Doença inflamatória intestinal na emergência: como tratar? [ABRAMEDE 2018]

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Existem dois grandes grupos da doença inflamatória intestinal (DII): doença de Crohn (DC) e retocolite ulcerativa (RCU). A DC é uma doença transmural, cujos eventos principais são estenose e fístula. Apresenta-se de forma salteada da boca ao ânus, podendo acometer qualquer segmento e de forma não contínua. Já a RCU é uma doença progressiva de forma escalonada, inicia-se na região retossigmoidea e ascende. Sua inflamação é na mucosa, tem maior risco de sangramento, mas não perfura e não faz estenose.

O que o emergencista precisa saber sobre a doença inflamatória intestinal? Esse foi um dos temas do painel sobre doenças crônicas na emergência do ABRAMEDE 2018, com palestra de Carolina Frade Magalhães Girardin Pimentel Mota.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Doença inflamatória intestinal e suas intercorrências

Ambas as doenças apresentam características marcadas de atividade e remissão de doença. As atividades de doença motivam as várias visitas a serviços de emergência. Com o aumento do uso de imunobiológicos também tornou-se mais frequente internações por infecções oportunistas nestes pacientes. Nos EUA, observou-se um aumento de 50% na procura de serviços de emergência por pacientes com DII em oito anos. Pacientes com DC procuram mais o serviço de emergência, porém pacientes com RCU internam com mais frequência.

Possíveis síndrome clínicas de pacientes com DII na emergência:

– Abdome agudo/dor abdominal
– Dor lombar
– Anemia aguda
– Infecções
– Diarreia
– Olho vermelho
– Dor anal
– Alterações cutâneas
– Entre outros

Três dúvidas que o emergencista precisa esclarecer diante de um paciente com DII:

  1. O que estou vendo é atividade da doença?
  2. Existem manifestações intestinais isoladas ou há manifestações extraintestinais?
  3. Há relação entre as manifestações e a atividade de doença?

Doença de Crohn

Atividade da doença: diarreia + dor abdominal + sangramento; fadiga e perda de peso. Costuma vir acompanhada por distúrbios hidroeletrolíticos.

Principais complicações:
– Fístulas: bexiga (ITU, pneumatúria); retroperitoneais (abscesso de psoas, obstrução ureteral, dor); vaginais (gás e fezes na vagina); enterocutâneas;
– Abscessos: febre, dor abdominal e rigidez, peritonite.
– Doença perianal: fissuras, abscesso, fístulas;
– Obstrução: estenoses + inflamação local – náuseas, vômitos e distensão abdominal, ausência de eliminação de gases e fezes;
– Peritonite: microperfurações, apendicite. Manifesta-se por febre com calafrios, dor no quadrante superior direito, queda do estado geral.

Retocolite ulcerativa

Atividade da doença:

  • Medidas iniciais: solicitar exames laboratoriais, excluir infecções intestinais (por Clostridium difficile), radiografia de abdome (para avaliar complicação com megacólon; manter dieta, reposição volêmica, corticoide VO, antibioticoterapia EV, profilaxia de TVP, suspender antiespasmódicos, transfusão de Hb para alvo de 8-10 mg/dL).
  • Disenteria: diarreia com grande perda de sangue com sintomas progressivos de tenesmo e urgência fecal.
  • Colite fulminante: atividade grave da doença.
  • Megacólon tóxico: cólon > 6 cm ou Ceco > 9 cm. Potencialmente letal. Devem ser abordados rapidamente com descompressão do cólon.
  • Manifestações extraintestinais: dor articular (artrite) principalmente em joelho e tornozelo. Está sim relacionada à atividade da doença; dor lombar; espondilite anquilosante; alterações dermatológicas (eritema nodoso, pioderma gangrenoso); alterações oculares (episclerite é a mais comum, uveíte é mais grave); colestase (colangite esclerosante primária: alta associação com RCU, aumentando o risco de neoplasia); dor abdominal (nefrolitíase, colelitíase – pois são pacientes predispostos à formação de cálculos).

MAIS DO CONGRESSO ABRAMEDE 2018

Doenças crônicas:

HIV:

Insuficiência cardíaca:

Medicina Interna:

Lombalgia:

Sepse:

Trauma:

Cetoacidose diabética:

Síndrome coronariana aguda:

Asma grave:

A PEBMED ESTÁ NO ABRAMEDE 2018

Entre os dias 25 e 28 de setembro, a Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE) promove em Fortaleza (CE) a 6ª edição do maior Congresso de Medicina de Emergência Adulto e Pediátrico da América Latina. O evento conta com workshops, cursos e palestras com os maiores especialistas da área. A PEBMED está em Fortaleza e vamos publicar aqui no Portal com exclusividade as principais novidades do evento.

Autor:

Compartilhar
Publicado por
Eduardo Cardoso de Moura

Posts recentes

Questões sobre a saúde mental da juventude LGBT+

Junho é o mês em que a temática LGBTQIA+ ganha destaque. Vamos abordar questões importantes…

2 horas atrás

Novo tratamento para pacientes com atrofia muscular espinhal é incluído no SUS

O SUS vai disponibilizar um novo tratamento com o medicamento Nusinersena, indicado para atrofia muscular…

22 horas atrás

Whitebook: linfonodomegalia

Em nossa publicação semanal de conteúdos do  Whitebook vamos falar sobre a apresentação clínica da…

1 dia atrás

Blog do Nurse: novidades no sininho! 

Você sabia que agora o app queridinho dos enfermeiros pode ser atualizado no sino de…

2 dias atrás

Teste do pezinho: um panorama da origem até os dias atuais

O teste do pezinho é realizado através de gotas de sangue colhidas do calcanhar do…

2 dias atrás

Tratamento endovascular para AVC de artéria basilar é melhor que tratamento convencional?

Foi publicado um estudo randomizado comparando a eficácia do tratamento endovascular com o tratamento clínico…

2 dias atrás