Doença de Parkinson: veja inovações que ajudam a reabilitação do paciente

Veja inovações voltadas para pacientes com doença de Parkinson, que podemos recomendar no dia a dia com o intuito de reabilitar esses indivíduos.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A doença de Parkinson (DP) é uma das patologias neurológicas mais comuns, com uma prevalência estimada em 315 pessoas em cada 10 mil habitantes¹ e incidência maior conforme há o envelhecimento da população. Com caráter progressivo e degenerativo, a doença afeta diversos domínios como função motora, cognição e função autonômica (pressão arterial, controle esfincteriano, hábito intestinal etc.).

Mais de 200 anos após sua descrição inicial por James Parkinson, em seu famoso ensaio², o tratamento da doença ainda consiste na reposição dopaminérgica, sendo a Levodopa o carro-chefe. Avanços mais recentes com cirurgias neuromoduladores e ensaios clínicos focando em diversos aspectos trazem um horizonte promissor, mas o manejo ainda continua delicado e com inúmeras dificuldades.

Leia mais: Cuidado com a cabeça! Poderia um traumatismo craniano causar doença de Parkinson?!

Com o tempo, tarefas simples como abotoar a camisa ou levantar-se da cadeira podem tornar-se virtualmente impossíveis sem a ajuda de terceiros. Neste sentido, vê-se a necessidade de reabilitar os pacientes com DP para conviverem com dificuldades que vão surgindo conforme a doença progride e os medicamentos esbarram em seus limites de eficácia.

parkinson

Como ajudar pacientes com Parkinson

Cabe pesar também a individualidade com que cada paciente lida com os obstáculos que o Parkinson impõe. Lembro-me da fala do Prof. Harold P. Adams, Jr. (Universidade de Iowa) em um curso da American Heart Association sobre a escala do NIH para acidente vascular encefálico (NIHSS), no que toca a diferença entre incapacidade e déficit (disability e impairment): “Se um cantor e um pianista saírem para cortar madeira e ambos tiverem o mesmo infortúnio de perderem uma das mãos, então ambos terão o mesmo déficit, mas apenas o pianista será incapacitado”.

Da mesma forma, o clínico deve sensibilizar-se diante de pacientes em que os déficits serão incapacitantes (e.g. um desenhista com tremor afetando a mão dominante) e buscar maneiras de os auxiliarem em paralelo ao tratamento farmacológico.

A genialidade aliada à necessidade de superar estes obstáculos fez nascer um novo campo de acessibilidade para doentes com problemas neurológicos e tem conseguido retornar aos pacientes funções perdidas ao longo da luta contra a neurodegeneração. Trazemos, aqui, alguns destaques voltados para doença de Parkinson, que nós como clínicos podemos recomendar no dia a dia com o intuito de reabilitar esses indivíduos.

SteadyMouse

Muitos pacientes possuem um fenótipo de DP dito tremulante ou tremor-dominante. De fato, os estudos apontam que o tremor está presente em mais que 70% do casos, predomina como principal sintoma em cerca de 40% dos pacientes³ e, ainda, que o tremor responde pouco ao tratamento com Levodopa. Este aplicativo para Windows foi desenvolvido em 2005 pelo médico James Gottemoller após ter sido diagnosticado com doença de Parkinson e enfrentar dificuldades em mexer o cursor do mouse na tela do computador. Oferecido no site com um custo de US$ 43, ele funciona com um algoritmo que filtra em tempo real as oscilações do cursor produzidas pelo tremor e estabiliza o ponteiro na tela.

Veja no vídeo abaixo:

LiftWare

A empresa foi fundada em 2012 por um grupo de cientistas e engenheiros que possuíam amigos e familiares com dificuldades para se alimentarem por causa do tremor e da mobilidade prejudicada. Os produtos são dois utensílios que auxiliam a alimentação e prometem devolver a independência aos usuários. Particularmente interessante para pacientes com DP, o LiftWare Steady® é uma ferramenta com garfo e colher acopladas a um cabo “inteligente”. Dentro do dispositivo há um pequeno computador com sensores que distinguem entre tremor e movimentos voluntários e dois motores que oscilam em direção oposta, promovendo a estabilização do movimento.

No entanto, o fabricante alerta que o produto pode não ser indicado para pacientes com tremor intermitente, de grande amplitude ou altas frequências. Ainda que indicado para pacientes com DP e tremor nas mãos, o LiftWare Steady® tem um estudo publicado em 20.144 em pacientes com tremor essencial (uma doença em que há tremor que predomina mediante o movimento do membro) demonstrando a redução de 76% de amplitude da tremedeira durante a alimentação. Partindo de um custo de US$ 195 e ainda não disponível no Brasil, é uma opção para pacientes com tremor incapacitante da mão dominante e que possuem pouco benefício com tratamento farmacológico ou contraindicação à abordagem cirúrgica.

