Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Doença de Benson: você sabe o que é?
hialose asteroide em olho esquerdo de paciente pseudofácico

Doença de Benson: você sabe o que é?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 2 minutos.

A doença de Benson, ou hialose asteroide, ou scintillatio albescens, é um processo degenerativo comum, pelo qual se acumulam minúsculos glóbulos de pirofosfato de cálcio dentro do gel vítreo. A origem da hialose asteroide permanece desconhecida. Foi sugerida uma associação com o diabetes mellitus, hipermetropia, hipertensão arterial e hipercolesterolemia, entretanto isso não foi comprovado.

É caracterizada pela presença de diversas minúsculas partículas arredondadas branco amareladas cintilantes birrefringentes, vistas à iluminação direta, que variam em tamanho e densidade. Tais partículas se movem com o vítreo durante os movimentos oculares, porém não sedimentam inferiormente quando o olho fica imóvel. No campo vermelho, observam-se as sombras das esferas, que aparecem escuras e aumentadas de tamanho.

A doença é unilateral em 75% dos pacientes. Estima-se uma prevalência de 0,042-0,5%, apesar de estudos recentes terem observado uma incidência de 1,96%. Afeta todas as raças, sendo mais comum em homens do que mulheres em uma proporção de 2:1.

Mais do autor: ‘Você sabe qual exame realizado, alteração e diagnóstico da imagem?’

Apesar da prevalência de hialose asteroide aumentar com a idade, afetando 3% das pessoas entre 75 e 86 anos, o descolamento posterior de vítreo, completo ou parcial, ocorre com menos frequência em indivíduos com hialose asteroide do que em controles pareados pela idade, o que não apoia a degeneração relacionada com a idade como causa.

Por vezes, a análise da retinografia é difícil devido aos numerosos reflexos produzidos pelos corpos hialoides. A angiografia fluoresceínica permite uma melhor visualização em casos difíceis. Na ultrassonografia, a hialose asteroide apresenta-se como depósitos hiperrrefletivos na cavidade vítrea e pode dificultar a medição do comprimento axial do globo ocular.

Na maioria dos casos é assintomática, raramente afetando a acuidade visual. A exceção ocorre nos casos em que há um grande envolvimento do vítreo, nos quais pode ser indicada uma vitrectomia. Entre os possíveis diagnósticos diferenciais, devem ser pensados a amiloidose e a sínquise cintilante (cholesterolosis bulbi).

*A imagem que ilustra esse texto foi gentilmente cedida pela Drª Andreia Brum e mostra uma hialose asteroide em olho esquerdo de paciente pseudofácico.

É médico e também quer fazer parte da equipe de colunistas da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.