Gastroenterologia

Dispepsia funcional e gastroparesia: parte do mesmo espectro de doença?

Tempo de leitura: 3 min.

A dispepsia, caracterizada por saciedade precoce, dor epigástrica, empachamento pós-prandial e náusea, pode ser encontrada em cerca de 10-20% da população mundial. Esses sintomas muitas vezes se sobrepõem àqueles observados na gastroparesia, definida por náuseas e vômitos associados a retardo no esvaziamento gástrico sem obstrução mecânica estrutural. A relação entre dispepsia tipo síndrome de desconforto pós-prandial e gastroparesia nunca foi bem esclarecida. 

Estudo sobre a relação entre dispepsia e gastroparesia

Recentemente, Pasricha e colaboradores realizaram um estudo de coorte prospectiva de 48 semanas, incluindo 944 pacientes, sendo 720 com gastroparesia idiopática ou diabética e 224 com esvaziamento gástrico normal e diagnóstico de dispepsia funcional pelos critérios de ROMA III. Os dois grupos apresentavam sintomas semelhantes tanto no início do estudo quanto com 48 semanas.

Independente de apresentar esvaziamento gástrico normal ou alterado no início do acompanhamento, a presença de gastroparesia nos diferentes grupos se alterou ao longo do tempo, sendo que 41% dos pacientes mudaram de categoria. Dentre os pacientes com diagnóstico inicial de gastroparesia, seja ela idiopática ou diabética, 42% não mais preencheram o critério após 48 semanas. 

Leia também: Gastroparesia em crianças: como conduzir? 

Já entre os pacientes do dispepsia funcional, 37% passaram a apresentam atraso no esvaziamento gástrico ao final do seguimento. Além disso, não se observou relação entre a gravidade dos sintomas e a gastroparesia. Independentemente do status da gastroparesia, a análise histológica de biópsias transmurais obtidas cirurgicamente de nove pacientes em cada grupo demonstraram redução nos número de células de Cajal e macrófagos mioentéricos com papel anti-inflamatório, comparado à indivíduos controle.

Conclusões do estudo

Os autores do estudo concluem, então, que a dispepsia funcional e gastroparesia parecem fazer parte do mesmo espectro clinicopatológico de disfunção neuromuscular, sendo que o esvaziamento gástrico isoladamente não é capaz de diferenciar as duas entidades, como previamente se acreditava. Cabe destacar que o novo Consenso de Roma IV já separa os sintomas cardinais de dispepsia funcional (saciedade precoce, empachamento pós-prandial, dor epigástrica ou queimação) daqueles das desordens associadas a náusea e vômitos crônicos, onde se inclui a gastroparesia (náuseas e vômitos).

Considerações

Em um editorial publicado na mesma revista, Tack e colaboradores defendem que, independentemente dos desfechos do estudo conduzido por Pasricha, devemos seguir realizando estudos do esvaziamento gástrico, uma vez que podem ser úteis em diversos aspectos, como:

  • estabelecer um diagnóstico específico;
  • identificar o mecanismo por trás dos sintomas;
  • auxiliar na escolha do tratamento;
  • predizer desfechos de longo prazo.

Apesar do trabalho recém publicado não identificar diferenças de desfecho em 48 semanas de seguimento, estudos prévios de longo prazo observaram que pacientes com dispepsia funcional e esvaziamento gástrico alterado apresentam maior risco de persistência dos sintomas. Por fim, os editores propõem um fluxograma de classificação das doenças baseado nos achados desse novo estudo. Confira:

Autor: 

Referências bibliográficas:

Pasricha PJ, et al. National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases/National Institutes of Health Gastroparesis Clinical Research Consortium. Functional Dyspepsia and Gastroparesis in Tertiary Care are Interchangeable Syndromes With Common Clinical and Pathologic Features. Gastroenterology. 2021 May;160(6):2006-2017. doi: https://doi.org/10.1053/j.gastro.2021.01.230

Tack J, et al. Gastroparesis: A Dead-end Street After All? Gastroenterology. 2021 May;160(6):1931-1933. doi: doi: https://doi.org/10.1053/j.gastro.2021.02.042

Compartilhar
Publicado por
Guilherme Grossi Cançado

Posts recentes

Atividade física e Covid-19: a importância da reavaliação médica no retorno aos treinos

Nesse primeiro vídeo sobre atividade física e covid-19, o cardiologista Mateus Freitas comenta sobre a…

8 horas atrás

Novas evidências: Laser fracionado de CO2 para tratamento de atrofia vaginal

O laser fracionado de CO2 ganha cada vez mais credibilidade no tratamento de patologias urogenitais.…

9 horas atrás

Manejo da dispneia na emergência com uso de ultrassonografia point-of-care (POCUS)

A ultrassonografia POCUS pode ser utilizada como ferramenta diagnóstica e como guia da evolução da…

10 horas atrás

CHEST 2021: Fibrose pulmonar idiopática, neurointensivismo, DPOC e muito mais

O CHEST 2021, congresso do American College of Chest Physicians, trouxe diversas novidades e discussões…

11 horas atrás

Estudo mostra bebês prematuros extremos que sobrevivem ao parto também melhoram os desfechos de neurodesenvolvimento

Um estudo avaliou o neurodesenvolvimento e a incapacidade neurológica significativa aos dois anos em bebês…

12 horas atrás

Perfil metabólico nas mulheres em amamentação exclusiva após uma gestação com diabetes gestacional

A diabetes gestacional é uma doença de incidência variável no mundo, chegando a 17,8% das…

13 horas atrás