Cardiologia

Diretriz da AHA para uso do Ômega-3 na Hipertrigliceridemia

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Níveis elevados de triglicerídeos estão associados com aumento do risco de eventos cardiovasculares (IAM, AVC e morte), apesar da força dessa relação não ser tão forte como no colesterol. Por isso, em pacientes com risco cardiovascular elevado, a prioridade é o início das estatinas. E o tratamento dos triglicerídeos fica reservado para os pacientes com níveis muito altos. 

  • Baixo: < 150 mg/dl
  • Moderado: 150-500 mg/dl
  • Alto: 500-886 mg/dl
  • Muito alto: > 886 mg/dl

divergência na literatura do valor de corte para iniciar terapia farmacológica, com alguns autores falando em 500 mg/dl e outros 886 mg/dl. De qualquer forma, o primeiro passo é sempre a adoção de hábitos saudáveis, com:

  1. Redução das calorias da dieta, em especial, com menos ingestão de gordura saturada e frituras.
  2. Redução consumo bebidas alcoólicas.
  3. Exercícios físicos regulares e perda de peso.

Quando mesmo assim há indicação de tratamento farmacológico, a primeira linha sempre foram os fibratos, com destaque para fenofibrato, por menor risco de interação com as estatinas. Só que estudos recentes têm mostrado um papel importante dos ômega-3 na redução do TG e, por um estudo mais recente, até do risco cardiovascular! Veja nossa reportagem sobre o REDUCE-IT, o mais importante destes ensaios clínicos até o momento.

A American Heart Association publicou um artigo confirmando o papel do ômega-3, dose de 4g/dia, na redução dos triglicerídeos. Só que esse documento não definiu com certeza se devemos começá-los com TG > 150, 500 ou 880 mg/dl! Da mesma forma, não há estudos comparando fibrato versus ômega-3 nem a associação deles. Por isso, a conduta deve ser individualizada. Nossa sugestão, até saírem novos estudos, é:

  • TG > 150 mg/dl = iniciar medidas não farmacológicas
  • TG 150-500 mg/dl = se o paciente estiver no perfil do REDUCE-IT e com condições econômicas, associar ômega-3 parece ser benéfico.
  • TG > 500-886 mg/dl = tratamento farmacológico, podendo ser fibrato ou ômega-3

Os possíveis riscos do uso de ômega-3 são efeitos gastrointestinais (halitose, dispepsia e diarreia) e sangramento (em teoria, têm discreto efeito antiplaquetário).

Autor: 

Referências:

Compartilhar
Publicado por
Ronaldo Gismondi

Posts recentes

Anemia ferropriva na gestação – parte 1

A anemia ferropriva é caracterizada por redução ou ausência de estoque de ferro no organismo.…

57 minutos atrás

PEBMED e Saúde Global: metas de qualidades do corpo clínico [vídeo]

No episódio de hoje, Vitor Sforni comenta sobre as metas de qualidade presentes no planejamento…

2 horas atrás

Suplementação alimentar

A suplementação alimentar é feita com o objetivo de complementar a alimentação com nutrientes, substâncias…

3 horas atrás

Válvula aórtica bicúspide: são todas iguais? Veja as novas definições

A válvula aórtica bicúspide (VAB) é uma condição congênita caracterizada pela ausência da morfologia normal…

5 horas atrás

Ministério da Saúde recomenda dose de reforço da vacina da Janssen

O Ministério da Saúde emitiu uma nota técnica ontem, 25, recomendando uma dose de reforço…

6 horas atrás

Diabetes tipo 2: em que momento utilizar a insulina como recurso terapêutico? [podcast]

No episódio de hoje do podcast da PEBMED, saiba mais sobre o uso da insulina…

7 horas atrás