Categorias: ColunistasPediatria

Distúrbios cognitivos em bebês extremamente prematuros persistem mesmo após anos do nascimento

Tempo de leitura: 2 min.

O comprometimento cognitivo e neuropsicológico associado ao nascimento extremamente prematuro persiste na idade adulta jovem, de acordo com novo estudo publicado na revista americana Pediatrics.

As crianças nascidas extremamente prematuras (EP), isto é, com menos de 26 semanas de idade gestacional, apresentam escores cognitivos mais baixos e uma taxa maior de comprometimento cognitivo em comparação a controles nascidos a termo. No entanto, a apresentação neuropsicológica desses indivíduos EP na idade adulta ainda não havia sido descrita. Esse foi o objetivo do estudo de O’Reilly e colaboradores (2020): avaliar os resultados neuropsicológicos no início da idade adulta após o nascimento de bebês EP na coorte EPICure de 1995 e investigar se a taxa de comprometimento intelectual mudou longitudinalmente.

CONFIRA: Prematuros extremos – o que mudou no atendimento?

Comprometimento intelectual nos bebês extremamente prematuros

O estudo, intitulado “Neuropsychological Outcomes at 19 Years of Age Following Extremely Preterm Birth”, foi financiado pelo Medical Research Council United Kingdom e conduzido da seguinte forma: um total de 127 jovens adultos nascidos EP e 64 controles nascidos a termo tiveram uma avaliação neuropsicológica aos 19 anos de idade. Foram analisadas as habilidades cognitivas gerais (QI), habilidades visuomotoras, memória prospectiva e aspectos de funções executivas e de linguagem.

Resultados

Os adultos que nasceram EP tiveram uma pontuação significativamente menor que os controles nascidos a termo em todos os testes neuropsicológicos com tamanhos de efeito (Cohen d) de 0,7 a 1,2. Os pesquisadores observaram que 60% dos adultos nascidos EP apresentaram comprometimento em, pelo menos, um domínio neuropsicológico; déficits no funcionamento cognitivo geral e habilidades visuomotoras foram mais frequentes de acordo com os autores. A proporção de participantes EP com deficiência intelectual (QI 70) aumentou 6,7% entre 11 e 19 anos (P = 0,02). Além disso, o funcionamento visuoespacial na infância previu o funcionamento visuomotor aos 19 anos.

O estudo de O’Reilly e colaboradores (2020) concluiu que jovens adultos nascidos EP continuam a apresentar funções cognitivas inferiores quando comparados aos controles que nasceram a termo, com a prevalência de comprometimento intelectual aumentando significativamente dos 11 para os 19 anos de idade. Os cientistas descreveram que esses adultos nascidos EP apresentaram comprometimento de múltiplas funções neuropsicológicas, sendo que os déficits no funcionamento cognitivo geral e nas habilidades visuomotoras foram maiores.

Os resultados atuais desse estudo destacam a necessidade de uma avaliação neuropsicológica e educacional precoce e contínua em crianças que nasceram EP para garantir que elas recebam apoio adequado na escola e caminhos educacionais planejados.

LEIA TAMBÉM: Como reduzir nascimentos prematuros?

Autor:

Referências bibliográficas:

  • O’REILLY, H. et al. Neuropsychological Outcomes at 19 Years of Age Following Extremely Preterm Birth. Pediatrics, v.14, n.2, e20192087, 2020
Compartilhar
Publicado por
Roberta Esteves Vieira de Castro

Posts recentes

ACC.21: o que já sabemos sobre anticoagulantes em pacientes com Covid-19?

Uma sessão inteira do congresso do ACC 2021 foi dedicada à discussão o uso de anticoagulantes…

8 horas atrás

ACC 2021: dapagliflozina seria benéfico em pacientes com Covid-19 e fatores de risco?

Um estudo que avaliou o uso da dapagliflozina na Covid-19 em pacientes com fatores de…

9 horas atrás

ATS 2021: síndrome pós-Covid-19 e reabilitação pulmonar

A síndrome pós-Covid-19 e seu manejo foram temas de uma das sessões do congresso da…

11 horas atrás

ATS 2021: novidades na abordagem de tromboembolismo pulmonar

Uma das temáticas abordadas no ATS 2021 foram as novidades em tromboembolismo pulmonar (TEP), que…

13 horas atrás

ATS 2021: abordagem de nódulos e massas pulmonares – práticas atuais

Um dos principais assuntos discutidos no congresso da American Thoracic Society, ATS 2021, foi nódulos…

15 horas atrás

ACC 2021: oclusão do apêndice atrial em cirurgia cardíaca + anticoagulação pode reduzir risco de AVE?

O estudo LAAOS 3 avaliou se a oclusão do apêndice atrial esquerdo, adicionada à posterior…

1 dia atrás