Direito Médico

Discriminação profissional: você já viveu isso?

Tempo de leitura: 2 min.

Compreende-se como discriminação a forma de tratamento injusto ou negativo direcionado a uma determinada pessoa ou grupo. É quando a igualdade, fundamental no ambiente profissional, é alterada. Define-se preconceito como a opinião formada antecipadamente, sobre determinada pessoa ou grupo, se baseando na ignorância e em estereótipos.

Parece não ter a ver com saúde, mas façamos o seguinte exercício: onde lê-se “determinada pessoa ou grupo”, leia-se “determinada categoria ou grupo profissional. ”

Compreende-se como discriminação, a forma de tratamento injusto ou negativo direcionado a uma determinada categoria ou grupo profissional. É quando a igualdade, fundamental no ambiente profissional, é alterada. Define-se preconceito como a opinião formada antecipadamente sobre determinada categoria ou grupo profissional, se baseando na ignorância e em estereótipos.

Parece não ter a ver com saúde, mas, infelizmente, tem sim. Na nossa prática profissional estamos sujeitos a essas situações. E é bem como descrito na citação de Feldmann: “se baseando na ignorância e os estereótipos”.  

Os estudos e atualizações constantes, associados ao conhecimento das competências profissionais privativas e compartilhadas no serviço em que se está inserido, são as melhores prevenções para este tipo de situação.

Como evitar um ambiente profissional sem discriminação

O local de trabalho também é responsável pela prevenção. Para isso, basta seguir alguns passos:

  • Construir uma cultura que respeite as diferenças

É prioritário na cultura organizacional, através de um tratamento igualitário e inclusivo seja qual for o cargo, o gênero, a cor, a orientação sexual ou as escolhas pessoais de cada um.

Mais do autor: O fisioterapeuta da linha de frente fora do contexto hospitalar

  • Fazer campanhas de diversidade

De forma criativa e relevante, realizar eventos como palestras e debates, abordando o tema para estimular a reflexão, gerar empatia e discutir as dificuldades enfrentadas.

Se você já se identificou ou se identifica com esta situação, por favor, deixe seu comentário abaixo para que possamos, juntos talvez, achar a luz no fim deste túnel já longo demais.

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Leonardo Gasperini

Posts recentes

Vaginose bacteriana: como identificar e abordar essa condição?

A vaginose bacteriana (VB) é a causa mais comum de corrimento vaginal em mulheres na…

8 horas atrás

Mais de 30 conteúdos novos no Whitebook; confira

Esta semana, o Whitebook ganhou 33 conteúdos novos. Além disso, 170 foram atualizados. Veja os…

8 horas atrás

Explorando emoções e percepções do paciente

Na terceira publicação da série Comunicação Médica, abordamos a importância da valorização das emoções na…

10 horas atrás

Informe-se sobre o piso salarial da enfermagem

A lei 14.434 institui o piso salarial de enfermagem, para enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares…

11 horas atrás

Hemorragia pós-parto: Quais são os fatores de risco para falha do tamponamento intrauterino?

Um trabalho revisou quais fatores poderiam facilitar a falha do tamponamento por balão em pacientes…

12 horas atrás

Há estimativa de risco para demência em pacientes que apresentaram delirium?

Um estudo estudou o risco de desenvolvimento de demência naqueles que apresentaram um episódio de…

13 horas atrás