Página Principal > Colunistas > Dormência nas mãos: como identificar a síndrome do túnel do carpo
mãos em preto e branco

Dormência nas mãos: como identificar a síndrome do túnel do carpo

Tempo de leitura: 2 minutos.

Em nossos consultórios e ambulatórios comumente recebemos pacientes com queixa de “dormência nas mãos”, que quando bem explorada pode significar perda da sensibilidade e sensação de formigamento. Uma das principais causas de alteração sensorial nas mãos é a síndrome do túnel do carpo. Sua alta prevalência (cerca de 7% da população terá em algum momento da vida) justifica que médicos generalistas estejam preparados ao menos para uma abordagem inicial.

Como diagnosticar

Para seu diagnóstico devem ser levados em consideração os principais fatores de risco (sobrepeso, gestação, menopausa e movimentos repetitivos com as mãos) e uma avaliação clínica detalhada. Exames complementares, como estudos eletroneuromiográficos devem ser reservados para casos de duvida diagnostica, quando anamnese e exame físico são insuficientes.

Na anamnese pode ser feito o questionário Kamath-Stothard, onde são avaliados:

1 – A dor o desperta no meio da noite? (sim = 1 ; não = 0)
2 – A dormência ou formigamento o despertam durante a noite? (sim = 1; não = 0)
3 – A dormência e/ou formigamento são mais pronunciados pela manhã? (sim = 1 ; não = 0)
4 – Você faz algum movimento para essa sensação ir embora? (sim = 1 ; não = 0)
5 – O formigamento atinge o quinto dedo? (sim = 0 ; não = 3)
6 – A dormência e/ou formigamento é pior quando você lê um jornal, dirige ou costura? (sim = 1 , não = 0)
7 – Você tem dor no pescoço? (sim = -1 ; não = 0)
8 – A dor piorou com a gravidez? (sim = 1 ; não = -1 ; não se aplica = 0)
9 – Usar uma tala para imobilizar o punho melhora a dor? (sim = 2 ; não = 0 ; não se aplica = 0)

Um somatório igual ou maior que cinco dispensa exames complementares e fecha diagnóstico.

Tratamento da síndrome de túnel do carpo

A conduta frente a uma crise de síndrome de túnel do carpo inclui imobilização do punho por, pelo menos, três semanas, e pode ser adicionado corticoterapia oral ou injetável. A aplicação local de corticoide deve ser feita por mãos habilidosas, a fim de evitar lesão de nervo mediano. Casos refratários podem ser enviados ao especialista a fim de conduta cirúrgica.

LEIA MAIS: Nova ferramenta ajuda médico na gestão da síndrome do túnel do carpo

Autora:

Luma Beatriz Peril

Graduação em Medicina pela UFRJ ⦁ Residencia em Medicina de Família e Comunidade pela SMS – Rio.

Referências:

 

  • A clinical questionnaire for the diagnosis of carpal tunnel syndrome’. © 2004 The British Society for Surgery of the Hand. E Dynamed em dezembro/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.