Página Principal > Colunistas > Dirofilariose: conheça a doença do verme do coração
Dirofilariose

Dirofilariose: conheça a doença do verme do coração

Tempo de leitura: 2 minutos.

A dirofilariose, também chamada “doença do verme do coração” (heartworm disease), é uma antropozoonose que. nos homens, caracteriza-se por comprometimento do parênquima. A doença tem caráter crônico,  é causada por nematódeos do gênero Dirofilaria, onde Dirofilaria immitis é a espécie mais amplamente conhecida, e transmitida por mosquitos dos gêneros Aedes, Culex e Anopheles.

“É importante ressaltar que os seres humanos não são um hospedeiro natural para dirofilariose. Em casos raros, os heartworms infectaram pessoas, mas não completam seu ciclo de vida. A dirofilariose irá migrar para o pulmão humano e causar uma lesão redonda que se parece com um tumor. De acordo com pesquisas recentes, “a maioria dos casos relatados de infecção por dirofilariose (D. immitis) em humanos tem sido em pessoas sem sintomas. Pessoas com sintomas podem ter tosse (incluindo tosse com sangue), dor no peito, febre e derrame pleural (excesso de líquido entre os tecidos que revestem os pulmões e a cavidade torácica). ”

O que é Dirofilariose

A dirofilariose é uma zoonose pouco conhecida causada por Dirofilaria spp., nematódeo mais conhecido como verme do coração dos cães (Dirofilaria immitis), parasita do sistema circulatório desses animais, mas que também pode acometer gatos e o ser humano.

Transmissão

A ocorrência está intimamente ligada à presença de mosquitos vetores (Aedesspp., Anopheles spp., Culex spp.), condições climáticas favoráveis, assim como trânsito entre regiões indenes e endêmicas/epidêmicas. O ser humano pode se infectar com D. immitis (pulmão), Dirofilaria repens (pulmão, subcutâneo) e Dirofilaria tenuis (subcutâneo).

Leia maisVigilância Sanitária identifica surtos de toxoplasmose em restaurantes de São Paulo

A fisiopatologia está intimamente ligada à morte do parasita onde, no cão, pode induzir a obstrução de vasos circulatórios e no ser humano produzir uma lesão nodular com intensa reação inflamatória no parênquima pulmonar com formato de moeda observada nas radiografias.

Diagnóstico

Pode ser diagnosticada pelo exame físico, pela detecção de microfilárias na circulação sanguínea, imunoabsorção enzimática (ELISA), alterações radiográficas, ecocardiografia, ultrassonografia e necropsia.

Tratamento

Há riscos no tratamento; a prevenção com a utilização de drogas nos animais é o método mais eficaz, principalmente em visitas a áreas endêmicas ou epidêmicas, diminuindo-se, assim, o risco para saúde pública devido à disseminação do parasita.

Características

A dirofilariose tem apresentado ampla ocorrência mundial, está relacionada a fatores ambientais (características climáticas, presença de vetores e reservatórios animais infectados) e sóciodemográficos (condições precárias de saneamento e deslocamento de animais e seres humanos de áreas indenes ou silenciosas para regiões endêmicas) favorecendo a disseminação da infecção.

Parasita do sistema circulatório sanguíneo dos animais e do ser humano, causa lesões pulmonares e cardíacas em cães e lesões no parênquima pulmonar nos gatos e seres humanos, podendo, ainda, nesses últimos, causar lesão granulomatosa em forma de moeda.

Conclusão

Como o tratamento pode ser fatal, no caso de cães, e invasivo, no caso dos seres humanos, a principal recomendação é a prevenção das possíveis fontes de infecção, os cães, principalmente quando do deslocamento às regiões com alto índice de infecção, visto o alto número de casos não diagnosticados e registrados em seres humanos, levando esta zoonose, de caráter emergente, ser caracterizada como negligenciada.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • ISSN 0103-8478Scielo: Dirofilariose. Zoonose emergente negligenciada Website: https://mtnviewvet.net/heartworm-life-cycle-in-dogs-and-humans/

Um comentário

  1. Avatar
    Lucia Schuller

    quais regiões endêmicas no Brasil para a dilofilariose?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.