PathFinder

Uma das maiores dificuldades para paciente com DP (e das mais difíceis de controlar com terapia farmacológica) é o fenômeno de Freezing da marcha (FOG – Congelamento). Este se caracteriza pela breve e episódica ausência ou redução significativa da progressão dos pés para frente apesar da intenção de deambular. Essa definição inclui episódios em que o paciente não consegue iniciar a marcha (hesitação de início) e pausas na projeção anterior das pernas durante o caminhar5. Nas palavras dos pacientes a sensação é como se os pés estivessem colados ou magnetizados no solo6. Pouco se compreende sobre a fisiopatologia deste fenômeno, mas ele acarreta redução da qualidade de vida, quedas e estigma social. Estima-se que a até 63% dos pacientes apresentarão FOG7 e que é o maior responsável por quedas8. Sabe-se que há estratégias para vencer esse bloqueio motor.

Alguns pacientes têm benefício com táticas que estipulem alguma ritmicidade à marcha (e.g. o som rítmico de um metrônomo ou de uma música, a visualização mental de objetos em movimento e o ato de alternar um objeto entre as mãos). Outros encontram alívio com obstáculos postos à frente dos pés, de forma que se estipule uma pista visual9. Justamente partindo desse conceito que um grupo do Reino Unido fundou a empresa Walk With Path e desenvolveu um produto que consiste em um acessório para sapatos que projeta linhas de laser no solo (Path Finder®).

Confira no vídeo a seguir:

O aparato ganhou atenção especial após uma publicação de 2017 da Neurology demonstrando redução do percentual de tempo com FOG em 56,5% e números de episódios em 45,9%, conferindo evidência nível III para o seu uso10. Somente disponível para compra na Europa, o Path Finder® é vendido por £ 395 (libras esterlinas) e possui baterias recarregáveis.

MagnaReady

Em outro exemplo de invenção trazida pela necessidade e empatia com familiares, há a MagnaReady®. Após ter sido diagnosticado com DP aos 48 anos de idade, o marido da empreendedora Maura Horton apresentava entraves nos movimentos finos das mãos, dificultando a tarefa de abotoar as camisas. De fato, o controle motor fino é prejudicado em pacientes com Parkinson e tem um importante impacto na qualidade de vida11.

Após várias tentativas de ajudar o marido, Maura surgiu com a ideia engenhosa de costurar ímãs no lugar de botões. As camisetas da MagnaReady vêm em diferentes modelos e tamanhos, para ambos os sexos. Custam em torno de US$ 70, mas a ideia pode servir de inspiração para readaptar o vestuário dos pacientes.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

  1. Pringsheim T. et al. The international incidence and prevalence of neurologic conditions. Neurology. 83 (18) 1661-166. (2014);
  2. An Essay on The Shaking Palsy. James Parkinson. Sherwood, Neely and Jones (Londres, 1817);
  3. Choi, S.-M. Comparison of two motor subtype classifications in de novo Parkinson’s disease. Parkinsonism and Related Disorders. (2018);
  4. Pathak, et al. A noninvasive handheld assistive device to accommodate essential tremor: A pilot study. Movement Disorders, vol 29:6 (2014);
  5. Nutt, J. G., Bloem, B. R., Giladi, N., Hallett, M., Horak, F. B., & Nieuwboer, A. Freezing of gait: moving forward on a mysterious clinical phenomenon. The Lancet Neurology, 10(8), 734–744. (2011);
  6. Factor SA, Jennings DL, Molho ES, Marek KL. The Natural History of the Syndrome of Primary Progressive Freezing Gait. Arch Neurol. 59(11):1778–1783. 2002;
  7. Forsaa, E. B., Larsen, J. P., Wentzel-Larsen, T., & Alves, G. A 12-year population-based study of freezing of gait in Parkinson’s disease. Parkinsonism & Related Disorders, 21(3), 254–258. (2015);
  8. Latt, M. D., Lord, S. R., Morris, J. G. L., & Fung, V. S. C. Clinical and physiological assessments for elucidating falls risk in Parkinson’s disease. Movement Disorders, 24(9), 1280–1289. (2009);
  9. Rocha, P. A., Porfírio, G. M., Ferraz, H. B., & Trevisani, V. F. M. Effects of external cues on gait parameters of Parkinson’s disease patients: A systematic review. Clinical Neurology and Neurosurgery, 124, 127–134. (2014);
  10. Barthel, C., Nonnekes, J., van Helvert, M., Haan, R., Janssen, A., Delval, A., … Ferraye, M. U. The laser shoes. Neurology, 90(2), e164–e171. (2017);
  11. Quencer K, Okun MS, Crucian G, Fernandez HH, Skidmore F, Heilman KM. Limb-kinetic apraxia in Parkinson disease. Neurology. 68:150e1. 2007.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.

Especialidades

Tags