Leia mais:
Leia mais:
Dor neuropática: abordagem farmacológica
Oxicodona de liberação prolongada: quais os benefícios?
Metade das brasileiras reclama do descaso dos médicos em relação à dor
Parcerias 2021: confira o top 12 dos parceiros do Portal PEBMED
Dependência de opioides: um panorama brasileiro

Dor neuropática: abordagem farmacológica

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Este conteúdo foi produzido pela PEBMED, em parceria com Mundipharma de acordo com a Política Editorial e de Publicidade do Portal PEBMED.

O tratamento da dor neuropática é complexo assim como sua fisiopatologia. As lesões ou doenças envolvendo o sistema somatossensorial podem, paradoxalmente, não levar apenas a perda de função mas também aumentar a sensibilidade à dor e levar à dor espontânea. 

dor neuropática

Tratamento da dor neuropática

O tratamento farmacológico de primeira linha envolve antidepressivos tricíclicos (principalmente amitriptilina), alfa-2-delta ligantes (gapabentina, pregabalina), inibidores da recaptação de serotonina e noradrenalina (venlafaxina e duloxetina), lidocaína tópica (indicado para dor neuropática periférica localizada quando a 5%, com boa tolerabilidade e segurança) e carbamazepina (fármaco de primeira linha nos casos de neuralgia do trigêmeo). 

Os antidepressivos tricíclicos inibem a recaptação de serotonina e noradrenalina nos terminais pré-sinápticos, aumentando a capacidade da via descendente inibitória – no entanto, como atuam também em diversos receptores como alfa-1-adrenergicos, histaminérgicos e colinérgicos muscarínicos acabam apresentando diversos efeitos colaterais, diferentemente dos antidepressivos duais. 

E se tratando de anticonvulsivantes, os principais representantes são os gabapentinoides, que têm sua ação analgésica por meio da modulação do canal de cálcio do tipo N- além de atuar também em receptores tipo NMDA -, a  carbamazepina e a oxcarbazepina, seu metabólito. 

As medicações que estão envolvidas no tratamento de primeira linha da dor neuropática são, em sua maioria, classificadas como C1, ou seja, não necessitam da Notificação de Receita Especial Amarela, apenas é exigido o Receituário de Controle Especial que deverá ser preenchido em duas vias (1a via – “Retenção da farmácia ou drogaria” e 2a VIA – “Orientação do paciente”). A vantagem atual mais importante advinda desse fato é a atual disponibilidade da Receita Digital Especial (branca) no site do Conselho Regional de Medicina. 

Segunda linha de tratamento

Já no tratamento de segunda linha para essa patologia, de acordo com a classificação da IASP (International Association for the Study of Pain), está o tramadol, um opioide sintético de ação central que exerce seu efeito ao atuar em receptores opioides além de inibir recaptação de noradrenalina e serotonina, estimulando o sistema descendente inibitório da dor. Este opioide é uma mistura racêmica de dois enantiômeros, contendo 50% do enantiômero (+), que inibe a recaptação de serotonina, e 50% do enantiômero (-), que inibe a recaptação de noradrenalina – ambos agem sobre os receptores opioides. Para alguns autores, a capsaicina tópica em alta concentração, ou seja, a 8% (essa formulação será disponibilizada em breve no Brasil) também seria um fármaco de segunda linha, com resultados melhores após sua aplicação por 60 minutos, para casos de neuralgia pós herpética e por 30 minutos, para casos de neuropatias relacionadas ao HIV. 

Uma possível mudança nos futuros guidelines será a mudança da pregabalina para a categoria de “tratamentos farmacológicos de segunda linha” – uma recente publicação na Revista Pain em 2020 mostrou sua limitada eficácia ao ser comparada à nortriptilina e à duloxetina em se tratando de desfechos de redução de dor e efeitos colaterais indesejáveis.  

