíaca + anticoagulação pode reduzir risco de AVE?

O estudo LAAOS 3 avaliou se a oclusão do apêndice atrial esquerdo, adicionada à posterior…

1 dia atrás