Emergências

Doença de Haff: Casos de doença relacionada à ingestão de peixe são registrados na Bahia

Tempo de leitura: 2 min.

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia registrou um total de 13 notificações de doença de Haff em 2020, sendo três novos casos na última sexta-feira (13).

Em comum, os pacientes dos casos apresentam relatos de ingestão de pescado. Nos três primeiros casos, os pacientes relataram que consumiram um peixe conhecido como “olho-de-boi”, aproximadamente sete horas depois, começaram a apresentar sintomas como mialgias, tontura, náuseas e astenia.

Na literatura, há relatos da doença relacionada a outros peixes de água doce, como o tambaqui, muito consumido na região amazônica.

Leia também: Pseudoterranova azarasi é encontrado na faringe de uma mulher após a ingestão de sashimi

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Sobre a doença de Haff

A doença de Haff é uma síndrome de rabdomiólise inexplicada após o consumo de certos tipos de peixes. A toxina responsável pelas alterações não foi identificada.

Geralmente o paciente apresenta com mialgia súbita, astenia, parestesia de membros inferiores, podendo evoluir com rabdomiólise. Neste caso, podem apresentar insuficiência renal, em que a coloração da urina (marrom escura) é um marcador importante. Os sintomas geralmente aparecem aproximadamente 18 horas após a comer peixe.

Orientações importantes

Aos primeiros sintomas, o paciente deve buscar uma unidade de saúde e outros indivíduos que possam ter consumido do mesmo peixe ou crustáceo devem ser identificados.

Laboratorialmente, recomenda-se acompanhar creatinofosfoquinase (CPK), TGO e monitorização da função renal. Nos casos que evoluem com rabdomiólise, o paciente deve ser rapidamente hidratado durante 48 a 72 horas.

Também é importante evitar uso de anti-inflamatórios nos casos suspeitos.

Mensagem prática

  1. Novos casos de doença de Haff foram registrados na Bahia.
  2. É importante conhecer a doença para que o diagnóstico e tratamento não sejam retardados.

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Dayanna de Oliveira Quintanilha

Posts recentes

CHEST 2021: fibrose pulmonar idiopática – atualizações baseadas em evidências

A fibrose pulmonar idiopática (FPI) é a doença intersticial com maior prevalência no mundo. Em…

2 horas atrás

Os novos anticoagulantes orais estão sendo mais utilizados que os antagonistas da vitamina K em pacientes com FA?

Os novos anticoagulantes surgiram como uma alternativa e mostraram eficácia e segurança semelhante ou melhor…

1 dia atrás

Whitebook: coombs indireto – o que é e como solicitar?

Essa semana, falamos sobre o coombs indireto em obstetrícia. Em nossa publicação de conteúdos do…

1 dia atrás

Diagnóstico de policitemia vera: conceitos importantes

Policitemia vera é uma síndrome mieloproliferativa caracterizada por aumento da massa eritrocitária. Saiba mais.

2 dias atrás

AAP 2021: avaliação de sepse tardia e terapia empírica em prematuros extremos

O objetivo de um estudo apresentado na AAP 2021 foi definir a frequência da sepse…

2 dias atrás

Podcast da Pebmed: dissecção da artéria vertebral. Como diagnosticar e tratar? [podcast]

No episódio de hoje, Henrique Cal, vai discutir sobre causas que podem levar à dissecção…

2 dias atrás