Terceira linha de tratamento da dor neuropática

Na terceira linha de tratamento, temos os opioides fortes (oxicodona, buprenorfina, morfina, tapentadol). Estes podem ser considerados no início do tratamento de pacientes selecionados, como aqueles com dor intratável de alta gravidade, exacerbações episódicas de dor intensa ou dor neuropática do câncer. No Brasil, a Notificação de Receita Especial Amarela é exigida ao se prescrever um opioide forte, o que adiciona ao paciente uma dificuldade a mais no seu acesso à medicação. No entanto, para a oxicodona (um agonista opioide que pode ser encontrada na forma de comprimidos de liberação cronogramada) e para a buprenorfina (um agonista mu e antagonista kappa disponível no Brasil pela via transdérmica) apenas o Receituário de Controle especial é exigido.  

O tapentadol, foi recentemente disponibilizado no Brasil – no caso de dores crônicas, seu uso tem mostrado efeitos para neuropatia periférica diabética e dor lombar. É um opioide que exerce sua ação no receptor opoide e também na inibição da recaptação de noradrenalina. Ele tem pouca ação na inibição da recaptação de serotonina, o que o deixa em vantagem em relação ao tramadol com relação a alguns efeitos adversos.  

Mensagem prática:

O tratamento da dor neuropática é complexo e temos um grande arsenal terapêutico disponível.  A abordagem deve ser realizada com base na intensidade da dor, perfil de efeitos colaterais, acessibilidade ao medicamento e preferências do próprio paciente. Um ponto importante para direcionar o tratamento é considerar também a presença de comorbidades, por exemplo, priorizar um antidepressivo caso o paciente também tenha depressão e ansiedade.  

Autor(a):

Referências bibliográficas: 

  • Posso, IP; Grossmann, E; Fonseca, PRB; Perissinotti, DMN; Junior, JOO; Souza, JB; Serrano, SC; Vall, J. Tratado de Dor. 1. Ed. 2017. 647. 
  • Freio, U. Romualdi, P. Kress, H. Tapentadol for neuropathic pain: a review of clinical studies. J Pain Res. 2019 May 16;12:1537-1551.doi: 10.2147/JPR.S190162.eCollection 2019. 
  • Santos, J. Alarcao, J. Fareleira, F. Vaz-Carneiro, F. Costa, J. Tapentadol for chronic musculoskeletal pain in adults. Cocharane Database Syst. Ver. 2015 May 27;2015(5):CD009923. doi: 10.1002/14651858.CD009923.pub2. 
  • Moisset X, et al. French guidelines for neuropathic pain: An update and commentary. Rev Neurol (Paris). 2021 Sep;177(7):834-837. DOI: 10.1016/j.neurol.2021.07.004 
  • Moisset, X. Pereira, B. Bouhassira, D. Attal, N. Prebagalin: a better neuropathic pain treatment in rodents than in humans. Pain: October 2020 – V 161 – Issue 10 – P 2425-2427. doi: 10.1097/j.pain.0000000000001993 
  • Al-quliti, KW.  Update on neuropathic pain treatment for trigeminal neuralgia. The pharmacological and surgical options. Neurosciences (Riyadh). 2015 Apr;20(2):107-14. doi: 10.17712/nsj.2015.2.20140501. 
  • Finnerup, NB e al. Pharmacotherapy for neuropathic pain in adults: systematic review, meta-analysis and updated NeuPSIG recommendations. Lancet Neurol. 2015 February; 14(2): 162-173. Doi:10.1016/S1474-4422(14)70251-0 
  • Moulin DE, Clark AJ, Gilron I, Ware MA, Watson CP, Sessle BJ, Coderre T, Morley-Forster PK, Stinson J, Boulanger A, Peng P, Finley GA, Taenzer P, Squire P, Dion D, Cholkan A, Gilani A, Gordon A, Henry J, Jovey R, Lynch M, Mailis-Gagnon A, Panju A, Rollman GB, Velly A; Canadian Pain Society. Pharmacological management of chronic neuropathic pain – consensus statement and guidelines from the Canadian Pain Society. Pain Res Manag. 2007 Spring;12(1):13-21. doi: 10.1155/2007/730785. PMID: 17372630; PMCID: PMC2670721. 
Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Este conteúdo foi produzido pela PEBMED, em parceria com Mundipharma de acordo com a Política Editorial e de Publicidade do Portal PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.