Home / Colunistas / Diretrizes de desprescrição: como suspender um inibidor de bomba de prótons?
medicamento saude

Diretrizes de desprescrição: como suspender um inibidor de bomba de prótons?

Colunistas, Farmacologia
Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

A desprescrição é o processo planejado e supervisionado de redução da dose ou interrupção do uso de medicamentos que possam causar danos ou não proporcionar benefícios. Um grupo conhecido como OPEN (Ontario Pharmacy Research Collaboration), liderado pela farmacêutica Barbara Farrell e colaboradores, em Ottawa (Canadá), tem trabalhado em diretrizes de desprescrição para medicamentos. A ideia é apoiar equipes interdisciplinares de profissionais de saúde nesse processo, bem como o monitoramento de reações adversas de abstinência de medicamentos em pacientes idosos.

O projeto tem três linhas principais de guidelines de desprescrição: inibidor de bomba de prótons (IBP), antipsicóticos e benzodiazepínicos. Neste post, falaremos sobre os IBP’s, os famosos “prazol”, que são uma importante classe de medicamentos, dada a alta prevalência de uso e uso excessivo dessas drogas.

Não é incomum vermos os IBP’s nas prescrições dos nossos pacientes e, muitas das vezes, eles sequer sabem o porquê de estarem tomando. Em um relatório canadense resumindo o uso de medicamentos prescritos, o pantoprazol foi o 5º mais comumente prescrito. São vistos como inofensivos, porém seu uso crônico está associado à diarreia, má absorção de B12, hipomagnesemia, infecção por Clostridium difficile, fraturas de quadril e pneumonia. Há inclusive estudos recentes associando o uso à demência. Em geral, a incidência desses efeitos é pequena, porém idosos podem estar sob maior risco dessas condições.

Quando os IBP’s são prescritos ou usados ​​por tempo indeterminado, o paciente está exposto a seus riscos inerentes de reações adversas, erros de medicação, interações medicamentosas, visitas à emergência e hospitalizações, além de contribuir significativamente para a polifarmácia no idoso, tema que já discutimos em nosso portal.

Um algoritmo para a desprescrição dos inibidores da bomba de prótons foi publicado pelo OPEN em 2015 e as diretrizes baseadas em evidências para os profissionais de saúde foram publicadas em maio de 2017. Ambos foram divulgados na Campanha Choosing Wisely Canadá.

Tenha sempre condutas atualizadas na sua mão! Baixe gratuitamente o Whitebook.

RECOMENDAÇÕES:

Para adultos (> 18 anos) com sintomas gastrointestinais superiores, que tenham completado um tratamento mínimo de quatro semanas de tratamento com IBP, resultando na resolução dos sintomas do trato GI superior, recomenda-se:

  • Diminuir a dose diária ou parar e mudar para uso conforme necessário (recomendação forte, evidência de baixa qualidade).
  • Considerar um antagonista de receptor H2 como uma alternativa ao IBP (recomendação fraca, evidência de qualidade moderada).

Como algumas evidências sugerem que a interrupção abrupta aumenta o risco de reaparecimento dos sintomas, recomenda-se uma redução gradual da dose. A diretriz sugere o acompanhamento dos pacientes na 4ª e na 12ª semana após a desprescrição para avaliar os sintomas.

A equipe enfatiza a necessidade de esclarecer ao paciente sobre esse processo, tendo em vista que, em geral, eles não estão acostumados a dialogar sobre a redução ou suspensão de medicamentos. Essa conversa pode ser crucial para melhor aderência à proposta de desprescrição.

Clique aqui para acessar o algoritmo completo.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui para se inscrever!

Autora:

 

Referências:

  • Deprescribing proton pump inhibitors Evidence-based clinical practice guidelineBarbara Farrell PharmD ACPR FCSHP Kevin Pottie MD CCFP MClSc FCFP Wade Thompson Taline Boghossian ACPR Lisa Pizzola MSc Farah Joy Rashid ACPR Carlos Rojas-Fernandez PharmD Kate Walsh ACPR Vivian Welch PhD Paul Moayyedi MB ChB PhD MPH Canadian Family Physician • Le Médecin de famille canadien | Vol 63: may • mai 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.