Dor lombar na sala de emergência: indicações de imagem [ABRAMEDE 2018]

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A dor lombar sem trauma corresponde a 2-3% das queixas de adultos na sala de emergência nos Estados Unidos. Destes pacientes, 90% são de baixo risco, 7% de risco intermediário e 3% de alto risco. Cerca de 40% recebe um pedido para exame de imagem. A minoria tem um problema realmente sério e a dificuldade está em diferenciar estes casos dos 90% que não apresentam patologia grave.

Na miniconferência “Dor nas costas: segredos do exame físico e indicações de imagem”, os palestrantes Jonathan Bronner e Silvio Pessanha Neto falaram sobre o tema.

Entre os diagnósticos diferenciais da dor lombar estão:

  • Dissecção de aorta
  • Pancreatite
  • Doença ulcerosa péptica
  • Cólica ureteral
  • Doença inflamatória pélvica
  • Pielonefrite
  • Sangramento retroperitoneal
  • Outras infeções sistêmicas

Os diagnósticos realmente graves envolvendo a coluna são:

– Malignidade relacionada
– Infeção relacionada
– Hematoma epidural

Como otimizar o exame clínico e indicar o exame de imagem?

As recomendações atuais seguem as da campanha Choosing Wisely: procurar por red flags e se não houver, não solicitar exame de imagem.

Quais são os red flags?

– General: ≥ 3 semanas de dor na linha média, acordar durante a noite, novas quedas ou ataxia, nova incontinência, síndromes bilaterais em membros inferiores;
– Malignidade relacionada: história de câncer, perda de peso, menos de 18 anos ou mais de 50 anos;
– Infecção relacionada: febre, imunocomprometimento, uso de droga EV, história de bacteremia;
– Hematoma epidural: uso de anticoagulante, abordagem espinhal recente (punção lombar).

Inspeção e palpação: equimose periumbilical ou em flancos (Sinais de Cullen e Grey-Turner, respectivamente) – doença retroperitoneal.

Exame neurológico: é a chave para o diagnóstico correto. Utilizar-se do exame físico para topografar lesões de coluna, a partir das alterações motoras e sensitivas dermatoméricas. Observar também a marcha do paciente.

Considerações especiais: toque retal – deve ser performado em casos de sintomas de S4-S5 (cauda equina).

Ultrassonografia (USG) à beira de leito: esse é outro recurso que pode ser utilizado. A USG consegue avaliar causas vesicais, hidronefrose, dissecção aórtica, celulite ou abscesso.

Como estratificar o risco?

-> Baixo risco: sem red flags + exame neurológico normal

O que fazer? Não solicitar exames laboratoriais ou de imagem; tratar sintomas; retorno rápido a atividades; follow-up na atenção primária.

-> Moderado risco: ≥ 1 red flag + exame neurológico normal

O que fazer? Requer julgamento clínico. Solicitar marcadores inflamatórios. Dependendo do quadro, solicitar exame de imagem, idealmente RNM em 24-48 horas.

-> Alto risco: ≥ 1 red flag + exame neurológico anormal

O que fazer? Indicar para ressonância magnética imediata. Caso o risco não esteja claro, combinações de red flags são mais sugestivas da presença de patologia.

Outros exames

E o bom e velho raio-X? Usado classicamente como método de screening não está mais indicado, visto que raio-x negativo não descarta patologia, e raio-X positivo precisa ser confirmado com uma ressonância magnética. Ou seja, não muda sua conduta adicional.

Tomografia: pode ajudar no histórico de trauma, mas na ausência de trauma não é adequado para identificar muitas causas, e por isso deve-se preferir a ressonância magnética.

Ressonância magnética: Padrão-outro para pacientes com risco intermediário e alto.

MAIS DO CONGRESSO ABRAMEDE 2018

Sepse:

Trauma:

Cetoacidose diabética:

Síndrome coronariana aguda:

Asma grave:

A PEBMED ESTÁ NO ABRAMEDE 2018

Entre os dias 25 e 28 de setembro, a Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE) promove em Fortaleza (CE) a 6ª edição do maior Congresso de Medicina de Emergência Adulto e Pediátrico da América Latina. O evento conta com workshops, cursos e palestras com os maiores especialistas da área. A PEBMED está em Fortaleza e vamos publicar aqui no Portal com exclusividade as principais novidades do evento.

Autor:

Compartilhar
Publicado por
Eduardo Cardoso de Moura

Posts recentes

ATS 2021: novos tratamentos contra patógenos resistentes – uma pitada de esperança

Uma palestra, no ATS 2021, veio para renovar esperanças com relação à abordagem de patógenos…

55 minutos atrás

ACC 2021: finerenone e redução de fibrilação atrial

Uma análise secundária do FIDELIO-DKD, que avaliou o finerenone em desfechos cardiovasculares e renais, foi…

15 horas atrás

Check-up Semanal: ondansetrona na gestação, mucormicose pós-Covid-19 e mais! [podcast]

Hoje no Check-up Semanal comentamos sobre ondansetrona na gestação, mucormicose pós-Covid-19 e mais. Confira!

16 horas atrás

Extração de colostro: como é em gestantes diabéticas?

Uma revisão selecionou estudos relevantes sobre extração de colostro no período gestacional em mulheres diabéticas.…

17 horas atrás

Inteligência artificial na medicina baseada em evidências: como é?

Através da inteligência artificial, os dados são analisados e interpretados a fim de encontrar padrões…

18 horas atrás

Avaliação placentária através do Doppler das artérias umbilicais

Um artigo da revista Elsevier discutiu possibilidades de avaliação placentária através do Doppler das artérias…

19 horas atrás